Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A República

Brasão da República Federativa do Brasil

Data de 1887 o primeiro clube republicano na terra capixaba, devido à iniciativa de Bernardo Horta de Araújo, Antônio Gomes Aguirre e Joaquim Pires de Amorim - "os gigantes do pensamento republicano no Espírito Santo" - assim julgados juntamente com Afonso Cláudio.

A propaganda da nova idéia muito se beneficiou - aqui, como nas demais Províncias - com o despeito que a abolição da escravatura provocara entre os fazendeiros. Contando, portanto, com o apoio dos verdadeiros chefes das municipalidades - os proprietários rurais - foi fácil aos republicanos a pregação do seu evangelho e a formação de núcleos por todas as localidades da Província.

Aos dezesseis de setembro de 1888, reuniu-se, em Cachoeiro de Itapemirim, o primeiro Congresso Republicano Provincial do Espírito Santo, que indicou o nome de Bernardo Horta para candidato do Partido no pleito de trinta e um de agosto de 1889, do qual saiu eleito pelo segundo distrito.

À tarde de quinze de novembro de 1889, chegaram à Vitória as primeiras notícias do que se passava no Rio de Janeiro. No dia seguinte, Afonso Cláudio recebia do Governo Provisório a incumbência de administrar o Estado empossando-se a vinte de novembro no cargo de governador, perante a Câmara Municipal da capital.

Como no resto do Brasil, o povo não tomou parte nos acontecimentos. Assistiu àquilo "bestializado, atônito, sem conhecer o que significava". Como nas demais Províncias, aqui não houve reação alguma. Uma a uma, as câmaras municipais encaminharam ao novo governo seus protestos de adesão.

Nos primeiros momentos, houve, na capital, certa e natural confusão provocada pelos boatos. Disso se originou uma corrida de depositantes à Caixa Econômica, ao mesmo tempo que os habitantes das cercanias de Vitória se punham em guarda, na expectativa de atentados às suas pessoas e bens. Afonso Cláudio se apressou - logo no dia dezessete de novembro - a estampar na imprensa um comunicado que terminava com as seguintes palavras:

"Não há motivo para tamanho pânico: a guarnição da capital, enquanto estiver sob a responsabilidade dos briosos militares cujo patriotismo o país admira, é o mais seguro penhor de ordem que os cidadãos aqui residentes podem possuir e desejar".

O advento do novo regime foi festivamente recebido pelos republicanos de Cachoeiro de Itapemirim, que promoveram passeatas animadas pelos acordes da Marselhesa. À falta de bandeiras, os manifestantes conduziam estandartes vermelhos.

 

Fonte: História do Estado do ES, 1951
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo