Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

Pintura de Hans Nobauer - Ilha de Vitória no início do século XX

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada. Sua condição geofísica era um convite auspicioso aos atribulados e perseguidos colonos. Mudam suas famílias tranquilamente, para a ilha que lhes oferece guarida estratégica. Em 1549, como atestam os cronistas, se acham na antiga propriedade de Duarte de Lemos, que ligou seu nome, por muito tempo, ao acidente geográfico. É muito controvertida a data da mudança da sede do governo da Capitania, mas nenhuma dúvida existe quanto à ocupação dela pelos colonos antes de 1550. Misael Pena diz que a povoação foi fundada em 1550; Basílio Daemon, sem que ofereça testemunho incontestável, registra que a mudança se fez em 1551 e a 8 de setembro desse ano, após derrota definitiva infligida aos indígenas, foi dado o nome de Vila da Vitória ao povoado. Essa é a tradição secular entre os capixabas, embora não se encontre documento insofismável. Mário Freire não se preocupa com o tema. Cita documento da irmandade da Misericórdia, no qual se historia o nascimento da Vila de N. S. da Vitória, na pequena elevação onde se situa o palácio governamental. Não menciona datas.

Na documentação estudada por José teixeira de Oliveira, toma-se conhecimento da provisão passada por Antônio Cardoso de Barros, provedor-mor da Fazenda de El-Rei, datada de 3 de março de 1550, da "Villa de Vitória, Província do Espírito Santo, Capitania de Vasco Fernandes Coutinho". O governador Jones Santos Neves comemorou, festivamente, o quarto centenário da fundação da cidade em 8 de setembro de 1551.

Provavelmente deve ter havido na ilha, além da capelinha de Santa Luzia, construída por Duarte de lemos, oratório de sua fazenda, outra mais modesta com a invocação de Nossa Senhora das Vitórias. Com a derrota inflingida aos atacantes em 8 de setembro, dia dedicado à SS. Virgem, o povo passou a chamar a Vila Nova de "Vila da Vitória". Foi, pois, em 8 de setembro o batismo oficial da cidade nascente.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Entre os jesuítas que atuaram no Espírito Santo, destacaram-se Brás Lourenço, Diogo Jácome, Pedro Gonçalves e Manuel de Paiva, além do Padre José de Anchieta 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Opinam os jesuítas sobre a Capitania do ES

“Esta Capitania se tem por a milhor cousa do Brasil depois do Rio de Janeiro”, opinava o padre Nóbrega em 1560

Ver Artigo
Providências de Mem de Sá após a morte de Vasco Coutinho

Aos dezesseis de outubro, informado da morte de Vasco Coutinho, o governador geral expediu o mandado às principais autoridades da capitania

Ver Artigo
França Antártica – Mem de Sá e Guanabara

Notícias levadas a Mem de Sá, por intermédio de alguém que esteve no Espírito Santo, davam conta dos franceses que se haviam estabelecido na Guanabara

Ver Artigo
Os pioneiros: Degredados

Exceto dois funcionários públicos – um escrivão e um almoxarife -, todos eram degredados. Ou seja, nossos “pioneiros” eram criminosos que foram banidos, desterrados de Portugal para cumprir suas penas de prisão perpétua na colônia

Ver Artigo
O plano português para colonização das terras doadas - Sesmarias

A 28 de fevereiro de 1532, D. João III, por carta, cientificou a Martim Afonso de Souza a resolução que tomara de dividir o litoral do Brasil, de Pernambuco ao Rio da Prata, com o fim de formar capitanias com cinqüenta léguas da costa

Ver Artigo