Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A História do Jornal O DIÁRIO

Ilustração: Foto de época

Dos jornais diários que circularam e desapareceram no Estado, dois merecem ser citados: O Diário e Folha Capixaba. Como acontecia então, foram criados para representar correntes políticas e defendê-las. Como era comum, sobretudo e principalmente durante as épocas de instabilidade política, desapareceram.

O Diário existiu durante 25 anos, de 1955 a 1980. A Folha Capixaba, durante 19 anos, de 1945 a 1964, exatamente durante 19 anos, de 1945 a 1964, exatamente durante duas ditaduras: a do Estado Novo e a do golpe militar de 1964. Como era ligado ao Partido Comunista Brasileiro, o Partidão, sua morte foi uma das primeiras medida dos golpistas.

 

O DIÁRIO

 O Diário foi fundado para representar os interesses do Partido Social Democrático, o PSD, em 1955. Os membros desse partido compraram do extinto Folha do Povo e passaram então a rodar o novo matutino que era de oposição ao então governador Francisco Lacerda de Aguiar, o Chiquinho. Mas por pouco tempo. Em 1955, sofrendo de falta de verbas, ele seria comprado pelo empresário carioca Mário Tamborindegui, que atuava no setor de estradas. E passou a ser ardentemente pró Chiquinho.

O jornal combatia tudo o que era contrário ao governador. Principalmente os caciques políticos Carlos Fernando Monteiro Lindenberg e Jones dos Santos Neves. Fazia então a defesa do PSD. Em determinado momento o próprio Lacerda de Aguiar adquiriu o jornal e, para não aparecer à frente dele, passou-o para o seu filho Renato de Aguiar e a Setembrino Pelissari, à época um jovem advogado que militava na área jovem da União Democrática Nacional (UDN). Nessa ocasião, o jornalista Plínio Marchini foi contratado para dirigir O Diário. Mas, mesmo com a ação de ataque do jornal, Carlos Lindenberg foi eleito governador em 1958. E Marchini voltou contra ele sua metralhadora giratória:

“O Sr. Carlos Lindenberg é diretamente responsável por tudo quanto tem acontecido de violência policiais, durante seu Governo. Da sua inspiração política, dos exemplos de perseguição que tem dado, da proteção que está dispensando a esses belenguis policiais – de tudo isso é que nasce e se revigora o clima de terror e de morte.”

Com a chegada da ditadura militar, Edgard dos Anjos assumiu o jornal. Ele então era tido como esquerdista, um adjetivo que não cabia em seu figurino. Num tempo em que o jornalismo era feito essencialmente por textos, O Diário contratou fotógrafos e começou a dar valor às imagens. Também foi ele quem inaugurou o jornal vespertino no Estado, quando era dirigido por Cláudio Bueno Rocha. De experimentação por excelência, o diário da Rua 7 de Setembro notabilizou-se justamente por ter ficado à frente das inovações.

Também foi ele o primeiro – e talvez um dos únicos – jornal do Estado a dar amplia liberdade aos jornalistas para exprimirem suas idéias, o que não existe ainda hoje. E, talvez por causa disso, muitos trabalhavam lá sem se preocupar com a remuneração, que não era grande nem sequer constante em algumas ocasiões.

25 anos depois de sua fundação, pressionado por problemas financeiros insolúveis, o jornal fechou. Na época, era de propriedade do advogado José Maria Ramos Gagno. Na ocasião, ele explicou o fechamento dizendo que inadimplências de dez anos com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Previdência Social mataram a empresa, embora, quando ela fechou, dela dependessem ainda 64 famílias, como atesta Ramos Gagno.

 

Fonte: Revista a'angaba AnoI - Número 02 - dez/2008, publicação da Associação Espírito Santense de Imprensa (AEI)
Compilação: Walter de Aguiar Filho que pesquisou no Instituto Histórico e Geográfico do ES, do qual é membro - agosto/2011

História do ES

Quadros desalentadores da Província, 1823

Quadros desalentadores da Província, 1823

"...Foram eleitos Manuel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, magistrado, com sessenta votos"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo