Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A capitania do ES em 1811- Por José Teixeira de Oliveira

Vila Velha no início do Século XX, ainda conforme relatou Tovar em 1811

De 1811, isto é, justamente do ano em que Tovar deixou a governança, é um depoimento de Francisco Manuel da Cunha, que apresenta a capitania em estado bem contristador. O comércio de Vitória – a darmos crédito às suas palavras(36) – só negociava em produtos da terra: açúcar, aguardente, café, milho, feijão, arroz e algodão – tudo em pequena escala, pois a agricultura estava como esquecida. As casas refletiam a penúria dos moradores e, se se arruinavam, não eram reedificadas. Não havia divertimentos, devido à pobreza, que era geral. As mulheres enchiam os seus dias fiando algodão, “percebendo deste trabalho unicamente três ou quatro vinténs”. Até o corte de madeira – uma das forças econômicas da terra – decaíra.

A minguada produção agrícola e industrial era transportada em pequenas embarcações, pertencentes aos comerciantes locais, para o Rio de Janeiro e Bahia. Raramente alcançavam Pernambuco ou Rio Grande do Sul. O sonhado intercâmbio com Minas Gerais continuava sendo uma utopia. As canoas que singravam o rio Doce conduziam apenas soldados, armas e munições.(37) A vila capital possuía nove igrejas e dois conventos.

A condição das demais localidades da capitania não era melhor. Referindo-se a Nova Almeida, Francisco Cunha observou: “vejo ali a miséria como no seu foco paternal”. Vila Velha possuía “quarenta casas pouco mais ou menos, e pela maior parte cobertas de palhas”, tendo desaparecido a “antiga navegação que ela nutria diretamente com a Europa e África”. Sobre Benevente, escreveu: “a inércia dos seus habitantes equilibra com os de toda a Capitania”. Por fim, esta observação valiosa: “desde o Rio Doce até Itabapoana a estrada é sempre pela costa do mar, e raras vezes dela se aparta”.(38)

 

NOTAS

(36) - CUNHA, Capitania, 240-7.

(37) - “As embarcações que para ali navegavam são unicamente aquelas que vão por ordem do governador conduzir por conta da Real Fazenda as munições de boca para a Tropa dos Pedestres destacados nos três Quartéis estabelecidos no dito Rio, por ser tanta a desgraça, a inércia, que nem a farinha de mandioca há ali para sustentação dos habitantes: proximamente a sumaca Conceição do Capitão-mor José Ribeiro Pinto apenada para conduzir 500 alqueires de farinha, 342 e ½ arrobas de carne seca do Rio Grande, um barril de pólvora, e o chumbo correspondente, tudo destinado para os Quartéis do Rio Doce, naufragou aí mesmo sem poder salvar-se cousa alguma, perecendo igualmente cinco pessoas, o que pouco antes tinha já sucedido a outra lancha. As margens do Rio Doce prometem as maiores vantagens, mas faltam-lhe braços. A barca que serve no mesmo Rio, e que foi feita na Aldeia Velha por Francisco Gonçalves pela baixa de um seu filho, tem servido, com marinheiros pedestres, para conduzir certos gêneros de negociações particulares” (CUNHA, Navegação, 4-7).

(38) - CUNHA, Capitania, 240-7.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Penúria dos cofres públicos no ES, nos anos 20 do Século XIX

Penúria dos cofres públicos no ES, nos anos 20 do Século XIX

As rendas públicas caíram a ponto levar o governador a pedir ao Príncipe Regente licença para dispensar alguns serventuários

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
Ano de 1536 e 1537 – Por Basílio Daemon

Faz Vasco Fernandes Coutinho doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos, que em sua vinda o acompanhara da Bahia 

Ver Artigo