Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Prainha do meu tempo – Por Seu Dedê

Prainha no tempo do Seu Dedê, anos 30

Não existia o uso do termo Prainha por quem residisse onde hoje diziam ser a Prainha. Quando se falava vamos à Prainha era para pescar, mariscar, tomar banho de mar, ir à casa de um dos moradores da orla ou simplesmente ver a chegada dos pescadores do alto mar com o pescado (papa-terra, garoupa, vermelho, catuá, guaibira, sarda, peroá, boca de velho, roncador, pargo etc).

Nas pedras, pescador dos pesqueiros Ucharia, Queixo de Burro, Caturé, Ilha da Forca, Melo e outros, conseguia fisgar algum burdião, batata, sargo de dente ou de beiço, samendoara, baiacau, pinta no cabo, piaba, agulha, caramuru e outros.

Quando chegava a noite, a prainha ficava iluminada aqui e ali pelos fachos acesos dos catadores de camarões nas algas verdes trazidas dos arrecifes à praia, pelas ondas da maré cheia.

As ondas da prainha, conhecidas como marolas, por serem muito pequenas, permitiam que até as crianças pudessem afundar suas mãos na areia do fundo à cata de burdigão.

Existiam dois cais, o dos Padres, nas Timbebas, e o das Pedrinhas ao pé do Morro do Cruzeiro, conhecido também como Pedra de Nossa Senhora. O Cais dos Padres data do tempo do primeiro donatário (Vasco Fernandes Coutinho), e nele funcionou a alfândega da Província. Foi de grande importância para a história de Vila Velha; ali desembarcaram os principais viajantes nacionais e estrangeiros dos séculos passados que estiveram em visita ao Convento da Penha. Dali partiu a primeira viagem da imagem da Virgem da Penha em visita à Vitória, em 1669, e a segunda, cem anos depois, na grande seca de 1769.

Presenciou o desembarque dos holandeses na Prainha, em 1653, na ocasião em que se deu o grande saque ao Convento da Penha.

Finalizando, ali aconteceu o início da Colonização do solo espírito-santense.

O Cais das Pedrinhas, também conhecido como Cais do Anselmo Cruz, mais tarde Cais de Dona Celeste, foi muito utilizado para o transporte de mercadorias de Vitória, para abastecer o comércio de Vila Velha. Era um dos pontos ideais para mergulho na maré cheia.

Os moradores da periferia, em relação ao Centro de Vila Velha, diziam: “Vamos lá embaixo? Tem festa lá embaixo!”. Lá em baixo se referia à Igreja do Rosário com suas praças, comércio e a enseada da Prainha.

Ao sair da beira mar, o pedestre vinha subindo até à Avenida Jerônimo Monteiro e, ao ultrapassar a linha de bonde, descia até a Toca dos Coelhos e daí em plano ia atravessando valões e alagados até alcançar o cômoro da praia de Itapõa ou Itaparica.

As famílias de maior recurso residiam no trecho compreendido entre a Prainha (centro) e a linha de bondes na Avenida Jerônimo Monteiro.

 

Nota: O autor era carinhosamente conhecido por Seu Dedê

 

Fonte: Memória do Menino... e de sua Vila Velha – Casa da Memória Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha-ES, 2014.
Autor: Edward Athayde D’ Alcântara
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2020

Vila Velha

O Porquê do livro - Memória do Menino... e de sua Vila Velha

O Porquê do livro - Memória do Menino... e de sua Vila Velha

Desde cedo me interessei por história. No primário, nosso querido professor Ernani Souza, diretor do Grupo Escolar Vasco Coutinho

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Prainha do meu tempo – Por Seu Dedê

Não existia o uso do termo Prainha por quem residisse onde hoje diziam ser a Prainha

Ver Artigo
Apicum do Poço - Edward Athayde D’Alcântara

De lagoa em lagoa a água foi se juntando até chegar a lagoa maior conhecida como Apicum do Poço, e principal braço (braço sul) do Rio da Costa

Ver Artigo
Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde funcionava 24h

Ver Artigo
Antônio Francisco Athayde – Por Seu Dedê

Doutor Antônio Francisco de Athayde foi prefeito de Vila Velha no período de 1918 a 1921

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo