Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

A Igreja de Nossa Senhora das Neves em Muribeca

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo.

Mesmo após a retirada dos padres, distinguia-se pela igreja consagrada a Nossa Senhora das Neves, anexada à paróquia de Itapemirim, em 1771.

Sua história perpetuou-se, na lembrança dos capixabas, em conseqüência de uma lenda regional, relacionada com os seus fundadores. Resume-se, no seguinte:

— Como todos os lugares onde trabalharam os padres da Companhia, possuía aquele sítio uma Cruz plantada no alto de um cômoro. Dominava a planície e o horizonte. Sua origem remontava a um sacerdote chamado Almeida que partiu de Vitória e procurou os campos de Muribeca, para fundar um aldeamento de índios. Seus confrades edificaram, depois, a capela de Nossa Senhora das Neves. Tudo corria bem, até que, um dia, chegou-lhes a notícia de que, em Lisboa, tramava-se contra a Ordem, a fim de que seus membros fossem expulsos de todo o domínio lusitano.

Reuniram-se, então, os padres e decidiram ocultar tudo o que representasse valor: — ouro, prata, baixelas, alfaias, paramentos, etc. Arranjaram, para isso, uma arca bem fechada e cuidaram de dar-lhe um destino incógnito a estranhos. Poderiam, assim, reaver seus inestimáveis bens, quando regressassem às suas missões apostólicas. Providenciaram um carro e um carreiro, que surgiram, certa vez, inesperadamente, no terreiro enorme, entre os escravos e os índios surpresos.

À meia-noite, quando todos repousavam, os padres, entoando Salmos e Ladainhas, abandonaram a aldeia e foram abrindo caminho, para o mar. Em certo ponto, cavaram o solo e ocultaram o seu fabuloso tesouro. Logo, porém, num tremor impressionante, abriu-se a terra e engoliu o carro, os bois, o carreiro e os viajantes! ... No alto do cômoro, ponto de convergência das fendas, surgiu uma cruz: — a Cruz de Muribeca.

Passaram-se os anos. Certa vez, um soldado, que estivera a serviço d'El-Rei, desertou... Rumou para a Capitania da Paraíba do Sul. Alcançou-a à noite, na praia, em direção à Barreira do Siri, no Itapemirim. Deteve-se então, aturdido, apavorado, no meio de uma restinga. Sentiu que lhe faltava o chão! ... Parecia estar petrificado, cercado de vultos semelhantes a uma procissão de cadáveres! Cabeças negras informes, ar monótono, caras bisonhas, zumbido de insetos!...

Cenáculo de espectros!...

Horror!

Num esforço alucinante, conseguiu dominar-se. Ergueu-se e moveu as pernas. Encetou a marcha e seguiu para o interior. Deu alguns passos e deteve-se novamente, assombrado, agora, diante de um facho ardente, sobre uma coluna atravessada por uma barra: — Era a Cruz de Muribeca, onde se concentrava a assombração!...

Lia-se, na travessa:

Assim mesmo, qual sou, abandonada,

Eu vi aquele que me deu a terra;

Olhou, em derredor as gentes todas,

E fez, num torvelinho, o pó dos montes

Condensar-se no céu, em noite escura.

O desertor leu a estrofe e seguiu o seu caminho. Adiante, sentiu tudo estacionar-se: — o céu, o mar, o vento... Silêncio... Escuridão! Lamentos inarticulados, ao longe...

Parou. Procurou refletir; sentiu, porém, a seguinte súplica:

Orai por nós, que somos pecadores,

Por tudo, neste mundo, cobiçar!

Orai, para o perdão de nossas culpas,

Ali, está um tesouro, — ide-o buscar.

Conta-se que, até aquele dia, quem passasse, por ali, seguia ou voltava, assombrado.

Aquelas almas faziam penitência. Salvaram-se, porque, durante trinta anos, foram celebradas missas, em sua intenção, para que seus pecados fossem perdoados.

(Esta lenda se encontra na coleção de Gomes Neto e, em parte, nos jornais da Biblioteca Pública do Espírito Santo).

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Tesouro da Ilha da Trindade - Por Adelpho Monjardim

O Tesouro da Ilha da Trindade - Por Adelpho Monjardim

O tesouro ali oculto foi roubado às ricas igrejas de Lima pelos espanhóis, durante as Guerras da Independência, quando sentiram perdidas as suas Colônias Sul-Americanas. Segundo consta é simplesmente fabuloso

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

No trabalho intenso de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Ver Artigo
A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Ver Artigo
Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados

Ver Artigo