Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Natureza e a Obra – Por Norbertino Bahiense

Nossa Senhora da Penha

A história do Convento da Penha constitui um dos preciosos capítulos na própria História do Brasil e, talvez, o primeiro da História do Espírito Santo.

Recordemos a natureza. Reconstruamos, lógica e documentadamente, o que foi destruído ou modificado; e resumamos o que alguns esclareceram, historiaram, ou conduziram para o terreno da Ienda.

A beleza estonteante da Baía de Vitória é reconhecida por todos que a ela aportam, percorrendo-a em barcos, passeando pelas suas margens ou sobrevoando-a pelas vertiginosas asas da aviação.

O pontilhado irregular de suas ilhotas, as convidativas sombras do Moreno, da Penha, do Penedo e do Atalaia, bem nas suas bordas, o reflexo pouco distante do histórico Mestre Álvaro, do Moxuá e outras serranias, a desembocadura caprichosa do Santa Maria, o desaguar rasgado do Marinho, a grandiosidade admirável de sua barra, contrastando com o pitoresco do seu escoadouro pelo extremo que se espreme sob a ponte da Passagem, — a poesia cantante da Pedra dos Ovos, o capricho impressionante da Pedra do Elefante, os velhos canhões coloniais postados no antigo Forte de São João, onde hoje se ergue, majestoso e dominante, o "Saldanha da Gama", os argolões de cujos restos ainda existem vestígios nas bases do Penedo e ligadas aos quais grossas e pesadas correntes fechavam, outrora, o canal, a belíssima ponte "Florentino Avidos" ligando a ilha ao continente, — tornam esta linda baía, realmente, uma das miragens fascinantes do nosso querido Brasil.

Se há, no país, a Cidade Maravilhosa, o nosso incomparável Rio de Janeiro, no Espírito Santo, temos a baía maravilhosa: — a baía de Vitória.

Disputando à natureza algo de belo e grandioso a ser plantado nos seus altos e nas suas ribeiras, a mão do homem, num esforço ousado e titânico, engastou nos píncaros de Vila Velha, o Convento da Penha, e nos altos do Atalaia, essa obra prima da engenharia que é o Cais de Minério através do qual sai, para o mundo, o ferro inigualável de nossas minas gigantescas.

São bem dois símbolos — o moderno, honrando e glorificando a engenharia e, ao mesmo tempo, fazendo-se crescer e agigantar, aos nossos olhos, o antigo — ou seja esse relicário primoroso que é o Convento da Penha, desafiando as contingências do tempo.

Construído em partes, pelos frades, leigos e escravos, — sem os requisitos técnicos da engenharia moderna, — o Convento da Penha aí está, lindo, sólido e soberbo, na crista de uma Montanha, subindo, quase verticalmente da cota zero da baía, a seus pés, à altitude de 145 metros.

Na rocha que o abriga, há abundância de ferro, ouro e chumbo.

Sentinela altaneira, postado sobre a solidez do granito, virado para todos os lados, tendo a lhe arrebentar sobre as bases as ondas espumantes do Atlântico, na bravura das tempestades ou na mansidão preguiçosa das manhãs serenas, a lhe emoldurar o monte as verdejantes matas que o circundam, dominando o horizonte até a sua linha de núpcias oceânicas, — ele sobrevive em toda a expressão de sua grandeza. Nem mesmo a natureza, nas explosões mais violentas, conseguiu abalá-lo na sua estrutura. Feriram-no, é verdade, os raios de 2 de agosto de 1769, de 1846, de 27 de janeiro de 1867, de 14 de fevereiro ainda de 1867 e de 8 de janeiro de 1900; — mas esses golpes não abateram o gigante, servindo, sim, para fortalecer a confiança dos crentes na excelsa Padroeira, cuja imagem ele abriga e guarda, no silêncio religioso de seus muros e na majestade invulgar de suas paredes.

 

Fonte: O Convento da Penha, um templo histórico, tradicional e famoso 1534 a 1951
Autor: Norbertino Bahiense
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Convento da Penha

O Pórtico do Convento

O Pórtico do Convento

Certa vez, na Casa da Memória de Vila Velha, houve uma pergunta a respeito do antigo Portão dos Fiéis.- O que nos dizem aquelas duas figuras humanas moldadas no “frontispício” desse portão?

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

D. Luís de Céspedes Xeria (1628) – Por Norbertino Bahiense

A promessa foi cumprida ao chegarem em Vitória. Subiram à Ermida e ali cumpriram os seus votos 

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
João de Laet

Auguste de Saint Hilaire no seu livro “SEGUNDA VIAGEM AO INTERIOR DO BRASIL – ESPÍRITO SANTO”, registra: “João de Laet que escrevia em 1633 descreveu melhor a baía do Espírito Santo que os modernos. Eis, com efeito, como se exprime:“

Ver Artigo
Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Vasco Fernandes Coutinho – Por Norbertino Bahiense

Em que local da Igreja supõe terem sepultado a arca com os ossos de Vasco Fernandes Coutinho?

Ver Artigo
Introdução do livro de Norbertino Bahiense – O Convento da Penha

O que coube à Nossa Senhora da Penha supera a todos os penhascos brasileiros. Nenhum se lhe iguala na posição, na grandiosidade, na beleza, no deslumbramento

Ver Artigo