Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Pedra dos Sete Pecados – Por Maria Stella de Novaes

Corrente usada em escravos

Encontra-se em Iuna.

Dizem que as pessoas, em pecado, ficam presas, na fenda proveniente de um raio, enquanto as de alma pura atravessam-na incólumes.

Fendido, de alto a baixo, o monólito, como outras curiosidades, no Espírito Santo, tem sua lenda: — Certa vez, quando a região estava ainda coberta de mata virgem, desciam, de Minas, os Capitães-de-Entrada, seguidos de escravos, para a abertura de caminhos que permitissem o transporte de carnes, toicinho e outros produtos mineiros, para o litoral. Um avarento, dentre esses pioneiros, resolveu ocultar, na base da rocha, moedas de ouro, pepitas e algumas pedras preciosas; mas, receando que um escravo descobrisse o motivo do seu reiterado afastamento, sempre no mesmo ponto, meteu-lhe uma golilha e, numa corrente de alguns metros, o prendeu à cauda de sua montaria.

Acordado e exausto, porque o ferro não lhe permitia o repouso, à noite, o negro invoca a Santa Bárbara, que o socorresse, que o livrasse daquele senhor desumano. Era uma devoção divulgada, em Minas, desde que os lusitanos afluíram para a Zona do Casca, famosa como aurífera.

No tormento, o escravo rezava, confiante no poder de sua Protetora, quando se arma inesperada tormenta, ao passo que mão invisível lhe tira os ferros e o afasta do lugar. Súbito, um raio, caindo no rochedo, parte-o, de alto a baixo, e soterra a fortuna acumulada, na sua base!

Aturdido, o avarento corre, em busca do seu tesouro. Procura transpor a brecha, ainda ardente. E... desaparece, no abismo!...

Conserva-se, por isso, a lenda de que as pessoas, em pecado, jamais poderão atravessar a brecha singular.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2016

Folclore e Lendas Capixabas

A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo