Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Anchieta, Cultura e Santidade

O pavilhão jesuíta em uma caravela ilustra o novo modo de fazer missão desses padres, que surgiram com a tarefa de combater as idéias de Lutero

Ele veio para o Brasil com 19 anos, na companhia do segundo governador-geral, Duarte da Costa

Em 1553, com o segundo governador-geral, Dom Duarte da Costa, chegaram ao Brasil mais sete jesuítas, três padres e quatro irmãos, sob a chefia: Luis da Grã.

Nesse grupo vinha José de Anchieta, que teria participação destacada não apenas na obra catequética, mas na própria colonização do Brasil. E teria, também, especial destaque na história do Espírito Santo.

A idéia dos jesuítas, então sob a chefia do Padre Manuel da Nóbrega, era fazer sua obra catequética chegar até o Paraguai. Para isso, era necessário estabelecer uma base, de onde partissem as expedições missionárias. Foi, então, construído abrigo nos campos de Piratininga. Para a edificação desse abrigo contaram com a grande ajuda de João Ramalho, náufrago português que morava na região e era casado com a filha do chefe Tibiriçá — a índia Bartira.

José de Anchieta foi chamado pelo Padre Manuel da Nóbrega a participar desse empreendimento. Tão logo chegou a Piratininga, Anchieta reiniciou seus trabalhos de catequese. E, junto a outros jesuítas, fundou a cidade de São Paulo. Em 25 de janeiro de 1554, celebrou-se a primeira missa no planalto. Como se comemorava, naquele dia, a conversão do Apóstolo São Paulo, o novo estabelecimento foi a ele dedicado.

Ensinando às crianças índias os princípios da fé cristã, o Padre Anchieta e seus companheiros sentiam que estavam no caminho certo para a expansão da conversão do restante das tribos.

Em constante contato com os índios, José de Anchieta aprendeu a língua tupi. Foi dessa maneira que escreveu, mais tarde, a Gramática da Língua Mais Falada na Costa do Brasil, cartilha de grande utilidade a todas as missões jesuíticas da Colônia portuguesa.

Outro fato da maior relevância foi a participação dos jesuítas no episódio que ficou conhecido como a Confederação dos Tamoios. A aliança dos Tamoios aos invasores franceses na Guanabara era uma grande preocupação dos portugueses, que previam, nessa parceria, sérias ameaças. A participação dos jesuítas no conflito foi decisiva. Nóbrega e Anchieta atuaram como verdadeiros emissários de paz. Durante esse episódio, Anchieta foi preso e ficou como refém na aldeia indígena. Foi quando ele escreveu, na areia, em latim, seus famosos versos dedicados à Virgem: Da Virgem Santa Maria Mãe de Deus. Logo que o conflito foi debelado, com a assinatura de um armistício, o Padre Anchieta voltou ao Colégio de São Vicente, onde escreveu seus versos no papel. Eram, ao todo, 4.172.

Assim começa o seu poema épico, O Poema da Virgem:

Eis os versos que outrora, oh Mãe Santíssima,

te prometi em voto,

vendo-me cercado de feros inimigos,

desarmado e único entre eles.

Enquanto a minha presença

ameaçava os Tamoios conjurados

e os levava com jeito

à suspirada paz,

Tua graça me acolheu

em Teu colo materno

e Teu poder me protegeu intato

corpo e alma.

As inspirações do céu,

eu, muitas vezes, desejei penar

cruelmente expirar em duros ferros

mas sofreram repulsa os meus desejos

só a heróis

compete tanta glória!"

José de Anchieta nasceu na Ilha de Tenerife, do arquipélago espanhol das Canárias, em março de 1534. Muito cedo, aos 14 anos, foi enviado por seu pai a Portugal para cursar as aulas da Universidade de Coimbra.

Seus primeiros estudos foram realizados na sua terra natal, São Cristóvão da Laguna. Desde menino se interessara pelos livros e pela literatura. Compunha versos e recitava. Em Coimbra, logo se destacou como aluno aplicado e conquistou a admiração de mestres e colegas.

Conheceu alunos jesuítas e se interessou pelos princípios da ordem religiosa que fora fundada por um seu parente, o Padre Inácio de Loyola. Empolgado com os ideais missionários da Companhia de Jesus, em maio de 1551 integrou-se como um dos seus membros. Continuava seus estudos de Filosofia na Universidade.

Por esse tempo, contraiu séria enfermidade que lhe deixou marcas para o resto da vida. O deslocamento de uma vértebra, na coluna, trazia-lhe muitas dores e seus ombros se arquearam, o que lhe dava uma aparência de grande debilidade.

Com o tempo, as dores se agravaram e ele andava vacilante, quase se arrastando. O Padre Miguel Torres, seu superior, percebeu o drama do estudante. Dentro da precariedade dos conhecimentos médicos da época, chegaram à conclusão de que os ares do Brasil fariam bem ao jovem. José de Anchieta exultou com a idéia. Chegou a dizer que era um Deus.

Foi uma viagem longa, mas revestida de sonhos e esperanças. O jovem sentiu-se melhor, as dores foram suavizadas.

Chegou ao Brasil com fé redobrada, disposta a enfrentar o desafio de um campo imensurável para a catequese dos índios e para a renovação da fé que fugia aos colonos brancos.

O grupo de viajantes chegou primeiramente à Bahia, onde o novo missionário permaneceu por três meses, já em ativos trabalhos de ensinamentos aos nativos.

Depois foi chamado a participar dos novos empreendimentos, em São Vicente, sob a direção do jesuíta Manuel de Nóbrega.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 19/08/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

História do ES

Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

Os topônimos indígenas que identificam os nomes de rios, montanhas, serras, povoados e cidades no ES

Ver Artigo
A Igreja de São Tiago e a lenda do tesouro dos Jesuítas

Um edifício como o Palácio Anchieta devia apresentar-se cheio de lendas, com os fantasmas dos jesuítas passeando à meia-noite pelos corredores

Ver Artigo
As aldeias e os jesuítas no ES – Por Celso Perota

Um tema que está para ser estudado com maior profundidade é a atuação dos jesuítas na Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Ver Artigo
O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé

Ver Artigo
José de Anchieta e o Espírito Santo

O jesuíta visitou mais de uma vez o Espírito Santo quando em trabalho de inspeção aos colégios dos padres e seminários de instrução

Ver Artigo
Capitania melhora com a vinda de missionários

Primeiro foi Frei Pedro Palácios, franciscano. Depois vieram os padres jesuítas, o rei pediu sua ajuda para civilizar colonos e índios no Brasil

Ver Artigo
Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Entre os jesuítas que atuaram no Espírito Santo, destacaram-se Brás Lourenço, Diogo Jácome, Pedro Gonçalves e Manuel de Paiva, além do Padre José de Anchieta 

Ver Artigo
Jesuítas fundam o primeiro colégio

Afonso Brás foi assim o fundador do primeiro colégio da Capitania do Espírito Santo e também o primeiro professor de letras

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo
Os vários grupos de índios – Por Celso Perota

Habitaram a área do atual Estado do Espírito Santo representantes de dois troncos lingüísticos: o tupi-guarani e o jê

Ver Artigo