Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Pedra da Ema – Por Maria Stella de Novaes

Pedra da Ema, em Burarama, no Município de Cachoeiro de Itapemirim

Segundo a lenda, — uma dessas que enchem de poesia os recantos do Espírito Santo, existe um sino de ouro, enterrado pelo escravo de certo fazendeiro, quando se iniciou o povoamento do Sul da Capitania. Está guardado pelos bons espíritos que, à meia-noite, se reúnem, à sombra de uma sapucaieira, em cuja base repousa uma pedra encantada. É o sinal indicado para a descoberta da preciosidade, perdida no decorrer do tempo. Conta-se mesmo que diversas escavações já foram empreendidas pelos crentes na fantástica história. Nenhum resultado positivo, entretanto, se registrou, até agora. Persiste, por isso, a lenda cujo valor é o orgulho que o povo do lugar concentra, na posse de tão original tesouro: — a Pedra da Ema, em Burarama, no Município de Cachoeiro de Itapemirim.

A Pedra da Ema é assim chamada porque, na sua crosta, existe uma parte, ou mancha, esbranquiçada que, em determinadas épocas do ano, parece retratar uma ave pernalta. Destaca-se, de junho a setembro, do meio-dia, — quando começa a transformação, em ave de bico erguido, patas e asas dispostas, para o vôo, — até às quinze horas, quando atinge o máximo de sua beleza e principia a esmaecer-se.

— Dizem que um fazendeiro participou das entradas para as minas de ouro, do Castelo, onde explorou o metal empregado na feitura do sino. Perseguido pelos índios furiosos, diante das atrocidades ali cometidas, desceu, acompanhado de um escravo esperto que, vendo-o cair, atravessado por uma flecha certeira, que veio de ponto incógnito, logo o enterrou, com o valioso objeto. Seria desenterrado o sino, para o repique, nas festas da Liberdade, esperada sempre, com veemência, pelos infelizes, subjugados à impiedade dos patrões.

Sepultado, antes mesmo de exalar o último suspiro, o fazendeiro reaparece, na forma de uma ave, porque sua alma, presa ainda à ambição do ouro, anseia alar-se para o Infinito.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Agroturismo Capixaba - Por Érika Almenara

Agroturismo Capixaba - Por Érika Almenara

Várias são as alternativas de hospedagem para aqueles que querem conhecer o agroturismo no Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Como São Pedro aprendeu a pescar – Por Maria Stella de Novaes

Contou-nos certo pescador da Praia do Suá que São Pedro e seus companheiros de ofício lutavam sempre com a falta de peixes

Ver Artigo
Frade e Freira – Por Maria Stella de Novaes

Frade e Freira é o conjunto de dois rochedos, que se defrontam, num mesmo alcantil, como se fossem esculturas planejadas, para a representação das figuras de um monge e uma devota, esta envolta num manto, em atitude contrita

Ver Artigo
Folclore, cinema e teatro - Por Luiz Buaiz com texto de Sandra Medeiros

O teatro que sucedeu o Melpômene foi o Carlos Gomes, inaugurado em 1927, seis anos depois do nascimento de Luiz Buaiz

Ver Artigo
Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo