Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Capa do Livro: Lendas Capixabas, 1968

Encontra-se a Pedra do Diabo, no lugar chamado Inhanguetá, na Estrada de Contorno, em Vitória. É uma dessas curiosidades observadas, em diversas rochas, no Brasil, distinguidas pela imaginação popular, que as relaciona com esta ou aquela passagem lendária.

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes. Originou-se, por isso, a lenda, igual a muitas outras, quanto ao poder de Santo Antônio sobre o príncipe das trevas. Vejamos:

— Pertencia o Sítio Inhanguetá a um avarento, convencido de que não precisava de Deus. Concentrava sua ambição, nos bens terrenos. Para que Deus? Ele, o fazendeiro, era um espírito forte! Ficassem as crendices, para as mulheres.

— Os pobres?

Que se arranjassem...

— Os escravos?

Ao mundo vieram, para trabalhar... E trabalhavam, mesmo, sem o menor conforto, sob o pavor dos castigos incríveis!

Igualmente, não satisfeito com as suas posses, o ambicioso avançava no que podia tomar dos vizinhos.

Perante essa mentalidade voltada somente para o dinheiro, mentalidade "pão-duro", como se diz, agora, foi-se divulgando logo a notícia de um contrato com o demônio.

Sim, o povo começou a temê-lo, como parceiro de Satanás. Dizia-se mesmo que ambos escondiam o dinheiro, sob uma pedra, que somente o demônio podia remover.

Chegou, porém, o dia da provação. Uma praga, nunca vista, começou a destruir as plantações. Tudo se foi acabando!...

— Castigo! — exclamavam os prejudicados, pelo avarento. — Ele não respeita nem os domingos! ...

Voltou-se o "pão-duro" para o amigo, — o seu amigo, o diabo, que lhe impôs o sacrifício do seu único filho, em recompensa à extinção do flagelo. Somente assim, poderia recuperar a fortuna.

Exausto de vagar pelas terras privadas de plantações e de ver dizimados os rebanhos, alucinado, inconsciente mesmo, o avarento aceitou a proposta de entregar o rapaz ao terrível sócio, numa sexta-feira, à meia-noite, sobre a misteriosa pedra, nas proximidades da casa grande. Insensível, porém, à grandeza do coração materno, relatou o projeto à esposa, que se apegou, logo, com Santo Antônio, certa do poder desse taumaturgo sobre o inimigo das almas. Recomendou-lhe a salvação do filho estremecido. Ambos, mãe e filho, confiaram-se à proteção do Santo que, na juventude, livrara-se da tentação infernal, traçando uma cruz, na pedra do Convento, onde morava.

No bolso do rapaz, foi posta uma estampa de Santo Antônio.

Na ignorância ou no desprezo dessa dupla invocação piedosa, no dia marcado, o fazendeiro convidou o filho para a excursão noturna e, na hora certa, — ao cantar do galo, — abandonou-o, sobre a rocha.

Fiel ao contrato, aparece o demônio, para arrastar o jovem à sua caldeira.

Mais poderoso, porém, atento à súplica do seu devoto, surge Santo Antônio. Risca uma cruz, na pedra, e impõe a retirada do diabo.

Ouve-se um estrondo, seguido de uma fumaça de enxofre. E, logo, ficaram, na laje, as marcas da Cruz, dos pés de Santo Antônio (a menor) e do demônio (a maior).

Sim, o príncipe das trevas não podia triunfar, num lugar batizado "Santo Antônio", desde a época do seu descobrimento. (13/6/1535)

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

A mula sem cabeça - Por Adelpho Monjardim

A mula sem cabeça - Por Adelpho Monjardim

Em luna, quando ainda se chamava Rio Pardo, lá existiu uma assombração que por muito tempo apavorou a Vila — uma mula-sem-cabeça

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

No trabalho intenso de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Ver Artigo
A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Ver Artigo
A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Ver Artigo
Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados

Ver Artigo