Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1877 – Por Basílio Daemon

Capa do Livro: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010

1877. Assume a administração da província no dia 5 de janeiro deste ano o 1º vice-presidente coronel Manoel Ferreira de Paiva, por lha haver passado o bacharel Manoel José de Menezes Prado, que fora exonerado e seguiu para a Corte a tomar assento na Assembleia Geral Legislativa.(810)

Idem. Neste ano, a 7 de janeiro, sai à luz na vila de São Pedro do Cachoeiro o primeiro número de um periódico sob o título O Cachoeirano,(811) de propriedade e redação de Luís de Loiola e Silva, o qual ainda até hoje é publicado.

Idem. Por decretos de nº 6.456 e 6.457 de 17 de janeiro deste ano, foi declarada de primeira entrância a nova comarca de São Pedro do Cachoeiro, criada por lei da Assembleia Provincial nº 9 de 16 de novembro de 1876; foi a mesma instalada a 25 de março deste mesmo ano, de conformidade com o decreto nº 6.491 de 14 de fevereiro deste mesmo ano, sendo seu primeiro juiz de direito o bacharel Dídimo Agapito da Veiga Júnior.(812)

Idem. Por decreto de 18 de janeiro deste ano é nomeado juiz de direito da comarca de Iriritiba o bacharel Miguel José Tavares, que tendo prestado juramento entrou em exercício a 7 de março, sendo, a seu pedido, considerado avulso por decreto de 26 de junho deste mesmo ano.

Idem. Por decreto de 18 de janeiro deste ano é nomeado juiz de direito da comarca de São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim o bacharel Dídimo Agapito da Veiga Júnior, que depois de prestar juramento entrou em exercício a 25 de abril deste mesmo ano.(813) Deixou a comarca por ter sido ela suprimida pelos deputados inconstitucionais.

Idem. Em janeiro deste ano revoltam-se na colônia de Timbuí perto de mil colonos, fazendo distúrbios e afinal apresentando-se nesta capital a fazer exigências indébitas, querendo que o governo os mandasse transportar para as colônias de Santa Catarina; comunicado por telegrama este fato ao governo imperial pelo então 1º vice-presidente da província, coronel Manoel Ferreira de Paiva, vieram da Corte para os conduzir os transportes de guerra Madeira e Purus, com o subdiretor da Colonização, o engenheiro civil José de Cupertino Coelho Cintra, e mais uma companhia de fuzileiros navais; sem obstáculos, embarcaram todos os colonos no dia 25 do mesmo mês para a Corte, apaziguando-se assim a população que se achava alarmada.

Idem. Falece no dia 14 de março deste ano, no Hotel Goulart,(814) onde se achava hospedado, o hábil taquígrafo da Assembleia Provincial de São Paulo e também da do Espírito Santo, Antônio José Vaz.(815) Este cidadão, que ocupara por 18 anos o lugar de inspetor das obras públicas em São Paulo e que era engenheiro, nunca dissera a ninguém ser graduado, só sabendo-se depois de sua morte, por ter-se encontrado o pergaminho que o demonstrava. Caritativo e bondoso, amigo dedicado, modesto em excesso, era aqui muito estimado por suas qualidades e atos de civismo e caridade.

Idem. É celebrado a 17 de março deste ano, pelo negociante da praça da Vitória Francisco da Rocha Tagarro, João Maria Moussier e João Felipe da Silva Calmon, perante a Presidência da província, o contrato de navegação fluvial do rio Doce, desde o Porto de Souza até a barra, mandando os contratantes fabricar na Alemanha um vapor especial para aquele fim, o qual aqui chegado foi armado e recebeu o nome de Rio Doce.(816) Esta navegação teve afinal princípio a 27 de fevereiro de 1879, em que foi definitivamente inaugurada naquele mesmo rio, saindo para esse fim desta capital no dia 19 de fevereiro o dito vapor. Depois de algumas viagens, cujo resultado não compensava logo as despesas, retiraram-se os dois sócios, ficando a empresa unicamente sob a direção e propriedade de F. Tagarro, por indenização aos outros sócios, e assim continuou a fazer por sua conta aquela navegação.

Idem. É nomeado neste ano capitão do Porto desta província o capitão-tenente José Cândido Guilhobel, que entrou em exercício no dia 11 de maio deste ano,(817) tendo-o deixado a 6 de outubro deste mesmo ano.

Idem. No mês de maio deste ano falece na freguesia de São Benedito do Riacho o vigário encomendado padre Eugênio de Maffei, que era ali estimado por suas excelentes qualidades. Honesto, probo e caritativo, sua falta foi sentidíssima, pois que suas próprias benesses repartia com os pobres. Inteligente e ilustrado, tratava sobre qualquer matéria científica com proficiência, falava e escrevia latim como se fosse seu próprio idioma.

Idem. É assassinado barbaramente no dia 31 de maio deste ano, na freguesia do Rio Pardo, o 1º juiz de paz daquela freguesia, Marcos Francisco Soares, casado e com muitos filhos menores.(818)

Idem. Por decreto de 26 de junho deste ano é removido da Cruz Alta, na província de São Pedro do Sul, para juiz de direito da comarca de Santa Cruz o bacharel Fernando Afonso de Melo, que entrou em exercício a 9 de julho deste mesmo ano.(819)

Idem. Até 30 de junho deste ano é feito o recenseamento das colônias da província dando em resultado o acharem-se 6.339 indivíduos na Colônia de Santa Leopoldina, divididos em 1.560 famílias, sendo 3.328 do sexo masculino e 3.011 do sexo feminino, 3.293 católicos e 3.066 acatólicos. A do Rio Novo deu a estatística de 1.870 indivíduos, divididos em 76 alemães, 688 austríacos, 27 belgas, 8 chins, 31 franceses, 13 holandeses, 832 italianos, 122 portugueses e 73 suíços.

Idem. Por carta imperial de 4 de julho deste ano é nomeado presidente desta província o bacharel Afonso Peixoto de Abreu Lima, que prestou juramento e tomou posse a 23 do mesmo mês e ano,(820) sendo exonerado a seu pedido em fevereiro de 1878.

Idem. Assume a Presidência da província a 11 de julho deste ano o 1º vice-presidente coronel Manoel Ferreira de Paiva, por ter sido exonerado o presidente Dr. Antônio Joaquim de Miranda Nogueira da Gama.(821)

Idem. É oferecido no dia 28 de julho deste ano, pelos amigos do coronel Manoel Ribeiro Coutinho Mascarenhas um suntuoso copo d’água e baile como tributo às suas virtudes e qualidades cívicas, ao qual compareceram todas as autoridades não só da capital como dos termos e municípios vizinhos, deputados provinciais, assim como as pessoas e famílias gradas da capital, sem diferença de cor política. Os salões em que foi oferecido o baile achavam-se suntuosamente ornamentados, tendo reinado o maior entusiasmo.(822)

Idem. Estando em exercício de juiz municipal da vila de São Pedro do Cachoeiro o bacharel Misael Ferreira Pena, para onde fora nomeado, é designado o mesmo bacharel por ato presidencial de 11 de agosto deste ano para servir interinamente o lugar de chefe de Polícia da província.

Idem. Fina-se na cidade da Serra, no dia 12 de agosto deste ano, o abastado fazendeiro José Barbosa Meireles, ali chefe geral do Partido Liberal. Homem inteligente e de prestígio político, soube até o fim de sua vida, apesar de doente, gozar entre seus correligionários do respeito preciso. Ocupara muitos cargos públicos de nomeação do governo e eleição popular, deixando a seus dez filhos vivos, já adultos, e a seus netos fortuna regular.

Idem. Tendo sido rescindido o contrato para a iluminação a gás da capital, por ser bastante lesivo aos cofres públicos, e tendo novamente sido posto em hasta pública, é aceita a proposta de Manoel da Costa Madeira, celebrando-se posteriormente perante o presidente bacharel Afonso Peixoto de Abreu Lima o contrato com o mesmo empresário, no mês de agosto.

Idem. É nomeado o engenheiro civil bacharel Gabriel Emílio da Costa, que já era diretor do 5º território da Colônia do Rio Novo, para chefe das medições de terrenos devolutos e outros nos distritos das vilas do Cachoeiro, Itapemirim, Benevente, Guarapari e Viana. Este engenheiro e o Dr. César de Rainville são os únicos que, em comissões, têm percorrido toda a província, conhecendo seus centros incultos, pelo que os mais competentes para qualquer trabalho geodésico ou geográfico neste território, pois além de hábeis e trabalhadores estão há muitos anos na província.

Idem. Chega neste ano à capital o vapor Colômbia, procedente de Gênova, com 273 colonos italianos para o núcleo de Timbuí da Colônia de Santa Leopoldina.(823)

Idem. Por decreto de 12 de setembro deste ano é nomeado chefe de Polícia desta província o bacharel Vicente Cândido Ferreira Tourinho, que prestou juramento e tomou posse a 5 de janeiro de 1878.

Idem. Por decreto de 19 de setembro deste ano é nomeado juiz de direito da comarca de Iriritiba o bacharel Joaquim Vitorino Ferreira Alves, que prestou juramento a 23 de outubro e entrou em exercício a 2 de novembro do mesmo ano.

Idem. No dia 23 de setembro deste ano chega a esta capital o vapor Isabella,(824) proveniente de Gênova, trazendo para as colônias da província 453 colonos italianos, sendo logo parte deles embarcados no vapor Presidente, com destino a Santa Cruz.

Idem. Desenvolve-se neste ano, no mês de outubro, nesta capital e com intensidade, a epidemia de varíola,(825) que durou até o mês de março do ano seguinte, derramando-se a epidemia pelas vilas e freguesias vizinhas, tendo feito não pouco número de vítimas. Foram, no entanto, tomadas providências pelo presidente da província Abreu Lima, que entre elas estabeleceu um lazareto na ilha Santa Maria, próxima à capital, mandou colocar nas ruas barris de alcatrão e queimar desinfetantes, no sentido de melhorar a higiene e obstar a continuação do mal.

Idem. É contratado neste ano em 22 do mês de outubro e pelo juiz municipal suplente, capitão Bernardino Ramalho de Araújo Malta, com o fazendeiro tenente Emílio da Silva Coutinho, de conformidade com a circular dirigida pela Presidência da província e lei provincial de 28 de setembro de 1871, o estabelecimento de uma colônia orfanológica, sem gravame algum dos cofres públicos. Até hoje ainda não teve andamento este necessário e útil estabelecimento.

Idem. A 24 de outubro deste ano chegam a esta capital, no vapor italiano Clementina, 472 imigrantes italianos para o núcleo do Timbuí da Colônia de Santa Leopoldina, sendo logo embarcados no vapor Presidente, com destino a Santa Cruz.(826)

Idem. Funda-se na cidade de São Mateus, debaixo das vistas do juiz municipal do termo, Dr. José Roberto da Cunha Sales, um estabelecimento de instrução elementar, sob o título Ginásio Mateense, que pouco perdurou.

Idem. Segue neste ano, no dia 26 de outubro, com destino ao sul da província, o bacharel Afonso Peixoto de Abreu Lima, com o fim de percorrer, visitar e providenciar sobre as necessidades das vilas e freguesias de diversas localidades, estando de volta à capital no dia 6 de novembro.

Idem. São descobertas no mês de outubro deste ano, na vila de Linhares, ossadas fósseis em grande abundância e bem conservadas, que julga-se serem de caciques de diversas tribos indígenas, achando-se contidas dentro de vasos de barro, como era de costume fazerem os aborígines aos corpos de seus chefes.(827)

Idem. É assassinado com duas facadas, uma na coxa e outra no ventre, em sua fazenda no distrito da vila de São Pedro do Cachoeiro, no dia 30 de outubro deste ano, e por um escravo de nome Rodolfo, o abastado fazendeiro Antônio Francisco Moreira, homem ali muito estimado e respeitado por seus atos de filantropia e caridade; poucos instantes durou após o delito, dando logo em seguida a alma ao Criador nos braços de um seu irmão de nome Manoel Francisco Moreira. O finado nascera em Portugal, estando no Brasil desde menino, onde se casara duas vezes, tendo muitos filhos; já contava a idade de sessenta e tantos anos e naquele município se estabelecera há bastante tempo. Foi ele quem fundou, às suas únicas expensas, a Igreja Matriz daquela vila, sob a invocação de São Pedro, e em que gastou 20:000$000, fizera um cemitério todo murado de pedra e cal, e que concorrera para a compra do terreno e edificação da casa da Câmara Municipal daquele município, estando sempre aberta a sua bolsa para os melhoramentos do lugar onde residia, sendo ali muito popular, e sua morte muito sentida.

Idem. No dia 31 de outubro deste ano, revolucionam-se no núcleo de Timbuí da Colônia de Santa Leopoldina os imigrantes italianos, querendo que o substituto do diretor naquele núcleo, o engenheiro Franz von Lipp, lhes fizesse abonos, outros fazendo exigências, pelo que, tendo-se dali retirado a força de linha, foi necessário reunir particulares e prender o chefe da revolta Guigni Fernandes como mais alguns, o que deu causa a sério tumulto em que foram feridos com pedras e com paus diversos cidadãos; tendo os colonos atacado a casa da Diretoria, foram repelidos e felizmente dispersados os insurgentes, que recolheram-se à Nova Lombardia.

Idem. É publicado neste ano, nesta capital, a 2 de dezembro, o primeiro número de um periódico, sob o título Eco dos Artistas,(828) redigido por diversos e de propriedade dos editores Carvalho & Correia. Teve sua voga este periódico por certa independência que sustentou, mas tornando-se, afinal, virulento, teve de suspender a publicação.

Idem. Fina-se em sua fazenda na freguesia do Alegre, no município da vila de São Pedro do Cachoeiro, em meado do mês de dezembro, o abastado fazendeiro comendador Felício Augusto de Lacerda. Possuía ainda as fazendas de Santana e das Couves na freguesia do Pati do Alferes. Fora ele quem presenteara a Câmara Municipal da vila de Itapemirim com uma rica mobília e utensis para suas sessões.

Idem. No dia 21 de dezembro deste ano, indo da vila do Espírito Santo Manoel Hipólito de Miranda, Albino Cândido da Fraga, José Francisco de Queiroz e José Cordeiro de Barcelos, a fazer lenha nos mangues contidos nos fundos da Fazenda de Maruípe, são ali agredidos por pessoas da dita fazenda; sendo amarrado Manoel Hipólito, os outros companheiros atiraram-se ao mar para não lhes acontecer o mesmo; lascaram-lhe a golpes de machado as canoas em que os mesmos lenheiros tinham ido, causando tal atentado geral indignação; a custo, puderam os mesmos chegar à vila do Espírito Santo.

Idem. Tendo obtido licença para tratar-se na Corte o bacharel Antônio Lopes Ferreira da Silva, juiz de direito da comarca de São Mateus, chega o mesmo daquela localidade a esta capital muito agravado da moléstia que sofria, vindo a falecer a 29 de dezembro, às 10 ½ horas da manhã no Hotel Goulart, onde se hospedara, tendo lugar o seu enterro no dia 30, sendo o seu féretro acompanhado pelo presidente da província, todas as autoridades e pessoas gradas da capital. Foi muito sentida a sua morte por ser bastante estimado.

Idem. Faleceu neste ano na cidade de Campos, donde era natural, o antigo e abastado fazendeiro da vila de Itapemirim, major Antônio da Silva Póvoa, que ainda moço mudara-se para esta província, quando Campos ainda pertencia à comarca da Vitória, e era antiga capitania do Espírito Santo. Ocupara o finado diversos cargos públicos e de eleição popular, tendo gozado de popularidade como um dos chefes prestimosos do Partido Conservador. Os últimos anos de sua vida passou-os em desgostos, já vendo falecer todos os seus filhos, perdendo sua estimada esposa, como atormentado da moléstia crônica que o levou à sepultura.

 

NOTAS

(810) “Devendo seguir para o Rio de Janeiro, a fim de tomar assento na Câmara temporária e tendo-me sido concedida pelo governo imperial a exoneração que solicitei do cargo de presidente desta província...” [Relatório apresentado pelo Exm. Sr. Dr. Manoel José de Menezes Prado por ocasião de passar a administração desta província ao 1º vice-presidente coronel Manoel Ferreira de Paiva, 1877, p. 1]

(811) O Cachoeirano. Cachoeiro de Itapemirim, Tipografia de O Cachoeirano, 1877.

(812) Decreto de 18 de janeiro de 1877 – Declara a entrância da comarca de São Pedro do Cachoeiro, na província do Espírito Santo.

(813) “Acha-se em exercício na comarca de São Pedro do Cachoeiro desde 25 de abril deste ano o juiz de direito para ela nomeado bacharel Dídimo Agapito da Veiga Júnior.” [Relatório com que o Exm. Sr. Dr. Antônio Joaquim de Miranda Nogueira da Gama passou a administração da província ao Exm. Sr. 1º vice-presidente coronel Manoel Ferreira de Paiva, 1877, Administração da Justiça, p. 2]

(814) Em Vitória. Cf. penúltimo item do ano de 1877.

(815) O Espírito-Santense, 15 de março de 1877, p. 3.

(816) Antônio Joaquim de Miranda Nogueira da Gama, em seu Relatório, informa outra data: “A 17 de maio celebrou esta presidência contrato com Francisco da Rocha Tagarro, João Maria Moussier e João Felipe da Silva Calmon para o serviço de navegação do rio Doce, desde o Porto do Souza até a barra, de conformidade com a autorização conferida pela lei provincial nº 8, de 9 de outubro de 1875...” [Relatório com que S. Exª. o Sr. Dr. Antônio Joaquim de Miranda Nogueira da Gama passou a administração da província ao Exm. Sr. 1º vice-presidente coronel Manoel Ferreira de Paiva, 1877, Navegação a Vapor do Rio Doce, p. 14-5]

(817) “Tendo sido concedida ao capitão-tenente José Pinto da Luz, a demissão que pediu do lugar de capitão do Porto desta província, foi nomeado para substituí-lo o capitão-tenente José Cândido Guillobel que acha-se em exercício desde o dia 12 de maio último.” [Idem, Capitania do Porto, p. 13]

(818) “O 2º foi perpetrado na noite de 31 de maio último na freguesia do Rio Pardo, sendo a vítima o 1º juiz de paz Marcos Francisco Soares, deixando tenros filhos em orfandade e uma viúva em desespero.” [Idem, Administração da justiça, p. 2]

(819) “Apresentou-se recentemente nesta capital o bacharel Fernando Afonso de Melo, para assumir o exercício de juiz de direito da comarca de Santa Cruz, para a qual, a seu pedido, foi removido por decreto de 26 de junho último, e já seguiu a seu destino.” [Idem, Administração da Justiça, p. 2]

(820) “Nomeado presidente desta província, por carta imperial de 4 do regente, prestei juramento e tomei posse de sua administração no dia 23.” [Relatório apresentado por S. Ex.ª o Sr. Dr. Afonso Peixoto de Abreu Lima, presidente da província, na sessão extraordinária da Assembleia Provincial, convocada para o dia 28 de Julho de 1877..., p. 1].

(821) “Dignando-se o governo imperial conceder-me exoneração do cargo de presidente desta província, corre-me o indeclinável dever, ao deixar a administração da mesma província, entregando-a a V. Ex., seu digno 1º vice-presidente...” [Relatório com que S. Exª. o Sr. Dr. Antônio Joaquim de Miranda Nogueira da Gama passou a administração da província ao Exm. Sr. 1º vice-presidente coronel Manoel Ferreira de Paiva. 1877, p. 1]

(822) O Espírito-Santense, 31 de julho de 1877, p. 2.

(823) As fontes divergem quanto ao destino desses colonos. Segundo a Gazeta do Comércio, “Os que chegaram no vapor Colúmbia, seguiram no dia 21 para Santa Cruz.” [23 de agosto de 1877, Colonos, p. 1]; já Luiz Busatto informa que “Para Ibiraçu vieram três grandes carregamentos de imigrantes feitos pelos navios Colúmbia, Isabella e Clementina. O Colúmbia chegou primeiro no dia 15 de agosto...” [Busatto, Luiz. A Imigração Italiana..., p. 20]

(824) O Espírito-Santense, 25 de setembro de 1877, p. 2.

(825) Idem, 18 de outubro de 1877, p. 1.

(826) (a) Idem, 25 de outubro de 1877, p. 2. (b) “...chegou uma terceira turma no navio Clementina com um maior contingente de imigrantes. Eram 113 famílias com 476 pessoas.” [Busatto, Imigração italiana, p. 20]

(827) O Espírito-Santense, 13 de outubro de 1877, p. 1.

(828) Eco dos Artistas. Vitória, 1877.

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean-Jacques de Tschudi

Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean-Jacques de Tschudi

"No dia seguinte, a comitiva regressou a Vitória, onde o presidente Sousa Carvalho já havia providenciado uma canoa grande e cinco remadores, escravos, para subirem o curso caudaloso do rio Santa Maria, até a colônia de Santa Leopoldina"...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festival de Verão de Guarapari Janeiro 1971

A ideia tinha partido de dois jornalistas, Antônio Alaerte e Rubens Gomes Filho

Ver Artigo
Mais nomes curiosos de ruas de Vitória

RUA DO FOGO ou CARAMURU - Foi conhecida por Ladeira do Quebra-Bunda, pois com leito em pedra, muito íngreme e sempre molhada por infiltrações, era bastante escorregadiça

Ver Artigo
A República - Por José Teixeira de Oliveira

Data de 1887 o primeiro clube republicano na terra capixaba, devido à iniciativa de Bernardo Horta de Araújo, Antônio Gomes Aguirre e Joaquim Pires de Amorim

Ver Artigo
A República dos Coronéis no ES

No Espírito Santo, a família Monteiro, que representava o grupo e os interesses dos cafeicultores, monopolizou o poder político de 1908 a 1930

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo