Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Bacia de Ouro da Cobiça – Por Maria Stella de Novaes

Capa do Livro - Lendas Capixabas, 1968

Chama-se Cobiça um lugar, no Município do Cachoeiro do Itapemirim, na margem da Estrada de Ferro Leopoldina, entre a Fazenda Cachoeira Alegre e o Sítio Volpato. Tem uma "Parada". Lugar bonito, cercado de montanhas, coberto de matas primitivas, quando o conhecemos. Formado pelas serras do Maquiné e da Cachoeira Alegre, existia um fosso, desfiladeiro profundo, misterioso, então, porque inteiramente oculto, na espessura da floresta! Devia ser um refúgio de serpentes e outros animais temíveis.

Diziam os sitiantes que era uma Bacia de Ouro!

Contava-nos uma didi que, à noite, fadas e anões, vindos pelas cristas das montanhas, reuniam-se, ali, para regalados festins. Desciam ao subterrâneo, palácio maravilhoso, em escadas de lianas floridas. Dançavam. Valsavam, no salão dourado, iluminado com a profusão de pedras raras, incrustadas nas paredes, e que refletiam raios especiais, que a Lua enviava, através da abertura do fosso. Completavam a iluminação o reluzir de miríades de vagalumes, e lanternas de jiquitiranabóia.

Dispunham de orquestra própria, superior às bandas de música dos homens.

Há muitos anos, não vamos à Cobiça, nem mesmo, por ali, passamos, de trem.

— Existirá ainda a Bacia de Ouro, coberta de mata virgem, ou terá desaparecido destruída pela dendroclastia, que vem liquidando a beleza e a poesia dos sítios capixabas?

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

Folclore e Lendas Capixabas

Os remendos do cágado – Por Maria Stella de Novaes

Os remendos do cágado – Por Maria Stella de Novaes

Certa vez, São Pedro convidou todos os animais alados para uma festa, no Céu, o cágado arranjou uma roupa de baile e dançou à vontade

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Os remadores noturnos – Por Maria Stella de Novaes

Um dos afluentes do rio Doce, o "São José", tem o seu curso envolto em névoa lendária, que nos recorda os tempos idos da escravidão

Ver Artigo
O caçador de Forno Grande – Por Maria Stella de Novaes

Apostou com amigos: Havia de vencer o saci, representante do Príncipe das Trevas, naquele temido lugar

Ver Artigo
O Pássaro de Fogo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-se que uma princesa indígena, belíssima, filha de valoroso soberano, e um jovem de tribo guerreira contrária, apaixonaram-se irredutivelmente

Ver Artigo
Juparanã – Por Maria Stella de Novaes

A Lagoa Juparanã está saturada de fantasia, criada pela imaginação do povo, e que se tem perpetuado, através das gerações

Ver Artigo
O sonho de Frei Pedro Palácios – Por Maria Stella de Novaes

Muitas são as lendas que saturam de poesia a vida de Frei Pedro Palácios, o irmão leigo franciscano, que trouxe, da Europa, a devoção a Nossa Senhora da Penha, para o Brasil

Ver Artigo
A Lanterna do Itabira – Por Maria Stella de Novaes

Encerrava algo de misterioso aquele sítio distante, junto ao Itabira, em Cachoeiro do Itapemirim

Ver Artigo
A Cruz das almas ou de Santo Antônio – Por Maria Stella de Novaes

Nos jornais antigos, lemos notícias de romarias à Cruz das Almas. Assim, a 3 de maio de 1876, alguns estudantes mandaram preparar uma Cruz

Ver Artigo
Quando o Penedo falava – Por Maria Stella de Novaes

Gênio bom e manso, fora enclausurado, no coração da pedra, para assistir a todos os triunfos e todas as amarguras da Terra Espírito-Santense

Ver Artigo
Como São Pedro aprendeu a pescar – Por Maria Stella de Novaes

Contou-nos certo pescador da Praia do Suá que São Pedro e seus companheiros de ofício lutavam sempre com a falta de peixes

Ver Artigo
A Manteigueira Assombrada – Por Maria Stella de Novaes

Desse romance entre a mulher índia e o colono luso, resultou a lenda de uma "assombração", para a Casa da Manteigueira

Ver Artigo
O Governador Afonso Cláudio – Por Maria Stella de Novaes

Teve mesmo de vender uma para atender ao decoro do cargo. A casa foi, depois, o Panamericano; hoje, é Irmãos Helal

Ver Artigo
Elisiário e Nossa Senhora da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Rezou, com toda a confiança no poder da Virgem. Poderosa, jamais lhe faltaria, naquela hora de angústia!

Ver Artigo
Airemá e a Pedra do Oratório - Por Maria Stella de Novaes

Distanciaram-se cautelosamente do mar. Em explorações, nas vizinhanças do Penedo, andaram, subiram, aqui, desceram, ali

Ver Artigo
A tristeza do Urubu – Por Maria Stella de Novaes

Na grande família dessas aves, nascera um lindo rebento, portador de uma pena branca, frisada e bela, no peito

Ver Artigo