Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Igreja do Queimado

Conhecida de todos os capixabas e registrada, nas páginas da História, a Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX. Descreveram-na penas eruditas. Falta-lhe apenas a contribuição de um poeta que, no fulgor de um poema, fixasse a culminância do sofrimento daqueles infelizes, castigados pelo crime de almejarem a liberdade! Elisiário, o cabeça, jaz no esquecimento, ainda, quando sua figura constitui, sem dúvida, motivo de pesquisa histórica e sociológica.

Perpetuou-se, nas lendas, surgidas, nos comentários do povo, em torno da referida revolta, de 1849. Uma relaciona-se com a fuga misteriosa, da cadeia, em Vitória; outra, com a morte, nas brenhas serranas ou mateenses. Desta, vamos tratar:

— Conseguindo fugir da prisão, na Capital, o Caudilho Negro, — no dizer do Sr. Dr. José Paulino Alves Júnior, — meteu-se nas matas da Serra, varou capoeiras, penetrou na selva do Queimado, errou... errou, perseguido sempre, dos capitães-do-mato.

Uma caçada humana impiedosa, selvagem!

Elisiário, porém, antepunha as privações da solidão, à morte, nas mãos dos seus algozes, estribados na Justiça. Comendo frutos agrestes ou recebendo, furtivamente, uma ração partilhada pelos seus companheiros mais afortunados, o escravo sentia o esgotamento das próprias forças e, entre horrorizado e esperançoso, — a aproximação lenta e fatal da morte. Aturdido, porque avaliava o abandono do seu corpo às feras e às aves necrófagas, sem ao menos expirar, recebendo um beijo da esposa e a prece de um crente! Teria apenas o repouso, no tapete úmido e ralo de musgo, sob a ramagem densa da floresta. Esperançoso de receber, afinal, o conforto da Paz, no seio de Deus!

Assim, desapareceu Elisiário!...

Não festejaram os brancos, — os senhores, — a glória de enfrentar o "negro fugido". Trucidá-lo!

Jamais lhe encontraram o corpo.

Resta somente aos seus perseguidores o perpetuar da sua memória, numa lenda: — Contam os antigos a aparição de um vulto, semelhante a uma árvore, árvore enorme e negra, nas matas do Queimado. Parecia assinalar a sepultura de Elisiário, cavada pelos seus companheiros, errantes, na mata. Parecia cabiúna. Temiam todos que os machados e as serras a atingissem. Desaparecia, misteriosamente, quando um corajoso se lhe aproximava, sem contudo conseguir localizá-la.

O avanço das gerações posteriores à Abolição, alheias ao fantasma de Elisiário, foi devastando as matas do Espírito Santo. O Queimado entrou em decadência. Ninguém mais cogitou de averiguar a existência da árvore lendária. O certo é que, tolhido na realização do seu ideal de conseguir a liberdade, na Terra, o Caudilho Negro libertara-se, para a vastidão eterna do Além!

Encontrou, certamente, a Santa Rainha!

(Dos jornais da Biblioteca do Espírito Santo.)

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Figuras Populares - Por Maria Stella de Novaes

Figuras Populares - Por Maria Stella de Novaes

Sinhá Honorina era uma baiana, residente para os lados do Suá. Ali, fundou sua macumba, onde se reuniam pessoas de todas as classes sociais. Sinhá Honorina arranjava casamentos e realizava todos os “milagres” do seu ofício. Um dia, em 1923 ou 24, o delegado...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

No trabalho intenso de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Ver Artigo
A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Ver Artigo
Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados

Ver Artigo