Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1865 – Por Basílio Daemon

Convento da penha

1865 [no original, Idem].(684) – Seguem no dia 14 de fevereiro deste ano com destino à Corte e daí para a guerra contra as repúblicas do Prata, os oficiais e soldados de linha da guarnição desta província,(685) sendo os oficiais e inferiores os seguintes: major J. Batista de Souza Braga; capitães: Tito Lívio da Silva e João da Silva Nazaré; tenentes: Antônio Rodrigues Pereira e Manoel Francisco Imperial; alferes: José Marcelino de A. Vasconcelos, Francisco F. Pinheiro Passos, Francisco A. Leitão da Silva, Joaquim de Castanheda Pimentel, Miguel Calmon du-Pin Lisboa; 1ºs cadetes, vago-mestre Francisco Rodrigues Pereira das Neves e Luís Vieira Machado; 2º cadete Alexandre Félix de Alvarenga Sales; 1º sargento João Custódio da Silva; 2º dito Cândido Gaia Peçanha; furriel Jacinto F. de Carvalho. Também seguiram os médicos do Corpo de Saúde: Dr. Florêncio Francisco Gonçalves e Dr. Fortunato Augusto da Silva e o 1º tenente do Regimento de Cavalaria Inácio João Monjardim de Andrade e Almeida, que servia de ajudante de ordens. Se aqui relatamos e especificamos estes nomes é porque muitos deles foram bravos naquela campanha, bem como o valente e destemido espírito-santense Francisco de Araújo, cabo de esquadra do mesmo corpo, que pelos seus atos de bravura chegara ao posto de tenente em comissão, e condecorado com diversas medalhas. O cabo Araújo era conhecido por Chico Princesa, e morreu na mesma campanha em seu posto de honra, legando à sua pobre mãe, que ainda existe, uma pensão dada por S. M. o imperador; tão bravo foi ele, que a Câmara Municipal desta capital, em memória a seus serviços, deu o nome de Francisco Araújo a uma das ruas desta capital; quanto a alguns mais bem conhecidos são por seus feitos de armas.

Idem. Falece nesta capital, a 15 de março deste ano, o guardião do Convento dos Franciscanos nesta província, frei João Nepomuceno Valadares, pregador imperial, orador sagrado de nomeada, e que era estimadíssimo em sua terra natal, o Espírito Santo. Fez no Convento da Penha grandes festividades, que foram não só concorridas por devotos da província como de outras. Frei João Valadares descendia de um dos ramos da família do condestável Torquato Martins de Araújo Malta. Foi seu enterro um dos mais concorridos nesta capital, sendo sepultado seu cadáver no Convento de São Francisco, onde foi colocada uma lápide de mármore com inscrição comemorativa, sendo todos os anos ornada sua sepultura por ocasião de festividades neste convento.

Idem. Por carta imperial de 23 de junho deste ano, é nomeado presidente desta província o bacharel Alexandre Rodrigues da Silva Chaves, que prestou juramento e tomou posse a 28 de agosto, sendo exonerado a 29 de setembro de 1867.

Idem. Por decreto de 30 de junho deste ano é nomeado chefe de Polícia desta província o bacharel Quintino José de Miranda, que prestou juramento e entrou em exercício no 1º de dezembro do mesmo ano, sendo exonerado a 17 de fevereiro de 1866.

Idem. É nomeado por decreto de 30 de junho deste ano juiz de direito da comarca dos Reis Magos o bacharel Bento Luís de Oliveira Lisboa,(686) que prestou juramento a 9 de setembro, mas não consta ter entrado em exercício.

Idem. É nomeado por decreto de 8 de julho deste ano juiz de direito da comarca de

São Mateus o bacharel Pedro Francelino Guimarães, que não consta ter prestado juramento, nem entrado em exercício.

NOTAS

(684) Não há dúvida de que aqui começam os registros referentes a 1865. Cf. Oliveira, HEES, p. 381 que dá a data completa (14 de fevereiro de 1865) e remete à edição de 15 de fevereiro do Correio da Vitória, que noticiou a partida do contingente.

(685) “Esta província também enviou o seu tributo de forças para a grande questão nacional [...] apenas pude reunir o número de 114, dos quais já seguiram 87 para a corte, sob o comando do capitão Jaime Lisboa...” [Relatório apresentado à Assembleia Legislativa Provincial pelo presidente Dr. Alexandre Rodrigues da Silva Chaves no dia da abertura..., 1866, Contingente de Forças da Província, p. 4 e 5]

(686) “Para a comarca dos Reis Magos foi nomeado por decreto de 30 de junho do ano findo o bacharel Bento Luís de Oliveira Lisboa...” [Relatório apresentado à Assembleia Legislativa Provincial, no dia da abertura da Sessão Ordinária de 1866, pelo presidente Dr. Alexandre Rodrigues da Silva Chaves no dia da abertura..., Administração da Justiça, p. 7]

 NOTAS DO SITE: Frei João Nepomuceno Valadares, natural de Vitória, descendente da família do Condestável Torquato Martins de Araújo Malta, foi o guardião que mais tempo serviu, sendo eleito em 1850, reeleito em 1853, 1854, 1856 e novamente em 1859 1860.

 

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

A Capitania do ES no Século XVII – Por Serafim Derenzi

A Capitania do ES no Século XVII – Por Serafim Derenzi

Ao pé da atual escadaria, que comunica a Praça Costa Pereira com a cidade alta, levanta-se o Forte Santiago, aos poucos apelidado de S. Diogo 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo