Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A revolta dos sargentos

Capa do Livro: Coleção Grandes Nomes do Espírito Santo - Antônio Gil Vellozo, 2013

Ainda em 1963, o deputado capixaba acabou tendo participação destacada num outro caso de repercussão nacional, que foi a revolta de 600 sargentos da Marinha e da Aeronáutica, em Brasília. Naquele ano, o Supremo Tribunal Federal havia decidido que os sargentos eleitos no pleito do ano anterior não poderiam tomar posse. A decisão provocou a rebelião dos sargentos das duas armas, dominada após a tomada de vários prédios públicos pelos rebeldes.

A rebelião deixou uma vítima fatal, que não tinha nada a ver com o movimento dos sargentos da Marinha e da Aeronáutica. Tratava-se de Francisco Antônio de Moraes, um motorista do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), que foi atingido involuntariamente por disparos dos sargentos revoltosos.

A revolta dos sargentos da Marinha e da Aeronáutica teve repercussão nacional, o que não ocorreu com a morte do infeliz motorista. Esta logo cairia no esquecimento, apagada pela sequência dos acontecimentos políticos e sociais que pipocavam no Brasil pré-golpe de 1964, não fosse a intervenção de Vellozo, que defendia um amparo oficial para a família do jovem.

Na tribuna da Câmara, o deputado capixaba assim descreveu Francisco: “[...] um pobre homem no início da sua vida, um rapaz novo ainda, que deixa mãe viúva no Estado do Rio, dependendo exclusivamente do seu ganha-pão em Brasília”. Foi aí que o caso passou a repercutir na Câmara, e o deputado aproveitou para solicitar à Mesa Diretora que apurasse a situação da família da vítima.

Vellozo continuou envolvendo-se com o caso e, seis dias depois, voltou à tribuna para anunciar ter solicitado informações ao Ministério da Marinha sobre as providências em favor da família do motorista. Ele dizia ser necessário que alguém fizesse alguma coisa e justificava essa necessidade de atenção à família: “[...] ainda não se ouviu, Sr. Presidente, nem através da imprensa, nem desta tribuna, uma palavra sequer, ao menos de piedade, por este pobre infeliz trucidado por sargentos sublevados da Marinha”.

 

Fonte: Coleção Grandes Nomes do Espírito Santo - Antônio Gil Vellozo, 2013
Texto: Roberto Moscozo
Coordenação: Antônio de Pádua Gurgel/ 27-9864-3566
Onde comprar o livro: Editora Pro Texto - E-mail: pro_texto@hotmail.com - fone: (27) 3225-9400

História do ES

Crise do café e política no governo de Henrique Coutinho, 1904-1908

Crise do café e política no governo de Henrique Coutinho, 1904-1908

De 1904-1908, o Estado foi presidido pelo coronel Henrique da Silva Coutinho, que, tão logo se viu no poder, rompeu com Muniz Freire

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O menino Gil Vellozo - Por Renato Pacheco

O dia 13 de fevereiro de 1930 amanheceu com sol forte, típico dia de verão. O adolescente Antônio Gil Vellozo, de 13 anos, acordou contente. É que o pai, o provecto professor Luiz Adolfo Thiers Vellozo...

Ver Artigo
Racionamento Militar - Gil Vellozo

Além da escassez de energia elétrica, após o golpe de 1964 a capital capixaba ainda era vítima de um hilário racionamento militar

Ver Artigo
Oposição a Lindenberg - Gil Vellozo

Quando falava sobre o prefeito de Vila Velha, Tuffy Nader, não perdia oportunidade de mencionar o quanto Carlos Lindenberg estava sendo ingrato com o colega de partido

Ver Artigo
Decepção com o golpe - Gil Vellozo

Antes de ter um mandato, Gil Vellozo difundia seu pensamento político em diversos jornais, inclusive O Continente, editado por ele em Vila Velha

Ver Artigo
Gil Vellozo - Início da militância política

Quando o regime militar de 1964 extinguiu os partidos, Gil Vellozo era o presidente estadual da UDN

Ver Artigo
Gil Vellozo - Jornalista aos 14 anos

"Quantas vezes o encontrei sobraçando pesados pacotes de O Continente para entregá-los nas bancas de jornal. Trabalho hercúleo de um idealista incomparável. Milagre de fé e de esperança em dias melhores. Mas até hoje ninguém conseguiu entender como Gil Vellozo, em sua extrema pobreza, conseguia manter em circulação O Continente " 

Ver Artigo
O Caminhão na Curva

Segundo o jornal O Diário, de 1º de março de 1966, o avião pousou em Vitória “em meio à comoção coletiva do grande número de pessoas e autoridades que desde as 11 horas aguardavam o momento de tributar as suas últimas homenagens ao parlamentar”

Ver Artigo
Vereador e Prefeito – Gil Vellozo

Para materializar as obras que pretendia realizar, Vellozo criou a Divisão de Engenharia e Serviços Públicos órgão técnico encarregado do planejamento e desenvolvimento urbano

Ver Artigo
Gil Vellozo - Prefeito de Vila Velha

Antônio Gil Vellozo foi Prefeito Municipal de Vila Velha, eleito para o mandato de 1955 até 1959, e foi um dos poucos que deixou relatório de atividades

Ver Artigo