Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

Pintura de Hans Nobauer - Ilha de Vitória no início do século XX

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada. Sua condição geofísica era um convite auspicioso aos atribulados e perseguidos colonos. Mudam suas famílias tranquilamente, para a ilha que lhes oferece guarida estratégica. Em 1549, como atestam os cronistas, se acham na antiga propriedade de Duarte de Lemos, que ligou seu nome, por muito tempo, ao acidente geográfico. É muito controvertida a data da mudança da sede do governo da Capitania, mas nenhuma dúvida existe quanto à ocupação dela pelos colonos antes de 1550. Misael Pena diz que a povoação foi fundada em 1550; Basílio Daemon, sem que ofereça testemunho incontestável, registra que a mudança se fez em 1551 e a 8 de setembro desse ano, após derrota definitiva infligida aos indígenas, foi dado o nome de Vila da Vitória ao povoado. Essa é a tradição secular entre os capixabas, embora não se encontre documento insofismável. Mário Freire não se preocupa com o tema. Cita documento da irmandade da Misericórdia, no qual se historia o nascimento da Vila de N. S. da Vitória, na pequena elevação onde se situa o palácio governamental. Não menciona datas.

Na documentação estudada por José teixeira de Oliveira, toma-se conhecimento da provisão passada por Antônio Cardoso de Barros, provedor-mor da Fazenda de El-Rei, datada de 3 de março de 1550, da "Villa de Vitória, Província do Espírito Santo, Capitania de Vasco Fernandes Coutinho". O governador Jones Santos Neves comemorou, festivamente, o quarto centenário da fundação da cidade em 8 de setembro de 1551.

Provavelmente deve ter havido na ilha, além da capelinha de Santa Luzia, construída por Duarte de lemos, oratório de sua fazenda, outra mais modesta com a invocação de Nossa Senhora das Vitórias. Com a derrota inflingida aos atacantes em 8 de setembro, dia dedicado à SS. Virgem, o povo passou a chamar a Vila Nova de "Vila da Vitória". Foi, pois, em 8 de setembro o batismo oficial da cidade nascente.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Região situada entre a Vila de Almeida e o Rio Doce - Por Saint-Hilaire

A Região situada entre a Vila de Almeida e o Rio Doce - Por Saint-Hilaire

Saindo de Vila Nova, atravessei o Rio dos Reis Magos numa piroga que o capitão-mor havia requisitado e que pertencia aos índios

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O ES em meados do século XVIII

Seria o caso de se perguntar – em que estágio de civilização vivia o homem, neste pedaço de Brasil, em meados do século XVIII?

Ver Artigo
Estende-se a jurisdição da ouvidoria

Pelos fins de 1743, o ouvidor Ferreira de Veras, acompanhado de outras autoridades, piloto e gente do povo, demarcou as terras que, pelo ato instituidor da ouvidoria, passaram à jurisdição do foro capixaba

Ver Artigo
Revolta dos índios de Iriritiba – Aldeia de Orobó

Consequência dessas lutas foi a fundação da aldeia de Orobó, “nas cabeceiras do rio Reritigba, a três léguas do mar"

Ver Artigo
Minas do Castelo

Ao se iniciar a segunda metade do século XVIII, o ouvidor do Espírito Santo estabeleceu as minas do Castelo

Ver Artigo
Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Ver Artigo