Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A expulsão dos jesuítas

Ruínas dos Jesuítas Anchieta - Rio Salinas

Ao despontar o ano de 1760, o Espírito Santo perdeu a poderosa força que, havia mais de dois séculos, vinha colaborando no seu desenvolvimento: os jesuítas. Foi a vinte e dois de janeiro daquele milésimo que Vitória assistiu ao embarque dos dezessete inacianos(17) que, ao tempo, residiam na capitania. Era a execução do alvará(18) de D. José, que expulsava de Portugal e domínios todos os membros da Companhia de Jesus.

Como a significar a importância que a Coroa e seus delegados emprestavam ao assunto, a diligência da prisão dos jesuítas, no Espírito Santo, foi cometida ao desembargador João Pedro de Sousa Sequeira Ferraz,(19) da Relação do Rio de Janeiro. Aqui chegado a quatro de dezembro do ano anterior,(20) no mesmo  dia fez cercar o Colégio dos padres, mantendo-os em custódia até que fossem arrebanhados os das residências: Muribeca, Itapoca e Araçatiba; e os das missões dos Reis Magos e Iriritiba.(21) Àquele dia, acompanhados de Ferraz, seguiram – pela nau Libúrnia(22) – com destino ao Rio de Janeiro, de onde, mais tarde, embarcaram para o exílio.

Seguiu-se a devassa, presidida pelo padre Antônio Esteves Ribeiro, vigário colado da vila de N. S. da Conceição de Guarapari, tendo sido ouvidas, como testemunhas, sessenta e duas pessoas.(23) Informa Alberto Lamego: “Quase todos os depoimentos versavam sobre as terras da fazenda da Muribeca”,(24) por certo a mais importante propriedade da Companhia, no Espírito Santo.

Prejuízos sofridos pela catequese e ensino

Faltam elementos para fixar com precisão os efeitos provocados, na capitania, pela retirada dos jesuítas. Não foi de menor expressão a desordem trazida à política de aperfeiçoamento dos indígenas, que, em massa, desertaram as aldeias, de regresso às brenhas de origem.(25)

No terreno precaríssimo da instrução, foi enorme o prejuízo. A biblioteca da casa(26) desmantelou-se. Anos mais tarde, o Tribunal da Mesa Real Censória exigiu os livros, cabendo ao ouvidor da comarca a tarefa de deitar bando e recebê-los, em restituição, das mãos dos que se acusaram.(27) Em 1794, incendiou-se o remanescente.(28)

 

NOTAS

(17) - Baseando-se nas informações do padre Francisco da Silveira, Serafim Leite afirma que era aquele o número de jesuítas embarcados no Espírito Santo. CAEIRO, por exemplo, dá dezesseis (Jesuítas, 254). SERAFIM LEITE explica a sua afirmação: “Outros autores variam, mas Silveira é primeira fonte” (HCJB, VI, 142).

– Entre os inacianos integrantes da turma que partiu do Espírito Santo contava-se o escritor Manuel da Fonseca, autor da célebre Vida do Venerável Padre Belchior de Pontes.

(18) - Ato de três de setembro de 1759 (TEIXEIRA, Dicionário, 494).

(19) - LEITE, HCJB, VI, 141-2; ALMEIDA (Inventário, I, 395) grafa Siqueira.

(20) - CAEIRO, Jesuítas, 253.

(21) - LAMEGO, Terra Goitacá, III, 153, 171-2.

(22) - CAEIRO, Jesuítas, 255.

(23) - LAMEGO, Terra Goitacá, III, 214.

(24) - Efemérides, I, 247.

(25) - LAMEGO, Terra Goitacá, III, 153.

(26) - “Boa livraria”, escreveu LEITE (HCJB, VI, 141).

(27) - Três documentos sobre esse detalhe in Inventário, de ALMEIDA, II, 253.

(28) - “...por ter-se acidentalmente queimado em 1794 a biblioteca dos extintos jesuítas”. (INÁCIO ACCIOLI DE VASCONCELOS, Memória anexa ao ofício de vinte e três de abril de 1828, dirigido ao ministro da Justiça Lúcio Soares Teixeira de Gouveia – Ms. Pertencente ao acervo da BN, onde tem o número I-11, 4, 3).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Belchior de Azeredo e Ararigbóia – Por Serafim Derenzi

Belchior de Azeredo e Ararigbóia – Por Serafim Derenzi

Belchior de Azeredo ocupou todos os cargos importantes da Capitania. Sesmeiro, lavrou fazenda que se tornou próspera

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo