Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A insurreição do Queimado

Igreja de Queimado

Surpresa sobremodo desagradável foi a insurreição de negros escravos, que explodiu no distrito do Queimado em 1849.(35)

É verdade que, de há muito, se vinham formando numerosos quilombos nas brenhas próximas às fazendas e povoações.(36) Concorriam bastante para a formação daqueles ajuntamentos de escravos fugidos a deficiência de força pública(37) e a dificuldade que encontrava a administração provincial para organizar grupos de civis capazes de desbaratar os improvisados arraiais.(38) Contudo, na medida das possibilidades, o governo vinha oferecendo guerra sem quartel aos quilombolas.(39)

Queimado é um episódio da luta que os negros iniciaram no dia em que se viram cativos. Seu objetivo era a liberdade.

Organizada e deflagrada por três ou quatro escravos menos broncos, a insurreição foi facilmente subjugada devido à incapacidade e precipitação dos chefes. Conseguiram reunir mais de duzentos insurgentes armados. Teriam alcançado o dobro – de vez que os contingentes de S. Mateus, de Viana e parte do Queimado não chegaram ao ponto de concentração em tempo útil – se dispusessem de melhor organização. Faltando esta, foi tarefa simples para a força de linha – constituída de vinte soldados, sob o comando de um oficial – derrotar, logo no primeiro encontro, os bisonhos combatentes da liberdade.

Durou apenas dois dias a revolta. Seguiu-se-lhe a caça selvagem aos fugitivos, levada a efeito por impiedosos batedores de mato.

Os que escaparam à justiça sumária dos primeiros momentos foram – em número de trinta e oito – submetidos a júri, que absolveu seis, condenou cinco à pena máxima e os demais a açoites. Três daqueles cinco conseguiram evadir-se da prisão e os dois restantes foram supliciados na forca: Chico Prego, na Serra, e João da viúva Monteiro, no Queimado, “como exemplo a futuros cometimentos, visto serem estes os lugares onde cada um dos rebeldes gozava de maior influência”.(40)

A insurreição do Queimado sobressaltou a província. O presidente Antônio Joaquim de Siqueira, transmitindo ao visconde de Monte Alegre as primeiras notícias, fez alusão ao terror que se apoderara dos habitantes da Capital e lugares circunvizinhos, “máxime por verem a pequena e diminuta força de que o Governo pode dispor”, e pediu reforço em homens, armas e munições. (VII) Dias depois, dava entrada na baía da Vitória o Paquete do Sul,(41) barca a vapor da Marinha de Guerra, conduzindo um grupo de trinta e uma praças, comandadas por um oficial.

Figura no processo como instigador do movimento, e “único capaz de receber a imputação do crime”, o frade Gregório de Bene. (VIII) O padre João Clímaco de Alvarenga Rangel – advogado dos escravos insurretos – pediu ao júri sua absolvição, mas o Conselho de Sentença não via senão um grupo de negros insubordinados, que era preciso castigar para escarmento geral.

 

NOTAS

(35) - Justamente a dezenove de março, na hora em que era celebrada missa na capela erguida ali pelos seus habitantes, “excitados pelo fervor e piedade apostólica do missionário capuchinho frei Gregório Maria de Bene” (CÉSAR MARQUES, Dicion ES, 201).

Contestando o que César Marques escreveu sobre Queimado, AFONSO CLÁUDIO assim se expressou: “A igreja do Queimado não foi edificada pelos habitantes da freguesia; estes, quando muito, cooperaram. É também falsa a afirmativa que Gregório deixou a igreja pronta; até hoje (1884) – e isso é visível a quantos têm viajado por ali – a igreja de S. José não está inteiramente pronta” (Insurreição do Queimado, 64).

(36) - Em ofício de trinta de agosto de 1848, dirigido ao conselheiro José Pedro Dias de Carvalho, ministro do Império, o presidente Antônio Pereira Pinto referia-se ao grande número de quilombos da província e manifestava a inquietação que causavam aos capixabas.

– Falando perante a Assembléia Provincial, a onze de março de 1849, o presidente Joaquim de Siqueira assim se exprimia: “quilombos que formigam na Província e tanto concorrem para o definhamento da agricultura e desmoralização da escravatura” (Relatório do Presidente da Província do Espírito Santo o desembargador Antônio Joaquim de Siqueira na abertura da Assembléia Legislativa provincial no dia onze de março de 1849 – Vitória – Tipografia Capitaniense de P. A. de Azeredo – 1849).

(37) - “Uma das maiores dificuldades com que luta a presidência desta Província é a falta de recursos pecuniários e de força pública: com aqueles meios se fariam despesas que no futuro seriam assaz compensadas pelos maiores rendimentos e com estes se obrigaria os refratários a pagarem os direitos nacionais e se vedariam os contrabandos” (Ofício de vinte de outubro de 1848 do presidente Antônio Pereira Pinto ao ministro do Império – Ms pertencente ao vol. VII da coleção Presidentes do E. Santo).

(38) - Na Mensagem apresentada à Assembléia Provincial em 1840, o presidente João Lopes da Silva Coito informava ter armado “vinte e quatro homens para coadjuvar as autoridades policiais na captura dos criminosos, e para destruir quilombos”, concluindo, depois de algumas considerações sobre a matéria: “O governo sente um grande embaraço à falta de um homem hábil, e capaz para comandante; pondo de parte o perigo nos assaltos, e batidas dos quilombos, é a grande dificuldade fazer-se obedecer e conservar no meio dos matos a subordinação e certa disciplina entre homens sem educação, de ordinário de maus costumes, e que por uma pequena gratificação diária não duvidam expor suas vidas” (Fala que o exmo. presidente da Província do Espírito Santo dirigiu à Assembléia Legislativa Provincial no dia primeiro de abril de 1840. Rio de Janeiro, Tipografia Nacional, 1840).

(39) - O presidente Joaquim Marcelino, a dezessete de janeiro de 1843, comunicava ao ministro Araújo Viana ter sido batido e destroçado um quilombo de dezoito casas. Aprisionaram os que puderam e deixaram alguns negros mortos no campo da luta. “Na resistência que fizeram”, foram feridos dois paisanos e um soldado, porém sem grande gravidade (Pres ES, VII).

– Havia notícias, informava o presidente, da existência de outros quilombos.

– Os ofícios dos presidentes da província aos ministros do Império estão salpicados de referências a insurreições de escravos e a quilombos no território capixaba

(40) - AFONSO CLÁUDIO, Insurreição do Queimado, 46.

– Exceção feita dos documentos e obras citados, todas as informações sobre a rebelião que constam do texto foram colhidas na obra de AFONSO CLÁUDIO, para onde remetemos o leitor curioso de mais amplos detalhes.

(41) - Adquirida no próprio mês de março a Irineu Evangelista de Sousa, mais tarde barão e visconde de Mauá (MENDONÇA e VASCONCELOS, Repositório, 255).

 

VII - “Ontem pelas três horas à tarde soube que um grupo armado de trinta e tantos escravos perpetrara o crime de insurreição no distrito do Queimado, três a quatro léguas distante desta capital, invadindo a matriz na ocasião em que se celebrava a missa conventual e levantando os gritos de Viva a Liberdade, queremos carta de alforria. Este grupo seguiu depois a direção do engenho Fundão, de Paulo Coutinho de Mascarenhas, e aí obrigou-o a entregar-lhes os seus escravos e passar-lhes carta de liberdade, as armas e munição que possuía, o mesmo fez em outros engenhos de maneira que conseguiu elevar o seu número a cerca de trezentos. Imediatamente fiz partir para aquele lugar o chefe de Polícia acompanhado de uma força de vinte praças da Companhia Fixa de Caçadores, comandada por um oficial. Escusado é narrar a V. Excia. O susto e terror de que se acham apoderados os habitantes desta capital e lugares circunvizinhos e máxime por virem a pequena e diminuta força de que o governo pode dispor. A população da capital está animada do melhor espírito de ordem e não se esquiva a trabalho algum, contudo não posso deixar de requisitar a V. Excia. uma força pelo menos de cem praças de Infantaria ou caçadores de primeira linha do Exército e bem assim armamento, equipamento e munições de guerra com que eu possa acudir a alguns pontos da Província em que iguais acontecimentos hajam por infelicidade deste lugar, que é muito presumível, atento o estado da escravatura dela que é o mais altanado possível. O alcance que pode ter semelhante insurreição nesta Província e nas outras do Império, em que abunda a escravatura, V. Excia. bem o avalia e julgará portanto se deve ou não ver satisfeita a minha requisição. Agora, recebo o ofício datado de hoje do chefe de Polícia da Província de que cópia autêntica remeto a V. Excia. donde V. Excia. verá o ataque que teve lugar entre as forças do governo e parte dos negros insurgidos. Finalmente cumpre-me dizer a V. Excia. que não durmo sobre tão importante fato e sobre o estado da Província hoje tão melindroso e que faço quanto em minhas atribuições couber e minhas forças o permitirem para que a Província volte ao estado normal de quietação e paz. Vitória, vinte de março de 1849. Ao Visconde de Monte Alegre – Ministro de Estado dos Negócios do Império – Antônio Joaquim de Siqueira, presidente” (Pres. ES, VIII).

VIII - “Frei Gregório José Maria de Bene chegou ao Amazonas no momento em que se instalava a Província, criada em cinco de Setembro de 1850. Foi destacado para servir na Missão de Porto Alegre, no Madeira.

O primeiro presidente da Província, Tenreiro Aranha, nos seus planos de trabalho, inscrevera o do trato cordial com a multidão gentia, que formava o maior da população, principalmente no alto Rio Negro. Para lá expediu, então, frei Gregório, dando-lhe instruções e pedindo-lhe que o ajudasse a ‘carregar a pesada cruz’, como entendia que fosse o encargo da organização da Província que estava inaugurando.

Frei Gregório, que em ofício ao presidente se dizia em estado de pobreza, subiu o Rio. Sua ação devia irradiar-se de Moreira a Marabitanas e por toda extensão do Rio Uaupés. No cumprimento dela estabeleceu, como sede das missões, o lugar São Jerônimo, no Ipunoré, fundando, a seguir, outras aldeias no Mutum-cachoeira e no Caruru-cachoeira.

Desse lugar fez abrir uma estrada, ligando o Uaupés com o Içana. Em contato com os Piratapuio, Tucano, Beiju, Ananá, Cubeo, Itariana, Juruá, Dessana, Arapaçu, Banina, Cutia, Macu, Cucuani, estabeleceu trinta e três povoados. Em sua tarefa de tamanha magnitude, frei Gregório chocou-se com o diretor dos índios do Rio Negro, Jesuíno Cordeiro. Em todos os núcleos urbanos, montou capelas e igrejas, realizou milhares de casamentos.

Em 1854, deixando os serviços missionários, veio fixar-se em Manaus.

A correspondência que manteve com o governo provincial, sobre os seus trabalhos de catequese e civilização, guardam-se no Arquivo do Amazonas e em grande parte foram publicados na revista Arquivo do Amazonas. São interessantíssimos, preciosos” (Nota escrita especialmente para esta obra pelo historiador ARTUR CÉSAR FERREIRA REIS).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, novembro/2017

História do ES

Azambuja Suzano – Por Levy Rocha

Azambuja Suzano – Por Levy Rocha

Teve no Espírito Santo, atividade destacada, não só no ministério, como na advocacia e na política, tendo sido, também, deputado da 1ª Assembléia Provincial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo
Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem

Ver Artigo
A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

Turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, 

Ver Artigo