Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A expulsão dos jesuítas

A expulsão dos jesuítas

Mantendo-os em custódia até que fossem arrebanhados os das residências: Muribeca, Itapoca e Araçatiba; e os das missões dos Reis Magos e Iriritiba

O ES em meados do século XVIII

O ES em meados do século XVIII

Seria o caso de se perguntar – em que estágio de civilização vivia o homem, neste pedaço de Brasil, em meados do século XVIII?

Estende-se a jurisdição da ouvidoria

Estende-se a jurisdição da ouvidoria

Pelos fins de 1743, o ouvidor Ferreira de Veras, acompanhado de outras autoridades, piloto e gente do povo, demarcou as terras que, pelo ato instituidor da ouvidoria, passaram à jurisdição do foro capixaba

Revolta dos índios de Iriritiba – Aldeia de Orobó

Revolta dos índios de Iriritiba – Aldeia  de Orobó

Consequência dessas lutas foi a fundação da aldeia de Orobó, “nas cabeceiras do rio Reritigba, a três léguas do mar"

Minas do Castelo

Minas do Castelo

Ao se iniciar a segunda metade do século XVIII, o ouvidor do Espírito Santo estabeleceu as minas do Castelo

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Tempos derradeiros do período colonial

Tempos derradeiros do período colonial

A vida multiforme da capitania ao final do período colonial

A antiga localização de Santa Catarina das Mós

A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

O território do ES entre 1700 e 1800

O território do ES entre 1700 e 1800

Entre 1700 e 1800 o Espírito Santo perdeu a porção de território compreendida entre os rios Mucuri e Doce

Limites do Espírito Santo no período colonial

Limites do Espírito Santo no período colonial

O instrumento para qualificar o ES é Carta de Doação de Vasco Fernandes Coutinho, assinada a 1° de junho de 1534