Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Voz do Gigante – Por Maria Stella de Novaes

Fazenda Monte Líbano - Foto: Euthychio dOlivier, 1908 - Fonte: José Luiz Pizzol no FB

Recolhemos esta lenda, em nossa infância, quando, na Fazenda Monte-Líbano, em Cachoeiro de Itapemirim, íamos, à tarde, passear, no Caminho-da-Roça, estrada de acesso à colônia italiana, encarregada de cultivar os cafezais, após a Abolição.

Era maravilhoso o panorama que se nos deparava: — desfiladeiros escuros, tomados ainda pela mata virgem, entre montanhas em cujas escarpas se ostentavam os alinhados cafezais promissores de farta colheita. — "No fundo, — dizia-nos a senhora acompanhante, — estão os sacis, que, à noite, vêm guardar as estradas". (O "fundo" eram os desfiladeiros).

Entre essa verdura de serranias, destacava-se um cabeço inacessível, em virtude das lajes que o revestiam. Era o "Morro-do-Gigante", conforme nossa guardiã. Morava ali, enclausurado, um poderoso gigante, personagem fabulosa, que destruiria todo o trabalho humano, caso a terra tremesse, porque as lajes, desprendidas, o libertariam. Deus o havia segregado, providencialmente, para que o homem pudesse viver e prosperar, naquela região bela e fértil. O gigante, porém, respondia, só duas vezes, ao que lhe gritavam.

Então, as crianças "faziam canudo", com as mãos, e experimentavam:

— Oh!...

O eco repetia: — Oh!... Oh!...

— Vamos!...

— Vamos! Vamos!...

O gigante continua enclausurado, nas lajes das escarpas, no Monte Líbano.

Representa, decerto, esta lenda, o avanço da civilização, através da História. Os seres fantásticos, na imaginação popular, vão-se afastando, à medida que o homem desbrava a terra, para cultivá-la, estabelecer sua residência, abrir novos rumos à vida.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2016

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo