Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Cruz das Almas – Por Adelpho Monjardim

Ruínas em Inhoá

No litoral vilavelhense, pouco abaixo das ruínas de antiga fábrica, em direção a Vitória, sobre pequeno e arredondado cabeço de pedra, à flor das águas, ergue-se uma cruz cimentada na rocha, caiada, como as que se encontram nos cemitérios. Pouco afastado da margem, o rochedo mergulha em águas profundas.

Era hábito, quando ali passávamos, observar a solitária cruz que tanto nos intrigava. Antigo morador de Jaburuna contou-nos a sua história. Há muitos anos, às tardes, um frade costumava pescar naquele rochedo. Lançada a linha, paciente esperava o peixe engolir a isca ajustada ao anzol.

Naquela hora costumeira da tarde, o bom frade não retornou ao Convento. Um atraso, coisa natural, não dava para preocupar, porém, noite e Frei Francisco não aparecia. A coisa mudou de figura e as apreensões cresceram. Amanheceu e nada de aparecer o pescador. Não restavam mais dúvidas, ele se afogara. O batelão lá estava junto à pedra. Certamente ao fisgar o peixe, num arranco mais brusco, desequilibrara-se, caindo ao mar. Lugar profundo e ele não sabia nadar.

Dias depois o corpo boiava nas imediações do Penedo. Fora a sua última pescaria.

Oficiada a missa de sétimo dia, começaram os boatos: todas as noites o finado surgia no local do sinistro. Trepado na pedra, lamentosamente pedia que o tirassem dali. Os que à noite freqüentavam aquelas paragens confirmavam o fato. Hoje, movimentadíssimo, o Porto de Vitória não tem mais lugar para assombrações. O fantasma da Cruz das Almas caiu no olvido.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

São Sebastião e São Benedito

São Sebastião e São Benedito

Hoje é dia de corfefir a tradicional festa de São Benedito e São Sebastião, em Nova Almeida, Serra. Veja a programação aqui!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Fantasmas no Adro Esquecido – Por Adilson Vilaça

Nossa Senhora da Conceição disse que não. Fez ouvidos moucos ao derradeiro ofício e recusou-se ir para a igreja do Rosário dos Homens Pretos

Ver Artigo
Juparanã – Por Maria Stella de Novaes

A Lagoa Juparanã está saturada de fantasia, criada pela imaginação do povo, e que se tem perpetuado, através das gerações

Ver Artigo
A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo