Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1836 – Por Basílio Daemon

Porto de São Mateus já em decadência, anos 1960 (Jeep na foto) - Acervo Maciel Aguiar

1836. São feitas no mês de fevereiro deste ano as divisas da cidade de São Mateus, de conformidade com a resolução de 1º de fevereiro490 e em cumprimento às determinações de 1832 feitas pelo Conselho do Governo.

Idem. É criada pela lei provincial nº 5, datada de 23 de fevereiro, a Tesouraria Provincial, hoje Tesouro.491

Idem. É neste ano barbaramente assassinada na vila de Guarapari a fazendeira D. Isabel Angélica de Lírio, de que resultou um grande processo em que foram envolvidas muitas pessoas gradas daquela vila.

Idem. Por decreto de 9 de junho deste ano é nomeado o 1º juiz de direito da comarca de Itapemirim, bacharel José Florêncio de Araújo Soares, que prestou juramento e entrou em exercício a 12 de setembro do mesmo ano.

Idem. É levantada uma planta pelo engenheiro Henry Humphrens,492 para demonstração à Companhia Inglesa que se formava para a navegação do rio Doce.

Idem. Assume a 23 de setembro deste ano a administração o 1º vice-presidente padre Manoel da Assunção Pereira,493 por ter sido exonerado o presidente bacharel Joaquim José de Oliveira. Este sacerdote possuía talento e foi considerado filósofo consumado, e do qual se contam fatos importantes de sua vida pública e particular.

Idem. É nomeado pela Regência em nome do imperador, por carta de 3 de outubro deste ano, para presidente da província, o Dr. José Tomás Nabuco de Araújo, que entrou em exercício a 8 de novembro deste ano,494 e foi exonerado a 26 de março de 1838.

Idem. Tendo sido criada e instalada a Tesouraria Geral é nomeado o diretor e lente da Aula do Comércio da Corte Joaquim José Gomes da Silva Filho, para inspetor, o qual tomou posse a 3 de fevereiro deste ano, sendo exonerado a 2 de março de 1841.

Idem. Neste ano são exportados pelo município de São Mateus, 50.896 alqueires de farinha, 31 caixas de açúcar e 14 sacas de milho, não incluindo a exportação feita dali para a Vitória e outros lugares.

 

490 “A divisão desta vila com a cidade de S. Mateus far-se-á pelo riacho da – Pedra d’Água debaixo –, ficando pertencendo a esta vila a parte do território, que se acha a leste do mesmo riacho.” Artº. 4º. da resolução presidencial do 1º de fevereiro de 1836.” [Vasconcelos, Compilação da Legislação, p. 18]

491 Tinha o título de “Administração das Rendas Provinciais.” – Lei nº 5 de 1836, Artº. 3º, mudado para “Tesouro Provincial” pela lei nº 17 de 1859. [Idem, p. 135]

492 Humphreys.

493 Vasconcelos, Ensaio, p. 64.

494 Idem, p. 64

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2018

 

 

   

História do ES

Igrejas – Conventos – Edifícios públicos – Séculos XIX

Igrejas – Conventos – Edifícios públicos – Séculos XIX

Os três únicos conventos – de S. Francisco e do Carmo, em Vitória; da Penha,em Vila Velha – estavam reduzidos ao mínimo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo