Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Capitania do ES e os Jesuítas

Remodelação do Palácio Anchieta em 1910.

A Capitania do Espírito Santo não chegou a se constituir numa empresa inviável, conforme se pode inferir dos escritos dos primeiros cronistas da nossa historiografia tradicional. Agricultores, rendeiros, senhores de engenho e comerciantes movimentaram a produção açucareira e o comércio que mantiveram os funcionários – escrivães, tesoureiros, provedores, almoxarifes, juízes e vereadores, entre outros que compunham a máquina administrativa encimada pelo capitão-donatário. A estes juntaram-se desde o início os sacerdotes jesuítas, responsáveis pela catequese e pela educação, atraídos não só pela perspectiva de administração da grande massa indígena mas também pela viabilidade os empreendimentos econômicos que lhes garantisse a sobrevivência, conforme ficará atestado posteriormente com as fazendas de Muribeca, Itapoca, Araçatiba e Carapina; unidades econômicas especializadas na produção em larga escala da pecuária, da farinha de mandioca, do açúcar e da policultura. É dentro desta conjetura que se desenvolverá a obra missionária dos jesuítas, particularmente de Anchieta, contribuindo, destarte, para atenuar o embate entre as duas etnias em conflito – ameríndios e europeus.

Foi graças ao Colégio dos Jesuítas que aqui estiveram inúmeros desses religiosos que deixaram, nas suas cartas, as impressões tão caras à historiografia colonial. A começar pelo próprio pe. Manoel da Nóbrega, em 1560, que, conforme Levy Rocha (1977), não fora menos gentil com o Espírito Santo que os que o precederam, afirmando: “Esta Capitania se tem por a melhor cousa do Brasil depois do Rio de Janeiro..” Entretanto, noutra carta que escrevera anteriormente, consignou: “...Outro pecado nasce também desta infernal raiz, que foi ensinarem os cristãos ao gentio ao furtarem-se a si mesmos e venderem-se por escravos. Este costume, mais que em nenhuma outra capitania, achei no Espírito Santo”.

Fonte: Palácio Anchieta: de colégio à casa de governadoria, 2000
Autores: Gabriel Bittencourt e Nádia Alcuri Campos

LINKS RELACIONADOS:

>> Uma Capitania atribulada
>>
 
Os pioneiros: Degredados
>>
 
Capitanias hereditárias  
>>
 
Capitanias ou Feudos? 
>>
 
Mês da Colonização do Solo Espírito Santense 
>>
 
Engenhos de açúcar no ES
>>
 
Navegantes da Costa do ES
>>
 
Bem vestidos, mas fedorentos!
>>
 
200 Anos da Família Real no Brasil  

História do ES

Censo de 1940

Censo de 1940

As jazidas calcárias no Espírito Santo estão encravadas nas formações arqueanas do sul do Estado e pertencem à província metalogênica da serra do Mar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

No tempo do Hidrolitol - Por Sérgio Figueira Sarkis

Dentro da Confeitaria Colombo, encontrava-se a charutaria dos Benezath

Ver Artigo
Festival de Verão de Guarapari Janeiro 1971

A ideia tinha partido de dois jornalistas, Antônio Alaerte e Rubens Gomes Filho

Ver Artigo
A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
A Imigração no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

A entrada de imigrantes europeus representou a maior transformação social e econômica que o Espírito Santo passou

Ver Artigo
Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo