Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A bandeira positivista dos republicanos

Bandeira da República

Na própria noite em que foi proclamada a República, em 15 de novembro de 1889, o governo provisório recém-nomeado negociou a saída de D. Pedro do país. Em seguida, aprovou uma nova bandeira para o Brasil. Em janeiro de 1890, teve início a reorganização institucional. Até aí, não houve divergências, as quais só eclodiriam após a primeira grande decisão econômica: uma reforma bancária.

Ao chegar o dia 15 de novembro, os republicanos não tinham uma bandeira que simbolizasse o movimento. As tropas que depuseram o imperador desfilaram com uma cópia improvisada do pavilhão dos Estados Unidos, ao qual haviam sido aplicadas as cores brasileiras. Os positivistas ortodoxos perceberam a importância do símbolo, e trataram de confeccionar um modelo próprio, desenhado por Décio Villares, e inspirado na obra de Augusto Comte. Segundo este, na primeira fase de transição da humanidade para a religião positivista, deveriam se manter as bandeiras nacionais, acrescentando a divisa “Ordem e Progresso”.

Foi o que fizeram os positivistas. Mantiveram o fundo verde, o losango amarelo e o círculo azul da bandeira imperial, substituindo os emblemas do Império pelo dístico positivista e o conjunto de estrelas (uma para cada província) que representava o céu do Rio de Janeiro no dia 15 de novembro.

Alguns liberais reclamaram, ainda mais quando descobriram erros de cálculo na posição das estrelas. Mas a grita não comoveu os nossos governantes. No dia 19 de novembro, o símbolo foi oficializado por meio de decreto.

Como consolo aos liberais, restou-lhes a vitória no caso do Hino Nacional. Embora os positivistas tivessem preparado um novo hino, nas cerimônias dos dias seguintes à proclamação, todos queriam ouvir o antigo hino – até mesmo os militares, que haviam aprendido a amá-lo na Guerra do Paraguai. Por isso, adotou-se uma solução conciliatória: o velho hino, com música de Francisco Manuel da Silva, recebeu nova letra de Osório Duque Estrada e tornou-se o Hino Nacional.

 

Fonte: Viagem pela História do Brasil, 1999
Autor: Jorge Caldeira, Flavio de Carvalho, Claudio Marcondes e Sergio Goes de Paula
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Mercados e Feiras

Mercados e Feiras

APRESENTAÇÃO DO LIVRO ESCRITOS DE VITÓRIA - MERCADOS E FEIRAS

Entreposto de vida nas cidades. Os mercados e feiras fazem a ligação, do campo para a cidade, do pão nosso de cada dia. É onde a cidade vai buscar o seu alimento...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Canudos e a consolidação da República - Por Hélio Athayde

Os brasileiros ainda questionam a sua forma e o seu sistema de governo, vergados sob o imenso peso de um “complexo de culpa coletivo”, que parece continuar rondando os seus espíritos

Ver Artigo
Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte III (FINAL)

Constituição de 1934, não consagrando no seu art. 113, nº 3, aquela cláusula “em caso algum”, veio dar um grande passo para a situação atual em que a irretroavidade das Leis

Ver Artigo
O regime das terras devolutas na República

O advento da República alterou, profundamente, o regime da propriedade, na parte concernente às terras devolutas

Ver Artigo
O Primeiro Clube Republicano do ES - Por Newton Braga

Em setembro de 1888 reunia-se em Cachoeiro o Primeiro Congresso Republicano do Espírito Santo, vindo representantes de toda a Província

Ver Artigo
Proclamação da República

Embora as idéias republicanas já fossem agitadas no Brasil desde o período colonial sua propaganda ganhou força com a fundação do Partido Republicano, após a Convenção Republicana de Itu, 1870

Ver Artigo