Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A história do bombom Serenata

Bombom Serenata de Amor

Desde a década de 1940, a história da Garoto – e também a de muita gente no Brasil – é marcada por um produto que desperta lembranças boas e estimula o romantismo. O bombom Serenata de Amor surgiu em 1949, com o inovador formato de “bola” e um delicioso recheio à base de castanhas envolto em uma casquinha crocante de wafer e duas camadas de chocolate ao leite e meio-amargo.

Quem teve a idéia de fazer o bombom foi Henrique Meyerfreund, a partir de uma sugestão de sua cunhada Érika Meyer. A escolha do nome, porém, é uma história à parte. Naquela ocasião, Úrsula, a irmã de Érika, era uma jovem de quinze anos e estava namorando um rapaz muito romântico, Hugo Musso, que costumava fazer longas serenatas com um bandolim sob a janela da moça. Certo dia, quando todos conversavam sobre o melhor nome para aquele produto tão especial, Úrsula sugeriu “Serenata ao Luar”, em homenagem ao namorado. “Luar” porém, já aparecia no nome de outro bombom e, após algumas tentativas, ficou decidido que seria “Serenata de Amor”.

Na década de 1950, o bombom, recheado com uma avelã inteira, era confeccionado manualmente, embora a linha de biscoitos já estivesse mecanizada. Por isso, a produção era pequena, de apenas duzentos quilos, ou dez mil unidades, por dia.

As primeiras alterações a receita e na embalagem do Serenata ocorreram em 1960. Ele deixou de ter a avelã no recheio e, na embalagem, foram impressas imagens da lua e das estrelas unto ao nome, em substituição ao antigo violão.

Na década de 1970, passou a se produzido em linha exclusiva, com fornos e cobrideiras que agilizaram muito a fabricação. Hoje, são produzidas, diariamente, mais de 3,4 milhões de unidades do bombom, que está em segundo lugar entre os produtos mais exportados da Garoto.

Em setembro de 1997, a tradicional receita de castanha de caju deu lugar a uma nova versão do Serenata, com recheio de amendoim. A modificação, porém, não caiu no gosto dos consumidores, em especial dos capixabas, que preferiam o recheio de castanha de caju. Sempre atenta às preferências de seu público, a garoto relançou em 1999 o Serenata de Amor em sua versão original, com nova embalagem transparente realçando os desenhos de pequenas flores.

Já sob a gestão da Nestlé, em meados de 2003 foi lançado o primeiro Serenata de Amor na versão barra: o Candy Bar Serenata de Amor, com camada dupla de chocolate ao leite e amargo, recheio de castanha de caju e crispis de arroz. E no ano seguinte, em comemoração aos seus 55 anos, o Serenata ganhou nova roupagem.

No ano de 2006, o Serenata de Amor passou a ter embalagem especial com três unidades e também uma versão com chocolate branco. Na Páscoa desse mesmo ano, chegou o ovo Serenata de Amor Light. Um ano depois vieram o Serenata de Amor Balls, o ovo de páscoa com chocolate branco e, para o Dia dos Namorados, a lata Serenata de Amor. Também em 2007 foi lançado o sorvete Serenata.

Em 2008, continuaram as novidades, como o ovo de Páscoa Serenata de Amor Jóia, o bombom Serenata de Amor Mousse e a caixa Serenata Mix, consolidado e ampliando as variedades deste que é um dos produtos da Garoto mais apreciados e consumidos. Sobretudo por aqueles que acreditam que vale a pena se entregar ao amor e deixar falar o coração.

 

Fonte: Livro Chocolates Garoto 80 Anos – uma história de Sucesso
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2012 

História do ES

De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1854 – Por Basílio Daemon

Falece no Riacho e é conduzido seu cadáver para a vila de Santa Cruz, onde foi enterrado, o naturalista francês Dr. João Teodoro Descourtilz   

Ver Artigo
Ano de 1853 – Por Basílio Daemon

Brás da Costa Rubim, filho do governador Francisco Alberto Rubim, se propunha à oferecer-lhe quatrocentos volumes em livros e cadernos para a criação de uma biblioteca  

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – João Théodore Descourtilz

Existe uma edição em português da "Ornitologia Brasileira ou História Natural das Aves do Brasil", lançada pela Kosmos, em 1944

Ver Artigo
Ano de 1852 – Por Basílio Daemon

São remetidas ao Museu Nacional, pelo naturalista Descourtilz, as coleções de história natural por ele reunidas tanto de pássaros como de insetos

Ver Artigo
Ano de 1850 – Por Basílio Daemon

Antônio Tomás de Godói chefe de Polícia e reconhecendo estar a província infestada de criminosos, dá logo as mais enérgicas providências no município de Itapemirim   

Ver Artigo