Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A origem do calendário da Festa da Penha - Por Roberto Abreu

Convento da Penha - A Festa da Penha tem a sua data móvel. E também a Semana Santa obedece o ciclo lunar. Se observar, em toda Páscoa é tempo de lua cheia!

Sendo que a data da Colonização do Solo Espírito Santo é o dia 23 de maio de 1535, e uma data fixa, acaba acontecendo um curioso conflito com o calendário da Igreja Católica.

Neste mesmo dia comemora-se a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos, ou seja, a Festa Católica do Divino Espírito Santo, daí a toponímia dada por Vasco Fernandes Coutinho ao torrão de terras que ganhara de D. João III, para fundar a Capitania.

Como o calendário da Igreja obedece o ciclo lunar, herdado do judaísmo, as principais festas são móveis em relação ao calendário civil, pois depende da lua.

Foi por isso então que, o calendário civil vinha dando uma discrepância na marcação das datas das festas de suma importância, como a Páscoa.

Como os astrônomos com recursos do século XVI já haviam calculado que a terra demorava 365 dias, 4horas e alguns minutos, para dar uma volta ao redor do sol, (ou o sol dar uma volta completa em sua trajetória ao redor da terra na concepção heliocêntrica - observavam as épocas dos equinócios) a diferença de 4 horas a cada 6 anos já vinha sendo compensada com um dia a mais em fevereiro, nos célebres anos bissextos.

Mas os minutos e quebradinhos, não podiam ficar para trás, e a terra teria que acertar o passo.

Pois bem, os astrônomos calcularam mais ou menos quanto tempo teria passado desde a criação do mundo, e calcularam que a diferença desses minutos não compensados davam cerca de 10 dias.

Então o papa Gregório baixou uma bula e suprimiu cerca de 10 dias do calendário pulando naquele ano, esse lapso de tempo, inclusive postergando alguma promessa religiosa que alguém tivesse feito, ou crédito ou débito que tivesse sido marcado naqueles dias, que seriam pulados uma vez só e liquidados lá na frente...

Foi então daí que gerou esse desencontro visível de datas, visto que o dia da Colonização do Solo do Espírito Santo (dia 23 de maio), não mais coincidiu com o dia da Festa do Divino Espírito Santo.

 

Origem portuguesa 

A origem remonta às celebrações religiosas realizadas em Portugal a partir do século XIV, nas quais a terceira pessoa da Santíssima Trindade era festejada com banquetes coletivos designados de Bodo aos Pobres com distribuição de comida e esmolas.

Assunto muito abordado pelo professor Agostinho da Silva. Há referências históricas que indicam que foi inicialmente instituída, em 1321, pelo Convento Franciscano de Alenquer sob proteção da Rainha Santa Isabel de Portugal e Aragão.

Essas celebrações aconteciam cinquenta dias após a Páscoa, comemorando o dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu do céu sobre os apóstolos de Cristo sob a forma de línguas como de fogo, segundo conta o Novo Testamento. Desde seus primórdios, os Festejos do Divino, realizados na época das primeiras colheitas no calendário agrícola do hemisfério norte, são marcados pela esperança na chegada de uma nova era para o mundo dos homens, com igualdade, prosperidade e abundância para todos.

A devoção ao Divino encontrou um solo fértil para florescer nas colônias portuguesas, especialmente no arquipélago dos Açores. De lá, espalhou-se para outras áreas colonizadas por açorianos, como a Nova Inglaterra, nos Estados Unidos da América, e diversas partes do Brasil.

Brasil

É provável que o costume de festejar o Espírito Santo tenha chegado ao Brasil já nas primeiras décadas de colonização. Hoje, a Festa do Divino pode ser encontrada em praticamente todas as regiões do país, do Rio Grande do Sul ao Amapá, apresentando características distintas em cada local, mas mantendo em comum elementos como a pomba branca e a santa coroa, a coroação de imperadores e a distribuição de esmolas.

 

Autor: Roberto Brochado Abreu
Fonte: Casa da Memória de Vila Velha e Wikipédia, 2012

Editor Roberto Abreu

Rua do Sacramento

Rua do Sacramento

Contando-se a história de logradouros antigos de Vila Velha, conta-se a história do respectivo bairro, e assim por diante até chegar-se à história do Município a partir de seus moradores

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Grutas de Vila Velha

É bom frisar que gruta não chega ser uma caverna. Elas sempre provocam alguma curiosidade no ser humano. A gruta mais famosa de Vila Velha é a de Frei Pedro Palácios, na Prainha, junto ao portão antigo do Convento, que a utilizou a partir de 1558 quando aqui chegou, com a idade de cerca de 58 anos, um ancião para os padrões da época...

Ver Artigo
Capelão da Marinha

Neste ano em que a Marinha capixaba completa 60 anos (dezembro de 2010 ), vale a pena conhecer a biografia do Padre Monsenhor Herbert Victor Burns, que foi capelão da EAMES.

Ver Artigo
Apelidos em Vila Velha

Os canela verde não eram fáceis, impiedosos e colocavam facilmente apelidos. O rol foi elaborado por colaboradores da Casa da Memória de Vila Velha, em 1992 quando de sua inauguração, sendo que conheci alguns dos apelidados. Muitos já faleceram.

Ver Artigo
Ilha Maria Catoré

É uma ilha que fica em frente da EAMES – Escola de Aprendizes de Marinheiros do ES, na Prainha, desprovida de vegetação...

Ver Artigo
Arborização pública em Vila Velha

Para falar da arborização de Vila Velha, temos que observa diversas fases, como na maioria das cidades do Brasil...

Ver Artigo