Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A história do bombom Serenata

Bombom Serenata de Amor

Desde a década de 1940, a história da Garoto – e também a de muita gente no Brasil – é marcada por um produto que desperta lembranças boas e estimula o romantismo. O bombom Serenata de Amor surgiu em 1949, com o inovador formato de “bola” e um delicioso recheio à base de castanhas envolto em uma casquinha crocante de wafer e duas camadas de chocolate ao leite e meio-amargo.

Quem teve a idéia de fazer o bombom foi Henrique Meyerfreund, a partir de uma sugestão de sua cunhada Érika Meyer. A escolha do nome, porém, é uma história à parte. Naquela ocasião, Úrsula, a irmã de Érika, era uma jovem de quinze anos e estava namorando um rapaz muito romântico, Hugo Musso, que costumava fazer longas serenatas com um bandolim sob a janela da moça. Certo dia, quando todos conversavam sobre o melhor nome para aquele produto tão especial, Úrsula sugeriu “Serenata ao Luar”, em homenagem ao namorado. “Luar” porém, já aparecia no nome de outro bombom e, após algumas tentativas, ficou decidido que seria “Serenata de Amor”.

Na década de 1950, o bombom, recheado com uma avelã inteira, era confeccionado manualmente, embora a linha de biscoitos já estivesse mecanizada. Por isso, a produção era pequena, de apenas duzentos quilos, ou dez mil unidades, por dia.

As primeiras alterações a receita e na embalagem do Serenata ocorreram em 1960. Ele deixou de ter a avelã no recheio e, na embalagem, foram impressas imagens da lua e das estrelas unto ao nome, em substituição ao antigo violão.

Na década de 1970, passou a se produzido em linha exclusiva, com fornos e cobrideiras que agilizaram muito a fabricação. Hoje, são produzidas, diariamente, mais de 3,4 milhões de unidades do bombom, que está em segundo lugar entre os produtos mais exportados da Garoto.

Em setembro de 1997, a tradicional receita de castanha de caju deu lugar a uma nova versão do Serenata, com recheio de amendoim. A modificação, porém, não caiu no gosto dos consumidores, em especial dos capixabas, que preferiam o recheio de castanha de caju. Sempre atenta às preferências de seu público, a garoto relançou em 1999 o Serenata de Amor em sua versão original, com nova embalagem transparente realçando os desenhos de pequenas flores.

Já sob a gestão da Nestlé, em meados de 2003 foi lançado o primeiro Serenata de Amor na versão barra: o Candy Bar Serenata de Amor, com camada dupla de chocolate ao leite e amargo, recheio de castanha de caju e crispis de arroz. E no ano seguinte, em comemoração aos seus 55 anos, o Serenata ganhou nova roupagem.

No ano de 2006, o Serenata de Amor passou a ter embalagem especial com três unidades e também uma versão com chocolate branco. Na Páscoa desse mesmo ano, chegou o ovo Serenata de Amor Light. Um ano depois vieram o Serenata de Amor Balls, o ovo de páscoa com chocolate branco e, para o Dia dos Namorados, a lata Serenata de Amor. Também em 2007 foi lançado o sorvete Serenata.

Em 2008, continuaram as novidades, como o ovo de Páscoa Serenata de Amor Jóia, o bombom Serenata de Amor Mousse e a caixa Serenata Mix, consolidado e ampliando as variedades deste que é um dos produtos da Garoto mais apreciados e consumidos. Sobretudo por aqueles que acreditam que vale a pena se entregar ao amor e deixar falar o coração.

 

Fonte: Livro Chocolates Garoto 80 Anos – uma história de Sucesso
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2012 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo