Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A gruta do ermitão e os montinhos de farinha

Entrada da Ladeira das Sete Voltas

No sopé do morro da Penha, no lado da enseada de Vila Velha, está a chamada "gruta de Frei Pedro Palácios". "Conta-se por tradição que nesta espécie de gruta morava Palácios enquanto não se construiu o hospício no cume do morro, tendo por únicos companheiros um preto que o servia, um cachorrinho e um gato."

"Este devoto homem [o capitão Melchior de Azevedo] o ajudou com particular cuidado nas obras das suas capelinhas, e já quando Fr. Pedro se achou mais envelhecido, lhe deu um negrinho, seu escravo, para assistir com ele no retiro do monte.

Para passar a noite, lhe mandava o seu devoto fazer cama, como a hóspede, mas ele a aceitava só por obséquio seu, e não para descanso do corpo; porque, quando já recolhidos todos, e feitos os seus costumeiros exercícios, se deitava no chão, pondo à cabeceira algum tronco ou pedra, ou outra qualquer dureza que se lhe oferecia à mão.

"Esta mesma era sua cama na ermida de São Francisco do Monte, aonde de ordinário assistia ao pé do altar do Santo; sobre uma tábua áspera passava os breves intervalos da noite, que lhe restavam da oração e mais exercícios, com uma pedra dura por cabeceira.

"Por companheiros mudos mas fiéis da sua solidão, conservou por todo o tempo que ali viveu, um gato e um cachorrinho, e quando saía aos seus exercícios de esmola ou doutrina, tantos dias determinava estar ausente, quantos montinhos de farinha lhes deixava ali e falando com eles, lhes dizia, apontando-lhes os montinhos de farinha: Irmão Gato (assim o tratava e mais ao companheiro), eu hei de estar tantos dias fora; aqui ficam estas rações para vós outros ambos; uma para cada dia, e esta última a haveis de comer depois que eu aqui chegar; e assim o faziam. E assim o depôs a testemunha André Gomes que, sendo rapaz, acompanhava ao Servo de Deus nas saídas que fazia à doutrina das missões e aldeias, dizendo que vindo muitas vezes de fora com ele, completos os dias, achavam ainda a última ração, e na mesma forma que ficara, a qual com a sua chegada, chegando-se também a ela os dois companheiros, então a comiam."

 

Autor: Guilherme Santos Neves
Fonte: História Popular do Convento da Penha - 3ª edição, 2008 
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2014 

Convento da Penha

A Descoberta da Imagem de Nossa Senhora da Penha

A Descoberta da Imagem de Nossa Senhora da Penha

Do livro O RELICÁRIO DE UM POVO – Santuário de Nossa Senhora da Penha (1958, 2ª Edição), da autora Maria Stella de Novaes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Milagres e Graças da Penha – Por Norbertino Bahiense

De certo tempo para cá, foi adotado no Convento o sistema de registrar no mármore, as graças recebidas ou os milagres atribuídos à Santa

Ver Artigo
Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo