Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A República

Brasão da República Federativa do Brasil

Data de 1887 o primeiro clube republicano na terra capixaba, devido à iniciativa de Bernardo Horta de Araújo, Antônio Gomes Aguirre e Joaquim Pires de Amorim - "os gigantes do pensamento republicano no Espírito Santo" - assim julgados juntamente com Afonso Cláudio.

A propaganda da nova idéia muito se beneficiou - aqui, como nas demais Províncias - com o despeito que a abolição da escravatura provocara entre os fazendeiros. Contando, portanto, com o apoio dos verdadeiros chefes das municipalidades - os proprietários rurais - foi fácil aos republicanos a pregação do seu evangelho e a formação de núcleos por todas as localidades da Província.

Aos dezesseis de setembro de 1888, reuniu-se, em Cachoeiro de Itapemirim, o primeiro Congresso Republicano Provincial do Espírito Santo, que indicou o nome de Bernardo Horta para candidato do Partido no pleito de trinta e um de agosto de 1889, do qual saiu eleito pelo segundo distrito.

À tarde de quinze de novembro de 1889, chegaram à Vitória as primeiras notícias do que se passava no Rio de Janeiro. No dia seguinte, Afonso Cláudio recebia do Governo Provisório a incumbência de administrar o Estado empossando-se a vinte de novembro no cargo de governador, perante a Câmara Municipal da capital.

Como no resto do Brasil, o povo não tomou parte nos acontecimentos. Assistiu àquilo "bestializado, atônito, sem conhecer o que significava". Como nas demais Províncias, aqui não houve reação alguma. Uma a uma, as câmaras municipais encaminharam ao novo governo seus protestos de adesão.

Nos primeiros momentos, houve, na capital, certa e natural confusão provocada pelos boatos. Disso se originou uma corrida de depositantes à Caixa Econômica, ao mesmo tempo que os habitantes das cercanias de Vitória se punham em guarda, na expectativa de atentados às suas pessoas e bens. Afonso Cláudio se apressou - logo no dia dezessete de novembro - a estampar na imprensa um comunicado que terminava com as seguintes palavras:

"Não há motivo para tamanho pânico: a guarnição da capital, enquanto estiver sob a responsabilidade dos briosos militares cujo patriotismo o país admira, é o mais seguro penhor de ordem que os cidadãos aqui residentes podem possuir e desejar".

O advento do novo regime foi festivamente recebido pelos republicanos de Cachoeiro de Itapemirim, que promoveram passeatas animadas pelos acordes da Marselhesa. À falta de bandeiras, os manifestantes conduziam estandartes vermelhos.

 

Fonte: História do Estado do ES, 1951
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

História do ES

Cine Juparanã

Cine Juparanã

Histórico: No dia 4 de janeiro de 1967, a cidade ganhava mais uma sala, localizado na Avenida Jerônimo Monteiro, onde hoje funciona banco Bradesco, o Cine Juparanã. Com 980 lugares que estavam distribuídos por dois andares, tinha na entrada um charme todo especial, o lustre Maria Tereza Goulart.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo