Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Abolição da escravatura no ES

Afonso Cláudio de Freitas Rosa, um dos grandes abolicionistas do estado

Já em 1869 a província possuía seu primeiro grêmio emancipador – a Sociedade Abolicionista da Escravatura do Espírito Santo, instalada em Vitória a dezessete de outubro daquele milésimo.(1) De igual ano, a lei provincial número vinte e cinco autorizava a presidência a empregar seis contos de réis, por exercício, na alforria de escravos de cinco a dez anos de idade.

A elite intelectual deu o melhor de seu entusiasmo à campanha redentora. Assim é que foram grandes propagandistas: em Vitória – Afonso Cláudio, Cândido Costa, Aleixo Neto, Aristides Freire, Lima Escobar, Ovídio dos Santos, Cleto Nunes, Urbano de Vasconcelos, Joaquim Aires, José Cândido, Pedro Lírio, Lídio Mululo, Amâncio Pereira, Antônio Aguirre, Tibúrcio de Oliveira, Paulo Morais; no norte – Souza Lé e Vicente Lopes; no sul – Gil Goulart, Leopoldo Cunha, Costa Pereira.(2) Numerosas associações,(3) a que estavam vinculados esses batalhadores, coordenavam as iniciativas, promoviam reuniões públicas, angariavam fundos,(4) agitavam a questão.

A província inteira festejou a Lei Áurea e o fez de maneira excepcional. “Parecia um frenesi de que o povo tinha sido acometido, tal foi o entusiasmo”, comentava o Espírito-Santense,(5) registrando as comemorações em Vitória.

Embora muito aquém de Minas Gerais, Rio de Janeiro e S. Paulo, o Espírito Santo formava entre as unidades do Império que mais escravos possuíam à data da abolição: 13.403, dos quais, no município de Cachoeiro de Itapemirim, 6.965.(6)

 

NOTAS

(1) - Primeiros estatutos e ata lavrada na sessão de instalação, in Homens e Cousas Espírito-Santenses, de AMÂNCIO PEREIRA.

(2) - FRANCISCO ATAÍDE, Breve Notícia, 17.

(3) - Em Vitória, destacaram-se: a Sociedade Libertadora Domingos Martins, o Clube Abolicionista João Clímaco, a Sociedade Libertadora S. Benedito do Rosário, a Sociedade Beneficente Libertadora Rosariense, a Emancipadora Primeiro de Janeiro.

(4) - Na tarefa imediata de agenciar donativos, até o presidente Francisco Ferreira Correia colaborou, nomeando, a vinte e um de março de 1872, para os diversos municípios, comissões de cinco membros encarregadas de angariar fundos destinados às manumissões (PEREIRA, Homens, 126).

(5) - Edição de dezesseis de maio de 1888, em que vêm noticiadas as passeatas, marches aux flambeaux, Te-Deums realizados em Vitória.

– A Província do Espírito Santo, de vinte de maio de 1888, dizia, referindo-se à superabundância de oradores: “De cada canto surgiu um Demóstenes; os Cíceros andaram em catadupa pelas ruas.”

– Durante toda uma quinzena a Capital esteve entregue às celebrações do treze de maio, das quais participaram os ex-escravos que, em grupos, abandonaram as fazendas de seu cativeiro.

(6) - TAUNAY, Hist. Café, VII, 449; SILVEIRA, Almanaque de 1889, 219.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, outubro/2017

História do ES

Panorama da cultura capixaba

Panorama da cultura capixaba

O historiador Renato Pacheco explica que o Estado passou 350 anos fechado a qualquer tipo de progresso

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1874 – Por Basílio Daemon

Foi mandado concluir a capela católica da Imperial Colônia do Rio Novo, sob as vistas e direção do engenheiro Joaquim Adolfo Pinto Paca

Ver Artigo
Ano de 1872 – Por Basílio Daemon

A instalação da Loja União e Progresso se deu em 1872 no pavimento térreo do sobrado à rua São Diogo - 29, localizada atrás da Catedral

Ver Artigo
Ano de 1873 – Por Basílio Daemon

Chega neste ano a galera Adolph, capitão Hupfer, procedente de Hamburgo, conduzindo a seu bordo 413 colonos pomeranos, sendo 218 homens e 195 mulheres

Ver Artigo
Ano de 1870 – Por Basílio Daemon

Em 1870 o governo geral, por aviso de 23 de abril deste ano, mandado construir um farol na barra desta capital a bem de servir aos navegantes

Ver Artigo
Ano de 1871 – Por Basílio Daemon

Falece no Convento do Carmo, frei Antônio de Nossa Senhora das Neves, prior do mesmo convento, cargo que ocupava desde 1853

Ver Artigo