Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Lanterna do Itabira – Por Maria Stella de Novaes

Pico do Itabira - Década de 1930

Encerrava algo de misterioso aquele sítio distante, junto ao Itabira, em Cachoeiro do Itapemirim, porque invariavelmente, às dezenove horas, um fogo, — dizia-se, andava pequeno trecho e estacionava em determinado ponto. Tratava-se de uma penha imensa, que se perdia no abismo, à sombra de vistosa e delicada fronde, que parecia mirtácea anosa, testemunha, em silêncio, deste romance, ou mistério de tragédia.

Em conseqüência do acesso, o lugar era solitário. Para chegar ao Itabira, teria o viajor de percorrer a Serra do Maquiné e subir o Monte Olivete, em mulas ou burros adestrados. Mas, situado fronteiro à Cidade, a emoldurar a curva do Itapemirim, permitia a algum morador apreciar o movimento urbano.

Decorria o tempo.

A lanterna enigmática percorria sempre o mesmo itinerário. Notavam apenas os que a seguiam, de longe, a lentidão graduada, na marcha cotidiana. As vezes, parava. Atingia, porém, sempre, o mesmo lugar.

— Era a alma do Itabira, — diziam as mucamas supersticiosas.

— Qual, sinhá, — explicava o Jacob, velho entendido, — é algum espírito que está penando. Virou boitatá.

— Não é Saci-Pererê, — considerou, certa vez, a Catarina, vendedora de mandioca-puba. Saci anda pulando, num pé só, e vive debaixo da gameleira, na várzea; não gosta de morro pelado e pontas de pedra, onde caem raios. Sô Jacó tem razão, é alma penada ou jiquitiranabóia enfeitiçada. Cruz, Credo! (Benzeu-se).

Correu a notícia de que se extinguira o fogo assombrado.

Uma zeladora de Irmandade, ao regressar da Novena de Santo Antônio, afirmara à vizinha que vira o facho apagar-se, antes de chegar ao ponto de origem. Foi o bastante, para que fervilhassem comentários e se reavivasse a lenda sobre a alma penada. Mas, ardendo em curiosidade, alguém resolveu excursionar pela Serra do Maquiné, e atingir o sítio misterioso. Partiu, na madrugada seguinte, e rompeu escarpas abruptas, ladeiras e caldeirões, até que se viu obrigado a renunciar à sela e prosseguir a pé, na ascensão perigosa.

Tudo era solidão, naquela parte belíssima da Terra Capixaba! Ouviam-se apenas o gorjear dos pássaros e os estalos dos ramos, quebrados pelos animais, na retirada célere.

- Que iria encontrar? Feitiço? Caveiras? Talvez algum tesouro acumulado. E, assim, pensamentos tétricos surgiam-lhe à mente, trabalhada, agora, pela imponência do meio lendário.

Subiu, subiu..., até que laranjeiras enxertadas e cacaueiros alinhados denunciavam o trabalho e o zelo de algum habitante, naquele ermo cercado de blocos de granito. Mais uma rampa... e o Itabira se lhe apresentou colossal, a dominar a magnificência do conjunto de rochas. Parou. Sentou-se numa pedra. Retirou a palha e o fumo. Torceu um cigarro e saboreou-lhe a essência, enquanto contemplava as espirais, que atirava para o alto.

Restauradas as forças e acalmada a imaginação, examinou a espingarda, para certificar-se do seu funcionamento. Sim. Tudo ia bem e não havia motivos de receio. Mais uma rampa e divisou um plano extenso, até o gigante, — o Itabira. Lá, estava um rancho coberto de caixilhos, ou tabuinhas. Uma passiflora crescida, parede-acima, prendia--se, ao enroscar das gavinhas, nos interstícios do telhado, e dava à rústica vivenda aspecto de caramanchel natural. Roseiras entrelaçadas, craveiros, margaridas, açucenas, flocos e outras plantas floridas transformavam o recanto, em belíssimo jardim, ao passo que as cercanias ostentavam craveiros-da-índia e árvores frutíferas. A porta estava fechada.

Em ligeira pesquisa, o visitante encontrou, detrás do casebre, um espaço ocupado pelos cortiços: — "Abelhas e flores".

Pequena horta bem tratada e, numa rocha isolada, um pombal, completavam aquela miniatura do Paraíso. Mas..., o proprietário? Onde estaria?, — cismou o intruso. Lembrou-se então da trajetória seguida pelo fogo do Itabira e resolveu procurar esse caminho. Acompanhou algumas pegadas, na grama alternada de pedregulhos, até aproximar-se da árvore recurvada sobre o abismo. Parou. Sentiu arrepios... Pareciam-lhe rígidas as pernas. Deu mais alguns passos. Mas, para aumentar-lhe a justificada ansiedade, pelo fim da aventura, percebeu o ganir doloroso de um cão. Isso lhe compensava, entretanto, o terror da solidão; animava-o a prosseguir, na aventura. Aproximou-se da árvore e divisou o animal, em guarda, junto a um velho desfalecido. Na ânsia instintiva da dedicação, apoiava as patas dianteiras, no braço esquerdo, e farejava-lhe a fronte, como se procurasse transmitir-lhe um hálito conservador da vida! Ao pressentir a presença de alguém, ergueu a cabeça e olhou o desconhecido, como se lhe inquirisse as intenções. Levantou uma pata. (Sinal para a espingarda?) Foi deposta a arma, na grama. E, mais uma vez, manifestou-se o instinto, naquele amigo leal: — veio mansamente ao estranho; segurou-lhe a calça; puxou-o, até junto ao seu dono, que ainda respirava.

— "Vivo, — disse o outro. Graças a Deus!"

Tomou-lhe o pulso. Procurou água. Junto às colméias, encontrou uma grota. Numa folha de arácea, trouxe o líquido, que derramou na fronte ardente do ancião, cujos olhos, amortecidos pela fraqueza, descerram-se lentamente.

— "Vamos, amigo, aqui estou, para tratá-lo".

— "A... mi... go?" — balbuciou o asceta, enquanto indicava uma chave presa ao cinto. Terminou: — "Sul-tão!"

Logo, o animal estendeu o focinho, segurou a chave e dirigiu-se à porta do rancho, onde a depôs.

— "Tudo enigma!" meditou o investigador. Partiu uma laranja. Destilado nos lábios entreabertos do solitário, o caldo reanimou-o e deu-lhe forças para indicar, no outro lado do cinto, uma bolsa de prata, modelo "Coração", com a gravura de um monograma indecifrável e, no verso, o nome Lenie.

— "Abre-o, amigo!"

Um retrato de mulher, delicadíssima pintura, num disco de madrepérola, revelava o talento artístico do seu autor. Dir-se-ia perfeita gravura. Completava a relíquia uma tira de papel, com uma frase, em tinta vermelha, apagada pelo tempo. 

— "Amigo", prosseguiu o velho, mais confortado, pela ingestão do alimento. (Arrastou-se para o tronco da mirtácea, onde se recostou). Recebe a história de uma vida, antes que o anjo da morte me liberte para a mansão da perene ventura". (Indicou um canudo de taquaruçu, preso à pitangueira).

O outro retirou do escrínio umas folhas de papel, escritas com tinta de urutu. Leu: — "Era jovem. Gozava a inutilidade de uma existência fútil. Pintava as paisagens cerúleas dos lagos da Itália e das montanhas nevadas e belas da França. Procurava debalde modelos para fixar a expressão da figura humana, segundo o meu ideal. Faltava-lhes uma revelação da Alma, no semblante, seu espelho imaculado. Mas, certa manhã, quando o Sol, fraco ainda, reanimava uma encosta dos Alpes, divisei, ao longe, um vulto de mulher, a perturbar, com o seu movimento, o esboço de um quadro. Parecia aflita. Imaginei que se teria tresmalhado alguma ovelha do seu rebanho. Fui-lhe ao encontro, e cooperei na captura da fugitiva.

— "Não o esperava, neste desterro, disse-me polida-mente. — Como poderia manifestar-lhe minha gratidão?"

— "Só uma coisa desejo, — respondi-lhe. — Entre estas montanhas geladas, ensine-me a descobrir a Vida"...

Enleada, naturalmente confusa, ante o pedido original, absurdo talvez, a pastorinha meditou..., sorriu ingenuamente, retirou do seio este relicário e, numa expressão de candura indefinível, abriu-o, deixou-o cair em minhas mãos, ao passo que, enlevado e estático, eu desdobrava o contido e lia: Vive pelo coração, o turíbulo do Amor, fogo divino, deslumbrante, que nos ilumina o caminho da Vida!

"Descemos a montanha. Casamo-nos."

"Vendemos algumas telas e encetamos viagem ao Brasil, porque desejávamos animar os meus quadros, com a luz intensa dos trópicos e o colorido cinéreo das montanhas, ao crepúsculo, ou esmeraldino, ao raiar do dia. Na viagem, ao contemplar Lenie, tracei-lhe automàticamente o perfil. Ainda a bordo, procurei revelar, na irisação do nácar, a expressão deliciosamente sincera do meu único ídolo. No Rio de Janeiro, pintei os recantos da Guanabara, cheios de poesia, e os encantados sítios da Tijuca. Numa vitrina qualquer, atraiu-nos um postal — ITABIRA — "Lindo, disse-me Lenie, — aponta-nos o Infinito!"

"Viemos para a Terra Capixaba. Quando a imponência do pico se refletia nas águas mansas do Itapemirim, eu pintava o crepúsculo. E fixava as cores da aurora, quando ele se despia das brumas e surgia, radioso, a penetrar no azul imenso do espaço...

"Atraídos pelo conjunto destas belezas naturais, andamos, subimos e armamos nossa tenda, resolvidos a viver, aqui, o nosso idílio perene". (O amigo interrompeu a leitura, enxugou a fronte do ancião e deu-lhe mais um gole de caldo de laranja. No fundo róseo da tarde, o aceno longínquo das palmeiras indicava a despedida do tempo.) "Lenie sentava-se à sombra desta pitangueira, enquanto eu pintava o cenário da Cidade. Gostava de sentir o contato das florinhas, que se despetalavam e cobriam-na de um manto perfumoso e tênue. Certa manhã, porém, na colheita de frutos, perdeu o equilíbrio e rolou, no abismo!... Louco de dor, bati picadas, desbravei caminhos, errei em volta, gritei, clamei, até que, exausto, aturdido, cheguei à borda de um fosso profundo. Assaltou-me a atração do abismo. Levei a mão à jaqueta, para desvencilhar-me desse obstáculo... Toquei ia bolsinha... Senti um frêmito indecifrável, ao contato com o escrínio do nosso amor. Seria verdade? Delírio? — Sentei-me no tapete de folhas mortas, pisadas, como todas as fibras do meu ser! ... Procurei reerguer-me. Faltaram-me forças... Pela manhã, despertei, ao sentir o amparo de alguém. Era um preto lenhador, compadecido, que me julgava talvez um réprobo, foragido da Justiça. Ante minha aflição de prosseguir nas pesquisas, disse-me, como supremo conforto: — "Reze, patrão, Deus a terá na Glória!" Abri desmesuradamente os olhos... Realidade? Revelação? Desvario? Voltei a cabeça, num esforço irrefletido, derradeiro e distingui apenas o extremo do pico fabuloso. Parecia animar-se, romper o azul do firmamento. — Lindo! — murmurei. Mostra-nos o Infinito!

Passou, desde então, o lenhador a constituir minha única ligação com o mundo. Nunca lhe perguntei o nome. De tempos em tempos, aparecia e trazia-me o indispensável ao sustento, em troca de verduras e frutos do meu sítio. Cumpria ordens expressas de não revelar minha existência, nem trazer visitas ao meu desterro.

(As trevas envolviam a Cidade. Brilhavam as primeiras luzes e o murmúrio dolente do rio acentuava-se na quietude da Natureza).

O intruso dobrou o papel, enquanto o solitário volveu o olhar para o rancho oculto na escuridão das pedras e disse-lhe: - "Eis o mistério, amigo. Jamais poderia desprender-me deste retiro mágico. À tarde, quando se perdiam nestas brenhas as vibrações plangentes do Ângelus, eu me dirigia tumba imaginária de Lenie. Permanecia com a relíquia na mão, imerso na oração da saudade! Pela manhã, na festa aurora, recolhia flores que, ali, atirava, como se ofertasse ao meu ídolo, a carícia do meu afeto! — Abandonei o pincel e quebrei a palheta; não descri, porém, da beleza da Vida. Ela tem harmonias e viravoltas! ... Cumpre-nos admirá-la, como um painel onde a Providência traçou a vereda, que devemos trilhar, iluminada pelo Fogo do Amor. Quanto a mim, cumpri o meu fadário: — Viver pelo Coração e difundir, no silêncio austero desta montanha, a suavidade singular e única de uma Lenda de Amor".

O tempo que passa, na sua faina destruidora, arrasou o sítio e apagou a lembrança do Fogo do Itabira. Hoje, somente alguns antigos se recordem talvez desta lenda romanceada, que recolhemos, em nossa infância, nos relatos de um Pai-Velho e uma Didi carinhosa. A majestade da pedra, entretanto, continua a penetrar no azul do espaço, inspiração de artistas, irradiação de beleza!... A despertar, nas almas, a idéia sublime e deliciosa do INFINITO!

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo