Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A lenda de Frei Pedro e Nossa Senhora

Tela: Nossa Senhora da Alegria, reproduzida pela artista Luiza Valderato

Nosa Senhora da Penha, dos Prazeres ou da Alegria?

A Nossa Senhora do Convento de Vila Velha é a representação de Nossa Senhora das Alegrias, que é a mesma Nossa Senhora dos Prazeres.

A maneira como ela passou a ser a padroeira do Espírito Santo, venerada como Nossa Senhora da Penha, é contada numa comovente lenda conhecida por todos os vila-velhenses.

Tudo começou quando, em 1558, aqui chegou o irmão leigo, franciscano, Pedro Palácios. Nascido na Espanha, ele veio para o Brasil numa caravela portuguesa. Piedoso, Frei Pedro Palácios cumpria com abnegação os votos de pobreza da ordem dos Frades menores, que decidiu seguir.

Junto consigo trouxe um quadro representando Nossa Senhora das Alegrias. Ele veio para trazer amparo e conforto espiritual aos moradores da primeira povoação portuguesa aqui. Desembarcando na Prainha, abrigou-se numa gruta e lá passava os momentos em que não estava consolando e confortando as pessoas.

Nossa Senhora das Alegrias, como Nossa Senhora dos Anjos, são devoções da Ordem dos Frades Menores. Por isso o seu painel foi trazido por Frei Pedro Palácios.

Um dia a tela, que ficava com o frei no seu abrigo, desapareceu. Ela foi encontrada entre duas palmeiras, no alto do penhasco ao pé do qual ele vivia. Por mais duas vezes o fato se repetiu.

O aviso era claro: tratava-se de um pedido da Virgem, que escolhia assim o lugar de sua adoração.

Frei Pedro Palácios, a partir daí, fez duas capelas. Uma para o criador de sua ordem, São francisco de Assis, e em seguida outra, a de Nossa Senhora da Penha, erguida em 1560. Mais ou menos 90 anos depois, em 1651, frei Francisco Santo iniciou a construção do Convento que hoje é o santuário e morada definitiva de Nossa Senhora.

 

Fonte: Nossa Senhora da Penha - Padroeira do Espírito Santo, 2005
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2011 

Convento da Penha

A Natureza e a Obra – Por Norbertino Bahiense

A Natureza e a Obra – Por Norbertino Bahiense

A história do Convento da Penha constitui um dos preciosos capítulos na própria História do Brasil e, talvez, o primeiro da História do Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo