Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A queda do Porto de São Mateus – Por Fernando Schwab Firme

Porto de São Mateus

O processo de deteriorização da área do Porto de São Mateus iniciou-se na década de 20, com o início da decadência do transporte fluvial, vindo a consolidar-se por volta de 1940, com a paralisação total da atividade econômica do porto. A partir de então, passa a se processar em ritmo acelerado a queda física de todo o casario que se caracterizara como estrutura suporte das atividades econômicas. Desaparece de vez o caráter integrado que faz com que uma cidade não seja apenas um aglomerado acidental de edifícios, mas um organismo multifuncional com lugar específico designado a cada função, segundo determinações sociais e culturais. Processa-se a desintegração pela perda da função.

O caminho que poderia conduzir à reabilitação da área passa justamente pelas pegadas deste processo degenerativo, no sentido inverso. Seria necessário descobrir novas funções para o porto, dentro do organismo que é a cidade para que a reintegração se processasse naturalmente.

As primeiras tentativas, nesse sentido, ligadas a iniciativas de estabelecimento de um programa estadual de restauração, partiram de um grupo de trabalho coordenado pela Prof. Maria Cecilia Nascif, que percorreu o Estado procurando catalogar e documentar todos os monumentos históricos de valor significativo para preservação. Na área de São Mateus foram localizadas casas e identificados seus proprietários para facilitar o posterior tombamento a nível estadual.

Tempos mais tarde, foi formado um convênio entre a Fundação Cultural e a Fundação Jones dos Santos Neves para elaboração de um projeto que culminaria com a restauração dos prédios e a reabilitação da área para a cidade.

Em meados de 1977, realizamos nossa 1ª visita a São Mateus e ao seu porto. Já então o estado dos prédios era desesperador, tratando-se na verdade de uma tarefa de reconstrução de quase ruínas. Por pouco desistimos da tarefa, tamanho o desânimo provocado por aquele monte perigoso de escombros, porém, o entusiasmo reinante em torno da "restauração" nos levantou o ânimo para tentar iniciar alguma ação prática.

Foi feita a restituição aerofotogramétrica da área na escala de 1/1000 para melhor determinação dos acessos existentes, dos centros de quadra que, tomados pelo matagal, impediam uma inspeção e medição eficientes para suprir a falta de planta cadastral, na época inexistente, e elemento importante como mapa básico de um zoneamento local. Ao mesmo tempo foram levantados os "Greides" das ruas incluídas na área do porto e medidas todas as "Testadas" dos prédios de interesse histórico para facilitar o posterior desenho das fachadas após levantamento detalhado. Planejou-se realizar o trabalho em duas etapas: numa 1ª etapa seriam Ievantados e desenhados todos os prédios e encaminhada uma proposta preliminar para utilização da área; numa 2ª etapa, definidas as novas funções dos prédios, seus usuários e os programas de adaptação, seriam executados os projetos construtivos.

Para implementação da 1ª etapa, partimos em missão individual e com uma cadeira desmontável, prancheta e blocos esboçamos durante dias os exteriores e interiores de todas as casas. Após isto feito, retificamos todos os desenhos em pranchetas, acrescentando linhas de cota em plantas e fachadas que serviriam para o preenchimento com as medições diretas a serem realizadas em seguida. Para executar esta tarefa, valemo-nos do entusiasmo dos alunos do Centro de Artes da UFES, freqüentadores e promotores anuais das semanas de arte na área do porto para conseguirmos formar 4 grupos de trabalho, os quais, com certo risco, mediram por dentro e por fora todos os prédios, completando a informação apenas visual fornecida pelos esboços.

Todos os prédios, após algumas visitas para esclarecer uma ou outra medição duvidosa, foram então desenhados na escala de 1/50, já então incluindo cortes longitudinais e transversais, constituindo-se este material no elemento base para a elaboração dos futuros projetos de adaptação dos casarões.

Na ocasião, apresentou-se uma proposta preliminar de utilização, motivada grandemente pela influência das semanas de arte e que propunha uma espécie de campus avançado para as artes, com atividades permanentes e um festival anual para maior divulgação do local e dos trabalhos ali realizados.

Já nesta fase, tornou-se impraticável o convênio, pois as verbas destinadas ao suporte das despesas de projeto nunca foram repassadas à FJSN, tornando muito oneroso o prosseguimento com recursos próprios. Mesmo assim, após contato com o CRUTAC/UFES, solicitando-se àquele centro sua contribuição nas definições de programas de projeto para adaptação dos prédios, obtivemos as coordenadas para o início dos estudos de um restaurante, alojamentos feminino e masculino, algumas oficinas de arte, um alojamento de professores e a residência do diretor do campus avançado.

Estudou-se a implantação de uma área preliminar, sem discussão ou compromisso, enquanto permanecia indefinida a questão dos recursos de projeto.

Na época, o grosso volume resultante do levantamento e proposta preliminar foi citado na imprensa como o Projeto de Reabilitação. Falou-se mesmo em datas de início de obras! E no entanto, nada era definitivo.

Ainda hoje, em 1979, ao ser assinado o contrato para obras de escoramento das ruínas, a notícia veiculada é a de que as obras de restauração foram contratadas.

Tal maneira de divulgar, seja a culpa da fonte ou do veículo de informação, desperta expectativas que ao serem frustradas desacreditam definitivamente os trabalhos e seus promotores.

A visita do Prof. Silva Telles, do IPHAN, interrompeu os estudos de adaptação de prédios para a CRUTAC, sob a justa alegação de que seria urgente promover o escoramento das casas ou não restaria nada para se restaurar. Porém, a burocracia exigia para a liberação das verbas de escoramento, uma medida expedita e de emergência, nada menos que um projeto. Tal projeto foi encaminhado e, após tramitação mais ou menos longa, resultou na liberação de verbas para escoramento após licitação pública.

Deve-se assinalar aqui, que entre a visita do Dr. Augusto Silva Telles e o estágio atual das coisas, onde se processa o trabalho de escoramento, recebeu o porto de São Mateus a visita de um perito da UNESCO, o Dr. Raul Pastranã, que após examinar a proposta e o local, fez críticas muito pertinentes e valiosas, que demonstram a importância da discussão das propostas antes de saudá-las como fato consumado.

Segundo o Dr. Pastranã, a proposta da FJSN seria basicamente centrada numa atividade externa à cidade de São Mateus, já que se apoiava nas semanas de arte e nos programas de treinamento do CRUTAC. Segundo seu ponto de vista, o caminho da reintegração da área do porto à cidade e à região deveria partir da análise da cidade, seu equipamento e estrutura de prestação de serviços, para, identificadas as carências e aspirações, utilizá-las na proposta de reconstrução do porto, atraindo assim a vida quotidiana da população para a área dos casarões.

Projetos não são problemas e sim a definição de sua utilidade e sua elaboração em resposta a uma demanda efetiva. Se não houver interessados, realmente, é inútil projetar, produzir papel. Não é suficiente clamar, esbravejar pelo descaso, é preciso colocar em contato os possíveis interessados com idéias de utilização para que se chegue a um compromisso, inclusive quanto à manutenção futura.

A medida que o tempo passa, deprecia-se o valor de uso dos imóveis como abrigo. Breve cairá a zero, tornando-se o custo do reparo igual ao da construção de prédios novos, em que pese seu valor cultural e histórico.

A solução desta questão, se não surgir de estudos como as recomendações da UNESCO, com discussões das propostas até o estabelecimento de sua forma definitiva e o compromisso das entidades e pessoas interessadas no uso dos imóveis, surgirá com a ação do tempo sobre aquelas empenas e paredes de pedra e cal. Breve não haverá mais sobre o que discutir, os levantamentos e as fotografias serão os documentos históricos de uma área urbana degenerada e sepultada no passado e este será o último degrau da queda.

 

Fonte: Revista da Fundação Jones dos Santos Neves, ano II – nº 4, outubro/dezembro de 1979, Vitória ES
Autor: Fernando Schwab Firme (Técnico da Fundação Jones dos Santos Neves)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2017

Portos do ES

Companhia Vale do Rio Doce S. A.

Companhia Vale do Rio Doce S. A.

A Companhia Vale do Rio Doce foi organizada pelo decreto-lei n.° 4.352, de 2 de junho de 1942  para resolver o problema da exportação do minério de ferro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo
A dupla do milagre - Christiano Dias e Arthur Gerhardt

Seja quem for o pai do Espírito Santo moderno, Arthur e Christiano formaram uma dupla de sucesso nos primeiros momentos da Revolução de 1964

Ver Artigo
Dos trilhos para o mundo (Tradução para o inglês)

A história da ferrovia Vitória à Minas já estava essencialmente atada a CVRD quando dos quadros da ferrovia ascendeu para a presidência da empresa o engenheiro Eliezer Batista

Ver Artigo
A queda do Porto de São Mateus – Por Fernando Schwab Firme

Projetos não são problemas e sim a definição de sua utilidade e sua elaboração em resposta a uma demanda efetiva

Ver Artigo