Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Ilha do Imperador – Por Adelpho Monjardim

O aposentado Napoleão Bonaparte segura uma colher de prata da época do Império - Foto: Fabrício Marvila

No município de Linhares, um dos mais prósperos do Estado, situa-se a Juparanã, belíssima lagoa de vastíssimas e tranqüilas águas... não raro mar fremente. Ninguém ousa arrostar as suas cóleras. Vagas espumantes rolam pela sua superfície e ai de quem for colhido à sua passagem. Porejando espuma toda ela se transforma em um mar de leite. É a Juparanã selvagem dos índios, grandiosa nos seus arrebatamentos.

Fato curioso: não raro surgem nas suas águas grandes espécimes da fauna marinha, cetáceos e esqualos. É bom não esquecer que o seu emissário, o Rio Pequeno, faz a sua ligação com o Rio Doce.

Além dessas peculiaridades, que a notabilizam como ponto de atração turística, fato histórico, de alta relevância, ali teve lugar. Fato que não só a fixou na historiografia pátria, como redundou no surgimento de mais um mito no opulento e desenvolvido anedotário capixaba.

Quando da visita do Imperador D. Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, Linhares o recebeu festivo. Com todas as honras recepcionado pelas autoridades e os grandes da terra, lauto almoço lhe foi oferecido na Ilha Santana, situada no centro da famosa lagoa, tão admirada pelo soberano. Desde esse dia a ilha passou a denominar-se do Almoço, nome que perdurou até 1878, quando passou a chamar-se do Imperador.

O régio visitante foi conduzido à ilha no batelão “Nova Emilia”, do Sr. Carvalho. Aquele foi um dia inesquecível para os fastos linharenses, dia de gala para a sua sociedade. Lá estava o que de mais representativo possuía a terra. Magnânimo o soberano fez doações e concessões de agrado geral, com o que a sua presença se tornou simpática naquele afastado rincão do Espírito Santo de antanho.

Dentre as curiosidades do régio almoço, aquele champanhe enterrado como lembrança da presença ali de Sua Majestade, o Imperador.

Segundo as crônicas, o almoço foi servido sobre a grande laje, no interior da ilha. Se verdadeira a lenda, a garrafa, que se tornou histórica, só poderá estar enterrada pelas cercanias da pedra. Até o momento todos os esforços para encontrá-la foram baldados. Se realmente existe o imperial champanhe, o felizardo que a encontrar terá nas mãos uma nota, pois a botelha passará a peça de museu, acrescida de valor histórico.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Colher de prata que D.Pedro II lançou na Lagoa Juparanã em 1860

Ao ler um livro que relata os registros históricos de Linhares, o aposentado soube que Dom Pedro II esteve em Linhares no ano de 1860. Na ocasião, o monarca almoçou na atual Ilha do Imperador, onde, após o almoço, colocou alguns objetos em uma garrafa de champanhe e a jogou na água

Ver Artigo