Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A origem da Praia da Costa

Foto: Edson Quintaes

Ao tomar posse da Capitania do Espírito Santo em 1535, Vasco Fernandes Coutinho reservou para si uma área que veio a ser conhecida como " Fazenda da Costa" . Construiu a sua sede no pequeno " Sítio do Ribeiro", onde edificou a Casa Grande. Nesse Sítio Histórico, viveu até seu último dia.

Ali também residiu seu filho, o segundo donatário e sua esposa, dona Luíza Grinalda, primeira governadora em terras do Brasil, e serviu de hospital para repouso do padre José de Anchieta.

Em 1589, faleceu na Fazenda da Costa Vasco Fernandes Coutinho Filho.

Damos um salto na história, e em outubro de 1929, a " Empresa Brazileira de Engenharia, Comércio e Finança" separou parte da Fazenda da Costa e contratou o Doutor Joel da Escócia para loteá-la. Mais tarde, no governo revolucionário, o Interventor do Estado, Doutor João Punaro Bley, desapropriou todo o loteamento para nele ser edificado o Preventório Gustavo Capanema e residência oficial do Governador.

No governo de Aristeu Borges de Aguiar (1930), foi construída a ponte sobre o Rio da Costa, próximo de onde hoje é a loja do Mac Donald´s.

Com a construção da ponte e do preventório, a Praia da Costa passou a ser frequentada por autoridades e pelo povo. Com a frequência dessas visitas e dos banhistas, foi inaugurado o Bar Sereia e o Posto 1 (primeiro posto de salva-vidas do Estado).

Entusiasmado com o sucesso de vendas dos loteamentos anteriores, Itapoã e Garanhus, de propriedade de Carvalho & Cia e Aloísio Freitas, o senhor João Joaquim da Mota resolveu lotear a sua gleba litorânea.

Assim, na Praia da Costa surgiram as primeiras residências, tais como as dos senhores Gastão Roubach, Francisco Rocha e Dr. Dório Silva.

 

Autores: Jair Santos e Edward D´Alcantara. (Transcrito do Jornal da Praia da Costa)



GALERIA:

📷
📷


Especiais

Apropriação cultural: uma questão ideológica – Por Kleber Frizzera

Apropriação cultural: uma questão ideológica – Por Kleber Frizzera

No Brasil, as iniciativas mais concretas de preservação do patrimônio histórico que vão desembocar na criação do IPHAN, na década de 30

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Dr. Luiz Buaiz - Uma pessoa brilhante: assim conta o cirurgião Dr. Noé Silva

A amizade entre o cirurgião Noé Silva e o Dr. Luiz Buaiz começou em 1959, época em que Noé chegou a Vitória oriundo do Rio de Janeiro

Ver Artigo
A jovialidade de Luiz Buaiz - Por Sandra Medeiros

Na época o Coser e o Hartung ainda eram muito jovens e Luiz Buaiz bastante experiente

Ver Artigo
Luiz Buaiz, um médico à moda antiga - Por Sandra Medeiros

Quantas vezes me dão a preferência e eu pergunto o porquê, se é porque sou idoso, e respondem: ‘O senhor é um patrimônio da cidade’. E eu digo: Só não quero ser tombado”

Ver Artigo
Médico, amigo e admirador - Por Sandra Medeiros

Douglas Puppin foi um dos primeiros médicos a trabalhar junto com o Dr. Luiz Buaiz, inclusive em seu consultório

Ver Artigo
Luiz Buaiz - No Centro de Saúde

A pressa substituiu a cuidadosa e devotada atenção a cada paciente, lembra Dr. Luiz

Ver Artigo