Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

200 Anos da chegada da Família Real

D. João VI e D. Carlota Joaquina

Em 2008, estamos completando 200 anos da chegada da Família Real portuguesa ao Brasil, liderados por D. João VI e D. Carlota Joaquina (sua esposa) e sua mãe, a Rainha D. Maria I, que foi o início de novos tempos para o Brasil.

A ida da Corte para o Brasil é consequência de um período da história que tem início em 1789, com a Revolução Francesa. Os burgueses viram na figura do líder militar Napoleão Bonaparte a possibilidade de estabelecer a ordem no país. A Inglaterra era a principal adversária da França e para derrotá-la, Napoleão decretou o Bloqueio Continental: todos os portos eram obrigados a fechar as portas ao comércio inglês e quem descumprisse a ordem sentiria o peso do poder do exército francês.

Portugal era uma histórico aliado da Inglaterra e o exército francês tencionava destituir o poder da Família Real portuguesa e dominar o país, que era estratégico no comércio marítimo. Mas o que Napoleão não esperava é que a Família Real, escoltada por navios ingleses, partiria para o Brasil.

Foram dois meses de viagem até os navios atracarem no Brasil, com direito a muitos contratempos, como falta de água e comida em alguns navios, superlotação, surtos de piolhos que obrigaram as mulheres a rasparem os cabelos e condições precárias de higiene.

 

Veja o panorama do Brasil em 1808:

- No início do século XIX o Brasil possuía três milhões de habitantes. Desse total um milhão eram escravos.

- No Rio de Janeiro viviam 60 mil pessoas, sendo 30 mil escravos.

- Com a chegada da Corte, desembarcaram cerca de 150 mil pessoas.

Após a desorganização inicial que atingiu a cidade do Rio de Janeiro, que não estava preparada para receber, de uma só vez, as milhares de pessoas que chegaram, D. João VI conseguiu imprimir ao Brasil o seu ritmo de trabalho. A primeira medida de D. João VI foi determinar a abertura dos portos brasileiros às nações amigas, rompendo o Bloqueio Continental. A medida pôs fim ao pacto colonial, que estabelecia que o Brasil só poderia ter relações comerciais com Portugal. Foi o início da independência econômica brasileira e do processo de independência política.

Foram vários os benefícios para o Brasil motivados pela transferência da Corte, como a construção de escolas de ensino superior, de bibliotecas, que até então eram proibidas, o surgimento da imprensa, que também não era permitida, a criação do Banco do Brasil, entre outras coisas.

Se a Família Real não tivesse deixado Lisboa, o Brasil hoje, provavelmente, não teria a mesma dimensão, devido a movimentos separatistas que poderiam ter êxito e resultariam no surgimento de novos países. A sagacidade de D. João VI e seus descendentes conseguiu manter regiões de tão acentuadas diferenças culturais sob um mesmo manto político.

 

E no Espírito Santo, o que se passava aqui em 1808?

O Espírito Santo era governado pelo Major Manuel Vieira de Albuquerque Tovar, de quem dizem, era um tanto violento. Sua administração foi muito acidentada. A chegada da Corte Portuguesa ao Brasil não teve o menor reflexo no Espírito Santo. Tudo se passou como se nada tivesse ocorrido. A rotina continuou.

Tovar estava ocupado em tentar povoar o Rio Doce e manter a navegação. Reconstruiu a aldeia de Coutins, destruída pelos índios, dando-lhe o nome de Linhares, em homenagem a um ministro amigo do ES. Vivia se desencompatibilizando com o Ouvidor Alberto Antônio Pereira.

Apenas uma passagem mereceu registro: em 1808, planejou uma viagem ao Rio de Janeiro - onde já se encontrava a corte portuguesa - para reiterar, de viva voz, seu pedido de demissão, tão desejada pelos capixabas, ou quem sabe, para acusar o Ouvidor de ser fomentador de desordens e o pior: francês! Mas, no meio do caminho, na Vila de São Salvador de Campos, recebeu um ofício recomendando que voltasse à capitania, pois sua ausência poderia propiciar motins.

Tovar deixou o governo do ES em 1811. Durante sua gestão, o Espírito Santo viu desfeitos os últimos laços administrativos que o prendiam ao governo da Bahia.

 

Fontes: A Gazeta - 20/01/2008/ História do Estado do ES: autor: José Teixeira de Oliveira, 1951 e Biografia de uma Ilha: autor: Luiz Serafim Derenze, 1965
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2012

História do ES

O fazedor de pontes: Breve notícia histórica

O fazedor de pontes: Breve notícia histórica

Devemos a ele, especificamente, a construção das três pontes que contribuíram de maneira mais acentuada para o escoamento de três pontos-chave para o desenvolvimento do Espírito Santo: a ligação da capital ao continente; a ligação entre as margens da cidade de Santa Leopoldina, a mais progressista cidade capixaba da época; a ligação entre as margens do Rio Doce, na época a última fronteira da civilização no rumo do norte do território

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

No tempo do Hidrolitol - Por Sérgio Figueira Sarkis

Dentro da Confeitaria Colombo, encontrava-se a charutaria dos Benezath

Ver Artigo
Festival de Verão de Guarapari Janeiro 1971

A ideia tinha partido de dois jornalistas, Antônio Alaerte e Rubens Gomes Filho

Ver Artigo
A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
A Imigração no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

A entrada de imigrantes europeus representou a maior transformação social e econômica que o Espírito Santo passou

Ver Artigo
Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo