Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

Frei Palácios

Dobrava, tristemente, o novo campanário,

despertando, em surpresa, o índio, o donatário,

o jesuíta e o escravo, em noite enluarada.

— Seria um gênio mau? Uma alma atormentada,

a suplicar a prece, em transe doloroso,

naquela solidão? — Seria o frei piedoso,

que, a meditar feliz, sentisse a inspiração

de concitar o povo ao fervor da oração

à Senhora da Penha, — a soberana Guia

da vida espiritual, nesta Capitania?

 

A plangência, porém, suave, suavemente,

perdia-se, no espaço. . . E a turba impaciente

aguardava, em silêncio, o dealbar da aurora,

em rude inquirição. O servo não demora

a descer da montanha à Vila incipiente

e dar a triste nova à multidão, que sente

o borbulhar do pranto, ao pungir da saudade,

que repontar parece, à dura realidade: —

perder seu benfeitor, após a linda festa

de uma entronização! Doce lembrança resta

ao povo contristado: — a serena alegria

do santo anacoreta, e sua profecia

de partir, para o Além, assim que a santa Imagem

da sua Protetora acolhesse a homenagem

das almas, na capela, — o mirante do incerto

navegador, ao porto ideal, ali perto

predestinado à glória, — o Espírito Santo,

a terra que Anchieta enaltecia tanto.

 

E vai a multidão, a subir a montanha,

sentindo, na alma, em pranto, a sensação estranha

de um vácuo, ou mesmo um tom sigular, na folhagem

como se o meio todo, imerso em fria aragem

da madrugada triste, à dor se associasse .

 

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace,

ajoelhado ainda e mãos postas no altar,

Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Quando o Penedo falava – Por Maria Stella de Novaes

Quando o Penedo falava – Por Maria Stella de Novaes

Gênio bom e manso, fora enclausurado, no coração da pedra, para assistir a todos os triunfos e todas as amarguras da Terra Espírito-Santense

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

No trabalho intenso de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Ver Artigo
A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Ver Artigo
A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados

Ver Artigo