Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A invenção do bonde

Bonde e Prainha

Achamos interessante fazer aqui algumas observações sobre a invenção do bonde. Em seus primeiros passos, essa invenção deve-se ao alemão Werner Siemens, o qual, no ano de 1879, apresentou-a na Exposição Industrial de Berlim, vindo a patenteá-la no ano seguinte. As primeiras vias elétricas destinadas à utilização dos bondes foram instaladas no ano de 1890 em Clermont-Ferrand, na França. No Brasil, nos fins do século XIX, a cidade de São Paulo foi a primeira a introduzir o bonde no país. Já em Vila Velha e Vitória a introdução desse transporte deu-se em 1910, no governo de Jerônimo Monteiro.

Veículo sui generis, diferente do trem, era movido à energia elétrica, enquanto aquele se locomovia usando lenha como combustível e mais tarde carvão mineral, óleo diesel e só depois eletricidade. Por assim dizer, o bonde, locomovendo-se eletricamente e sem poluir a atmosfera, foi o precursor do transporte coletivo, sendo também conhecido como carril urbano.

O bonde elétrico tinha na sua parte superior uma alavanca ou vara. Se essa vara ficava arqueada na sua extremidade o veículo deslizava sob o fio trolley ao sabor da velocidade imprimida. Se a vara ficava ereta recebia no seu pólo uma roldana, correndo sob o fio trolley estendido no alto, ao longo do percurso das linhas desses carris urbanos. De uma forma ou de outra, essa alavanca ou vara era removível, de tal sorte que, no fim da linha, o motorneiro podia reverter sua posição deslocando-a para a outra extremidade do bonde para a viagem de volta.

Os bondes não dispunham de traseira: a traseira era a dianteira e vice-versa. Além disso tinham dois motores e, nas suas linhas terminais, não existiam viradores ou área de manobra na acepção da palavra; havia, sim, os desvios destinados a posicionar os reboques para que a linha mestra ficasse desimpedida e por ela se retomasse o curso da viagem de volta, indo o motorneiro para a outra extremidade do bonde.
As manobras para engate e desengate do reboque ao bonde eram demoradas. Até concluí-las o motorneiro usava quatro vezes a cabine de comando. Só então partia em sua rota imutável. Essa operação um tanto quanto demorada dava-se apenas em dois lugares: em Paul e no centro Vila Velha, atrás da Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Essas manobras aconteciam quando o bonde conduzia o reboque e o deixava nos lugares mencionados anteriormente para ganhar os seus trilhos principais em demanda dos respectivos pontos extremos Paul e Piratininga.

Nós, como estudantes do Ginásio Espírito Santo – como era conhecido o Colégio Estadual do mesmo nome -, tomávamos o bonde das onze horas para com folga chegar ao educandário, cuja entrada para as salas de aula se dava ao meio-dia. E como fazíamos? Já devidamente paramentados com o absurdo uniforme exigido, ficávamos na espreita e na escuta aguardando o bonde, cuja chegada era denunciada pelo ranger dos trilhos na curva fechada da confluência da avenida Jerônimo Monteiro com a rua Luciano das Neves.

A sua passagem ficava evidenciada no sentido Piratininga pelo cantar em alto e bom som de suas rodas de aço em atrito apertado com os trilhos. Em assim ouvindo, nesse exato momento encontrávamo-nos a mais de um quilômetro de distância. Morávamos num sítio à margem e um pouco para dentro da estrada que naquele tempo ligava Vila Velha à Barra do Jucu, hoje avenida Professora Francelina Carneiro Setúbal, nome de nossa saudosa e querida mãe, na região chamada de Apicum do Poço, agora denominada genericamente como bairro Itapoã, onde atualmente se encontra um posto de gasolina com o mesmo nome.

A esse sinal das rodas em atrito com os trilhos, de pasta escolar ora na mão, ora embaixo do braço, corríamos esbaforidos para alcançar o famoso bonde da estudantada, que passava às onze horas, num ponto que antecedia o da ruidosa curva. Na verdade nunca o perdíamos, pois a manobra de soltar e engatar o reboque proporcionava-nos o tempo necessário para alcançá-lo.

 

Fonte: Ecos de Vila Velha, ano 2001
Autor: José Anchieta de Setúbal

Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2010 

Bonde

Ponto final: Paul

Ponto final: Paul

O ponto final de bonde, em Paul, por ser um local de espera para embarque e desembarque, ensejava ali e em suas adjacências a existência de um pequeno comércio

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Bonde

O bonde proveniente de Paul fazia a sua última parada para apanhar ou deixar passageiros no ponto que antecedia Piratininga, nas proximidades do bar Ponto Chic, seguindo daí, sem mais parar, até Piratininga

Ver Artigo
Bonde em Vila Velha e Vitória

Eram dois bondes – um saía de Paul, o outro de Vila Velha. O cruzamento entre eles se dava na estação de Aribiri

Ver Artigo
Mais uma de Catraieiro

Li matéria dos catraeiros que fazem até hoje a travessia entre Vitória e Vila Velha. Gostei muito, e novamente fui ao passado ! ! !Na década de 50 e 60 (até 1967...) eu tocava acordeom nas noites de várias cidades de nosso estado. 

Ver Artigo
Bonde

Os primeiros bondes a circular em Vitória eram do tipo locomotiva movido a carvão. Os veículos pertenciam à Companhia Ferro Carril e faziam a linha Vitória/ Praia do Suá

Ver Artigo
A última lancha da noite

O usuário que estivesse em Vitória e precisasse pegar o último bonde em Paul arriscava-se a não consegui-lo se perdesse a lancha em direção àquele ponto

Ver Artigo