Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Estrada de Ferro Caravelas – Por Levy Rocha

Ferrovia Caravelas passando sobre o Rio Itapemirim

O privilégio para a primeira via férrea projetada, no Espírito Santo, foi requerido em agosto de 1872, mas, os esforços no sentido de se concretizar a idéia da primeira estrada de ferro capixaba, começaram a coroar-se de êxito, quando o historiador e jornalista Basílio Carvalho Daemon apresentou, como deputado, à Assembléia Provincial, em 31 de outubro daquele ano, o projeto para a construção de uma estrada em Cachoeiro de Itapemirim. Entretanto, quatorze anos haveriam ainda de transcorrer até que fosse batida a estaca inicial da Estrada de Ferro Caravelas.

A concessão, que no princípio fora dada ao Capitão Henrique Deslandes, foi transferida ao Visconde de S. Salvador de Matosinhos, proprietário do jornal fluminense "O Paiz", e presidente da Companhia de Navegação Espírito Santo e Caravelas, a qual mantinha vapores que ligavam o Itapemirim à Corte.

A dita Companhia fretou um vapor para transportar, de Antuérpia, à Barra do Itapemirim, parte do material da Estrada de Ferro. Os primeiros trilhos, bem como as peças da primeira máquina foram levados, rio acima, até a vila do Cachoeiro, na prancha Tarcilia, em fins de outubro de 1886, desembarcando no porto João Marques.

A 8 de dezembro daquele ano, o engenheiro Pedro Scherer iniciou a montagem da locomotiva e o assentamento dos trilhos.

Do local do porto, onde mais tarde se erigiu o prédio do Centro Operário, até a estação do Cachoeiro, onde hoje se ergue o Grupo Escolar Bernardino Monteiro, extensão de 780 metros, através da rua 25 de Março, os trabalhos andaram rápido, durando pouco menos de um mês.

A 6 de janeiro de 1887, dia de São Benedito, ouvia-se o sibilo festivo da Itapemirim que era, então, inaugurada, e o seu primeiro serviço prestado foi o de conduzir a pedra fundamental do edifício (iniciativa particular) do Grêmio Bibliotecário Cachoeirense e Escolas Primárias de ambos os sexos, presidido pelo Dr. Novaes Melo.

O terreno dessa construção situava-se em frente à casa do Dr. Novaes (antiga casa Gama), e fora doado por um fazendeiro e negociante da vila, o português Manoel José de Araujo Machado. Encarregou-se de dirigir e fiscalizar aquela construção o engenheiro Rodolfo Henrique Batista.

Não só a rua 25 de Março se beneficiava com os aterros e melhoramentos: no mesmo dia seis, era inaugurada a iluminação das ruas de Cachoeiro, às expensas da municipalidade. Vinte e quatro lampiões do sistema belga deviam ser cuidados por um fiscal, com o ordenado estabelecido de doze mil réis mensais.

A. E. Figueiredo e J. Praxedes, empreiteiros da Estrada de Ferro, acolitados pelos seus colegas, Rodolfo Henrique Batista e Hermann Schindler, com mais oito meses de trabalho, davam a estrada em condições de ser inaugurada. Compreendendo 71 quilômetros de extensão, partia ela da vila do Cachoeiro até a estação de entroncamento de Matosinhos (Coutinho), nas Duas Barras, donde seguia um ramal para o Castelo e outro para o Alegre.

A inauguração que deveria ser festa de muitos convidados, não estivesse o rio Itapemirim tão seco, sofreu ainda outro contratempo, pois fora marcada para o dia 12 de setembro de 1887 e teve de ser adiada para quatro dias depois, em virtude do naufrágio do vapor Imperial Marinheiro, ocorrido na Barra do Rio Doce, uma vez que o vapor Maria Pia, fretado para conduzir a comitiva de Vitória à Barra do Itapemirim, se mobilizou para socorrer os náufragos.

Afinal, no dia 14, o Maria Pia aportava, às nove horas da manhã, na Barra, levando o Presidente da Província, Dr. Antônio Leite Ribeiro de Almeida; seu Chefe de Polícia, Dr. Dídimo Agapito da Veiga Júnior; o Oficial de Gabinete; o Ajudante de Ordens; um Alferes; o representante do jornal "O Espírito-Santense", Major Domingos Vicente; o Comendador José F. Ribeiro; o Inspetor de Higiene, Dr. Ernesto Mendo, e outras pessoas de destaque da sociedade vitoriense, dentre elas, alguns deputados provinciais.

Na Barra, o abastado comerciante e empresário do porto, Simão Rodrigues Soares, e outro comerciante da localidade, Custódio Teixeira Maia, ofereceram à comitiva um almoço, onde foram erguidos diversos brindes. Após, os visitantes cavalgaram até a fazenda Ouvidor, pertencente ao Major Joaquim Gomes Pinheiro da Silva, chefe do Partido Conservador da Vila do Itapemirim, em cuja casa pernoitaram.

Prosseguida a caminhada, na manhã do outro dia, às 10 horas chegavam ao porto de embarque João Marques, na vila do Cachoeiro de Itapemirim. Ali, saudou-os festivamente a banda de música "Estrela do Norte" e começou a festa do povo, com vivas, girândolas de foguetes e muita alegria. Flâmulas, galardetes, arcos, flores, enfeitavam a rua 25 de Março, desde o porto, até o palacete de residência do Juiz Municipal, Dr. Pedro Carvalho de Moraes, casa escolhida para hospedagem do Presidente da Província, e outros.

À noite, o Dr. Ribeiro de Almeida e comitiva percorreram as ruas da vila, cuja iluminação mais sobressaia na ponte municipal.

No dia seguinte (16), às dez da manhã, o trem inaugural, apinhado de gente, partia da estação do Cachoeiro e fazia o percurso, até Matosinhos, em uma hora e cinco minutos. Retardando a parada por vinte minutos, para dar tempo aos discursos e vivas, partiu, rumo à estação do Alegre. Explicando melhor, a vila do Alegre se distanciava légua e meia do ponto terminal da linha férrea, sito em terras do fazendeiro Vicente Ferreira de Paiva, banhadas pelo córrego Pombal, nome que tomou a estação, mais tarde mudado para Reeve. Ali, o velho e rico fazendeiro, seu filho, genro e outros parentes ofereceram um lanche à comitiva.

Pela uma da tarde, a composição ferroviária regressava ao Cachoeiro, onde chegava às quatro e dez minutos. O povo, aglomerado na estação, levantou novos vivas e aclamações, enquanto o Presidente da Província e comitiva seguiam, em cortejo, até o palacete do Dr. Carvalho de Moraes.

Após curto descanso, foram os membros da comitiva participar da inauguração do Mercado Municipal, construído pela Câmara e localizado em frente à casa de comércio do Sr. Bento de Matos. Inaugurou-se, em seguida, o edifício do Grêmio Bibliotecário Cachoeirense, na rua então apelidada de Araújo Machado, em virtude do falecimento desse benemérito da vila, ocorrido no Rio de Janeiro, a 16 de fevereiro daquele ano.

No outro dia (17), às sete horas da manhã, a composição especial levava os convidados para inaugurarem o ramal do Castelo, onde chegava às onze horas. Naquela localidade, eram recebidos por populares e banda de música do fazendeiro Manoel Fernandes Moura, que desde a véspera os aguar-dava, na esperança de conduzir, pelo menos o Presidente, até a fazenda do Centro, programa que não se pôde concretizar.

Depois dos discursos e aclamações, números da banda de música e muitos foguetes, o trem regressou a Matosinhos, onde o fazendeiro Geraldo Amorim aguardava a comitiva com um lanche.

Às duas e cinqüenta da tarde, o silvo da locomotiva fazia-se ouvir, de novo, na vila do Cachoeiro.

É fácil imaginar a viva satisfação do povo com aquele melhoramento e progresso. A Estrada de Ferro Caravelas vinha ao encontro das aspirações dos fazendeiros, cuja produção de café não ficaria mais tão dependente das tropas de burros, podendo descer todo o Itapemirim e seguir até a Corte, confiada ao despacho na Companhia de Navegação e Estrada de Ferro Espírito Santo e Caravelas. Alegria, aliás, pouco duradoura, uma vez que os mesmos fazendeiros começaram a se manifestar descontentes com os preços das tarifas da estrada.

Aquela pequena estrada de ferro, bitola estreita, tinha três locomotivas Baldwin, pesando, cada uma, 27 toneladas; contava com: um carro de 1ª classe; dois carros mistos; dois carros de 2.a classe; dois carros de correio e bagagem; 18 vagões fechados; 6 vagões abertos; um vagão destinado ao transporte de animais; um vagão para explosivos; dois para padeiras e seis de lastro.

Decorridos alguns anos, a linha da Estrada de Ferro Caravelas passou para a propriedade do Lóide Brasileiro e em 1907 ela caiu no domínio da Leopoldina, ocasião em que se achava hipotecada a uma firma de Londres.

O traçado de Cachoeiro a Alegre tornou-se integrante chamado Sul da Leopoldina: Cachoeiro a Espera Feliz

A 27 de julho de 1912, era inaugurado o trecho que ligava a antiga estação de Pombal (Reeve) ao Alegre, e a 21 de novembro de 1913, era entregue ao tráfego o ramal entre esta cidade e Espera Feliz.

Quanto aos 21 quilômetros de ligação Coutinho-Castelo, trecho deficitário e obsoleto, não foi sem protestos da população que a Rede Ferroviária Nacional o extinguiu, em 1961.

O prédio da estação terminal, em pleno centro da cidade do Castelo, aguarda um aproveitamento condigno. Ele bem comportaria uma escola de alfabetização noturna, uma Biblioteca e um Museu.

 

Fonte: Crônicas de Cachoeiro, 1966
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

Curiosidades

Areias de Guarapari viraram bomba

Areias de Guarapari viraram bomba

Areia monazítica explorada em Guarapari foi exportada e usada pelos Estados Unidos na fabricação de bombas

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Muqui de antigamente – Por Levy Rocha

Podia até fazer uma referência à casa onde a cegonha lhe deixou o presente de um menino, no ano de 1916, mas a modéstia me aconselha... 

Ver Artigo
O primeiro jornal de Cachoeiro – Por Levy Rocha

O volume que as traças haviam começado a destruir, reunia 24 números, inclusive o precioso primeiro, editado em 4 de julho de 1866

Ver Artigo
O Quartel da Barca – Por Levy Rocha

O povoamento das margens do rio Itapemirim, trecho navegável, sem embargo, para as canoas, até os Caxoeiros (como se dizia, antigamente), deve retroceder aos tempos de Vasco Coutinho

Ver Artigo
O nome da cidade – Por Levy Rocha

Sabe-se que não existe, no rio Itapemirim, no local onde se situa a "Princesa do Sul", nenhuma cachoeira

Ver Artigo
Imprensa quebra-peito - Por Levy Rocha

Como me enchia de admiração o trabalho quotidiano de Hélio Ramos, ajuntando e espalhando letra por letra, imprimindo sozinho, duas vezes por semana, o "Correio do Sul"

Ver Artigo
Festa das Canoas – Por Levy Rocha

Antigamente, o burburinho de gente chegava no trem de Cachoeiro. Hoje, são os ônibus, caminhões e automóveis que enchem a praia de visitantes

Ver Artigo
A primeira crônica de Rubem Braga – Por Levy Rocha

Caiu-me às mãos o número doze do jornalzinho "O Itapemirim", do Colégio Pedro Palácios, dezembro de 1926 

Ver Artigo
Duas cartas de Newton Braga – Por Levy Rocha

A segunda carta que guardo de Newton Braga, mais extensa, enchendo duas laudas, ele a datou de 30 de setembro de 56 

Ver Artigo
Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Ver Artigo
Os Barões de Itapemirim – Por Levy Rocha

Quem viajasse pela Estrada de Ferro Itapemirim poderia observar um palacete "construído no feitio dos castelos medievais", que servira de residência ao Barão de Itapemirim

Ver Artigo
Um antigo morador do Caxoeiro - Por Levy Rocha

Se pudéssemos encontrar outros documentos da fazenda desse imigrante suíço, quantas luzes viriam aclarar a história do Caxoeiro

Ver Artigo