Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A bandeira positivista dos republicanos

Bandeira da República

Na própria noite em que foi proclamada a República, em 15 de novembro de 1889, o governo provisório recém-nomeado negociou a saída de D. Pedro do país. Em seguida, aprovou uma nova bandeira para o Brasil. Em janeiro de 1890, teve início a reorganização institucional. Até aí, não houve divergências, as quais só eclodiriam após a primeira grande decisão econômica: uma reforma bancária.

Ao chegar o dia 15 de novembro, os republicanos não tinham uma bandeira que simbolizasse o movimento. As tropas que depuseram o imperador desfilaram com uma cópia improvisada do pavilhão dos Estados Unidos, ao qual haviam sido aplicadas as cores brasileiras. Os positivistas ortodoxos perceberam a importância do símbolo, e trataram de confeccionar um modelo próprio, desenhado por Décio Villares, e inspirado na obra de Augusto Comte. Segundo este, na primeira fase de transição da humanidade para a religião positivista, deveriam se manter as bandeiras nacionais, acrescentando a divisa “Ordem e Progresso”.

Foi o que fizeram os positivistas. Mantiveram o fundo verde, o losango amarelo e o círculo azul da bandeira imperial, substituindo os emblemas do Império pelo dístico positivista e o conjunto de estrelas (uma para cada província) que representava o céu do Rio de Janeiro no dia 15 de novembro.

Alguns liberais reclamaram, ainda mais quando descobriram erros de cálculo na posição das estrelas. Mas a grita não comoveu os nossos governantes. No dia 19 de novembro, o símbolo foi oficializado por meio de decreto.

Como consolo aos liberais, restou-lhes a vitória no caso do Hino Nacional. Embora os positivistas tivessem preparado um novo hino, nas cerimônias dos dias seguintes à proclamação, todos queriam ouvir o antigo hino – até mesmo os militares, que haviam aprendido a amá-lo na Guerra do Paraguai. Por isso, adotou-se uma solução conciliatória: o velho hino, com música de Francisco Manuel da Silva, recebeu nova letra de Osório Duque Estrada e tornou-se o Hino Nacional.

 

Fonte: Viagem pela História do Brasil, 1999
Autor: Jorge Caldeira, Flavio de Carvalho, Claudio Marcondes e Sergio Goes de Paula
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Telefonia na era do bonde em Vitória

Telefonia na era do bonde em Vitória

Saiba como funcionava a telefonia entre Vila Velha e Vitória, haja vista que ao lado do bar, em Paul, funcionava a...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Este livro não tem pretensões literárias. Aviso logo, de antemão ao Dr. Austregésilo de Athaíde, presidente da Academia Brasileira de Letras, que não me convide para concorrer a uma cadeira 

Ver Artigo
Dia da Mulher - Origem

O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher!

Ver Artigo
Dia Internacional da Mulher

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco

Ver Artigo
Raul Farol - Por Sérgio Figueira Sarkis

Era intermediário de agiotas, agenciando empréstimos às pessoas necessitadas; ora, fornecedor de navios aqui aportados

Ver Artigo
O assassinato de Reneê Aboab - Por Sérgio Figueira Sarkis

Uma dessas festas foi no Parque Moscoso, no casarão do desembargador Eurípedes Queiroz do Valle

Ver Artigo