Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ainda a cidade que Jerônimo Monteiro encontrou

Rua do Comércio, 1909 - Ao fundo a Casa da Misericórdia

A cidade não se modificara na sua estrutura colonial. Não havia edifícios públicos, que correspondessem à necessidade funcional da administração. A Rua Duque de Caxias, em decadência acelerada, após sua primazia comercial, no Meio Império, adquiria má fama. A cadeia pública, num sobradão, descendo para a Rua do Sacramento, abrigava vozeiro tremendo, até que, numa tarde trágica, os detentos emudeceram para sempre em cruel condenação à morte, que o fogo lhes decretara.(16)

O desconforto atingia os viajantes em cheio. Hotéis péssimos, com cubículos de duas a quatro camas, sem armários. (17) Os "cometas" se dividiam pelos hotéis "d'Europe", antigo, ainda no mesmo local de hoje, e "Internacional" (18) na Rua do Comércio, de José Bento — onde a mesa era reputada. As casas "Verde" e Viana Leal hospedavam os respectivos fregueses, vindos do interior.

Rocco Ferrer, em sua casa de pasto, dava suculentos jantares de cardápio italiano, na Praça Costa Pereira, esquina da S. Manuel.

Não há carestia de vida. Come-se esplêndido peixe, de preço que não ultrapassa a quinhentos réis o quilo. Verduras discretas. Carne verde de animais abatidos em Sto. Antônio, no matadouro, que hoje é Grupo Escolar. A limpeza das ruas era sintoma de política ou festa religiosa. Não há mais iluminação à noite. Alguns lampiões a querosene, nas esquinas, mantidos pelos interessados. Escolas insuficientes, porém, de professares famosos: Amâncio Pereira, Lélis Horta, Nunes, Olga Coutinho, Adelina Mululo, Teresa Calazans, Corina Sales e a Paroquial.

Aristides Freire tem colégio particular de alunos escolhidos. O Cel. Andrade Silva leciona Matemática. Carlos Mendes ensina todos as matérias do curso de preparatórios ao Ginásio.

A Escola Normal decai. O porto está sempre em estudos. As repartições do fisco federal mal acomodadas.

Só anos mais tarde Jugurta Couto (19) obteria recursos para reconstruir a Delegacia Fiscal.

Recordações acres de uma cidade ironicamente gostosa...

 

NOTAS

(16) Deveriá ter ocorrido esse incêndio em 1916. Toda a população atendeu ao rebate da Matriz, mas a falta d'água e a incúria dos carcereiros ocasionaram a morte de muitos detentos, presos às grades dos cubículos.

(17) Foi sempre sentida lacuna a falta de hotéis, mesmo modestos, em Vitória.

(18) Desaparecido.

(19) Delegado Fiscal por muitos anos. Homem de sociedade, grande animador dos esportes e do Clube Vitória.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2016

História do ES

Cine Eden

Cine Eden

O primeiro cinema que se tem registro em Vitória foi o Éden Cinema, da companhia Camões e Mayo, inaugurado em 13 de janeiro de 1907. O local era todo de madeira e coberto de folha de zinco com capacidade para 150 pessoas

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Ensino – Presidente Jerônimo Monteiro

Que era o ensino no Espírito Santo, até 1908? Um mito e, para as famílias abastadas, em pequeno número por sinal, um privilégio

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Os Primeiros Passos

Jerônimo Monteiro foi um predestinado. Surgiu no horizonte governamental na hora justa de sua maior dificuldade histórica 

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo
Então Vitória era assim (1908-1912) – Era Jerônimo

Um bonde a tração animal trafegava pela cidade baixa, de Vila Rubim ao Forte São João, passando pelo Largo da Conceição, Ruas do Rosário, Cristóvão Colombo e Barão de Monjardim

Ver Artigo
A Igreja de Santiago – Governo Jerônimo Monteiro

A reforma administrativa do Estado, operada por Jerônimo Monteiro, exigiu mais espaço para as repartições públicas

Ver Artigo
Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo