Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A República e o esforço pela expansão do ensino

Florentino Avidos criou a Escola Normal para formar professores

No Brasil, como no Espírito Santo, houve, na fase republicana, possibilidade do acesso da população à escolarização primária, ao contrário do que acontecia no período colonial e no imperial.

O processo de urbanização e de industrialização oferecia condições para o aparecimento de operários e funcionários que necessitavam dominar certos conhecimentos. Daí a necessidade de se abrir escolas destinadas a essa população. Existia também, entre os republicanos, o ideal da educação como forma de ascensão social do povo e da promoção do desenvolvimento da nação.

O cenário da educação mostrava um quadro de professores inabilitados para o magistério, faltando equipamentos e edifícios decentes para o funcionamento de escolas, remuneração adequada aos educadores, estímulo dos pais em colocarem seus filhos para estudar e ainda fiscalização dos estabelecimentos de ensino.

Em suas mensagens às Assembléias, os governadores relatavam as dificuldades em melhorar a educação, e faziam propostas de como melhorar a instrução. A necessidade de professores habilitados levou-os a investir nas escolas de formação, como a Escola Normal, e a possibilitar a abertura de outros estabelecimentos particulares de ensino normal, como o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora (Colégio do Carmo), na capital, e de colégios no interior do Estado.

Além da formação de professores, preocuparam-se com a construção e as reformas de escolas em todo o Estado. Procuraram melhorar as condições materiais, equipando essas escolas com mobiliário e material de apoio pedagógico. Por estar o ensino defasado, implantaram reformas educacionais como a efetuada pelo educador paulista Gomes Cardim, que foi convidado pelo governador Jerônimo Monteiro com essa finalidade.

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas. Além da possibilidade da matrícula, foram implementadas ações para garantir a freqüência dos estudante, reduzindo-se assim o elevado índice de evasão escolar que ocorria até então. Passou-se a fiscalizar a obrigatoriedade do ensino, além de se alterar o horário de aulas e o período de férias dos estudantes das zonas rurais, para garantir a permanência desses alunos em sala de aula.

Para auxiliar as crianças mais pobres na garantia de seu acesso à instrução, incentivou-se a criação das caixas escolares, que arrecadaram fundos para a compra de alimentos, uniformes e material escolar. Foram feitos também esforços junto aos governos municipais para que apoiassem a educação, conseguindo-se que muitas escolas fossem abertas com recursos dos cofres dos municípios. Apoiou-se a abertura de escolas particulares, através de subvenção.

Essas atitudes em conjunto possibilitaram um crescimento muito grande da escolarização entre crianças de 7 aos 12 anos.

Os dados na tabela, ao final do texto, dão uma visão do resultado desse trabalho.

Quanto ao ensino secundário e superior, não se obteve grandes avanços. Somente as famílias mais abastadas tinham condição de enviar seus filhos para cursar escolas superiores nas outras cidades.

 

Ano          N° de escolas    Matrícula      Freqüência

1908        124                     3.672            2.967

1911        190                     6.204            4.826

1920        289                     12.828          8.974

1925        455                     22.448          15.802

1929        1.001                  49.313          37.642

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 18/11/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes e Sebastião Pimentel
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

História do ES

A história do Jornal A GAZETA

A história do Jornal A GAZETA

Conheça a história do jornal A GAZETA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro, o presidente brilhante

Suas realizações modificaram as condições de vida dos habitantes de Vitória e deram ao Estado oportunidade de crescimento econômico

Ver Artigo
A produção do Café fez surgir um forte comércio no Estado

O desenvolvimento comercial do Espírito Santo na Primeira República está ligado à produção do café

Ver Artigo
Florentino Avidos faz governo de obras e prosperidade

No período de Florentino Avidos, o Estado se estabilizou economicamente e, com recursos da exportação do café e da madeira, muitas obras públicas foram realizadas. Ele construiu 29 pontes e 35 estradas

Ver Artigo
Indústrias, a engrenagem do progresso

A Usina de Açúcar de Paineiras tinha a tecnologia mais avançada do País. Em Vitória, foi implantada uma fábrica de tecidos, em Jucutuquara

Ver Artigo
O papel dos tropeiros

Foi principalmente graças à expansão da lavoura cafeeira e à necessidade de escoamento da produção que se impôs a utilização de tropas de burro para o transporte de café

Ver Artigo