Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1879 – Por Basílio Daemon

Ilha da Baleia e a Baixa Do Calhau onde naufragou o vapor Santa Maria, em 1879

1879. Por decreto de 25 de janeiro deste ano é nomeado presidente desta província o Dr. Eliseu de Souza Martins; prestou juramento perante a írrita e ilegal Assembleia Provincial e tomou posse do cargo no dia 7 de março deste mesmo ano.(837)

Idem. Falece neste ano, a 28 de janeiro, pelas 3 horas da madrugada, o antigo carcereiro da cadeia desta capital, Francisco Antônio Leal. Homem de cor preta, mas de uma honradez e probidade a toda a prova, era estimado por todos que o conheciam, já por sua bondade como retidão e comportamento. Sem ter obtido princípios literários, entregara-se à leitura e assim adquirira um tal ou qual fundo de conhecimentos, pois que dispunha de memória e reminiscência, sendo agradável sua conversação. Natural da Bahia, ali sentara praça no 1º Batalhão e seguira para as guerras do Prata, vindo afinal para aqui em um contingente; depois de acabado o tempo de engajamento, pediu baixa e se estabeleceu nesta cidade com uma oficina de carpinteiro, vindo depois a ocupar o cargo de carcereiro. Seu enterro foi muito concorrido por cidadãos diversos, prestando-se até música a rezar-lhe na sepultura um Memento e Libera me, sendo ainda acompanhado seu féretro pelas irmandades de São Benedito de São Francisco e de Nossa Senhora dos Remédios, às quais pertencia. Nas epidemias da febre amarela, do cólera e da varíola, Leal sempre foi encontrado à cabeceira dos doentes, prestando nessas epidemias muitíssimos serviços.

Idem. É inaugurada no 1º de março deste ano a iluminação pública e a gás em toda a cidade da Vitória, tendo já sido iluminadas as casas particulares no próprio dia da inauguração do gasômetro.(838)

Idem. Por decreto de 22 de março deste ano é nomeado chefe de Polícia desta província o bacharel Augusto Lobo de Moura, que prestou juramento e tomou posse do cargo a 4 de julho, sendo exonerado a 27 de dezembro do mesmo ano.

Idem. No dia 3 de abril deste ano falece nesta capital o juiz de direito da comarca, bacharel Luís Duarte Pereira, que há anos aqui ocupava esse lugar da magistratura e também o de auditor de guerra. Seu enterro foi acompanhado por avultado número de pessoas, todas as autoridades civis e militares, fazendo-lhe as honras militares um contingente da Companhia de Infantaria.

Idem. É nomeado neste ano para capitão do Porto do Espírito Santo o 1º tenente Faustino Martins Bastos, que entrou em exercício a 6 de abril deste mesmo ano.

Idem. Falece na vila de Itapemirim, onde era afazendado, o capitão José Gomes Pinheiro Meireles, no dia 11 de abril deste ano. O finado ocupara muitos cargos públicos e de eleição popular, pertencendo a uma das primeiras famílias do Itapemirim e sendo bastante estimado de todos que o conheciam.

Idem. Por votação do Senado sobre o parecer da Comissão de Poderes é nula no dia 25 de abril deste ano a eleição de um senador por esta província, por vícios encontrados na mesma e interferência indébita de força armada.

Idem. Aparece no dia 28 de maio deste ano, no Aldeamento de Mutum, do distrito de Linhares, uma horda de índios bravios, armados em guerra e com predisposições hostis, visto apresentarem-se todos sarapintados, dando gritos, sinal o mais evidente de estarem dispostos ao ataque. Por felicidade apareceu a tempo o vapor Rio Doce, que seguia rio acima e ali chegando, o Sr. John Moussier, entendendo-se com o chefe, mostrou-lhe o vapor e soltou as válvulas, o que atemorizou os índios de tal forma a fazê-los retirar para as matas.

Idem. Neste ano, nos fins do mês de maio, principia nesta província por parte da administração do Dr. Eliseu de Souza Martins e das autoridades policiais da capital e locais a maior pressão sobre o povo, a fim de não concorrerem às urnas na nova eleição que em junho se ia proceder para um senador por esta província, visto os embaraços que encontrava o administrador e chefe do Partido Liberal na posição assumida pelo Partido Conservador e dissidência liberal; é assim que principiou-se a dar demissões, fazerem-se nomeações, e ameaçar-se nas freguesias de Cariacica, Viana, Benevente e Guarapari com recrutamento e processos, sendo demitidos no dia 30 do mesmo mês o administrador da Recebedoria da capital, Antônio Pinto Aleixo, o escrivão da mesma, tenente Constantino José de Castro, Joaquim Vicente Pereira de juiz comissário de Nova Almeida, José Pinto Rangel de agente de rendas da vila de Viana e outros, sem causas justificadas.

Idem. Falece repentinamente no dia 7 de junho deste ano o alferes Inácio Pereira Aguirre, escrivão de órfãos da comarca da Vitória. Moço ainda, com alguma instrução e de excelentes qualidades, seu passamento foi bastante sentido, mormente tendo deixado muitos filhos menores e sua viúva em estado quase de demência, pela dor sofrida por esse passamento.

Idem. Dá a alma ao Criador na importante comarca de São Mateus, no dia 10 de junho, à 1 hora da manha, a inteligente, importante fazendeira e capitalista D. Rita Maria da Conceição Cunha, em avançada idade, deixando grande descendência e fortuna não comum. Senhora estimável, de bastante atividade e fina percepção, era respeitada e estimada de toda a população em geral, servindo às vezes de árbitra em diversas questões, e devendo-lhe a comarca não pequenos serviços a bem de seu desenvolvimento e prosperidade.

Idem. Procedendo-se, no dia 20 de junho deste ano, em toda a província, à eleição de um senador, e tendo o Partido Conservador da capital formado mesa eleitoral na Igreja de Santa Luzia, devido aos abusos cometidos pela administração da província no enviamento de tropa para todas as freguesias e cercamento de matrizes, a não deixar a oposição não só formar mesas eleitorais como concorrer à votação, é, às 5 horas da tarde deste dia, quando já os trabalhos eleitorais estavam encerrados e poucos cidadãos existiam na Igreja de Santa Luzia a guardar a urna, atacada a dita igreja por um grupo numeroso de votantes da parcialidade do governo, acompanhados de soldados de linha e de Polícia, sendo capitaneados pelo bacharel João Francisco Poggi de Figueiredo, Alexandre Norberto da Costa e outros; avançaram para dentro da igreja, arrebataram a urna, atiraram-na à rua, enquanto a soldadesca desenfreada quase sacrificava os cidadãos ali existentes e que faziam por estorvar esse arrebatamento, ficando alguns cidadãos feridos e outros quase vítimas da sanha de tais indivíduos, que, a não haver da parte dos decaídos do poder quem moderasse os ânimos, poderia ter corrido muito sangue, e vidas a lamentar. As autoridades policiais que presenciaram o fato, como o chefe de Polícia interino, bacharel Miguel Bernardo Vieira de Amorim, o subdelegado e outros, nenhum caso fizeram deste atentado, parecendo tudo ter sido feito com sua anuência; enquanto o presidente da província, Dr. Eliseu de Souza Martins, que tinha ciência de todo o acontecido, nenhuma importância deu às participações feitas e, pelo contrário, demitira pouco antes deste fato escandaloso e neste mesmo dia, a empregados que haviam concorrido àquela igreja para votar. Desse atentado tão grave ocupou-se o parlamento e toda a imprensa do país, reconhecendo o arbítrio de anuir o poder a atacar-se cidadãos pacíficos que procediam legalmente a um direito facultado pela lei, e que fora de conflagrações se achavam moderadamente e em paz procedendo a uma eleição para um representante da província. Nesse conflito iam quase sendo vítimas os cidadãos Aristides Brasiliano de Barcelos Freire, Antônio Pinto Aleixo, capitão João Antônio Pessoa Júnior, tenente Constantino José de Castro, capitão Domingos Francisco do Nascimento, Heliodoro João de Carvalho, inspetor, e José Gaspar Ferreira dos Passos.

Idem. Neste ano, a 20 de julho, é publicado na vila de Itapemirim um periódico comercial, agrícola e literário sob o título O Operário,(839) sendo seu editor Cândido Gonçalves Pereira Lopes.

Idem. É publicado e distribuído neste ano, no mês de julho, o Dicionário histórico e geográfico da província, confeccionado pelo Dr. César Augusto Marques, conforme a autorização concedida pela lei provincial nº 5 de 6 de outubro de 1875.(840) Esta obra contém muitos defeitos que podiam ser sanados e que ali existem em consequência de ter-se o seu autor, que aliás é um dos grandes talentos de nosso país, cingido unicamente a compulsar algumas obras errôneas e crônicas apócrifas, não tendo visitado a província, nem ido aos próprios lugares de que teve de tratar, recorrido ao arquivo das câmaras municipais e outros, tampouco consultado pessoas habilitadas e práticas, pois se assim fizesse não veríamos esta obra tão eivada de erros e anacronismos graves, tanto na sua parte histórica como física, política e topográfica. Todavia, em uma segunda edição, desde que sejam corrigidos os muitos erros e defeitos contidos, servirá de grande auxiliar a quem da província se queira ocupar. Custou este dicionário à província para mais de 20:000$000, sendo seis contos de confecção e o restante de impressão e encadernação.

Idem. Faleceu no dia 16 de setembro deste ano, em sua fazenda na freguesia de Cariacica, e depois de acerbos sofrimentos, o fazendeiro capitão Manoel Pinto Ribeiro dos Passos, homem de bastante influência local e que ocupara diversos cargos de nomeação do governo e eleição popular, sendo um dos chefes do Partido Conservador naquela freguesia, depois de o haver sido do Partido Liberal. Deixou fortuna regular.

Idem. A 27 de setembro deste ano, tendo chegado à barra de Santa Cruz às 10 horas da noite o vapor Ana Clara, que fazia viagens quinzenais para esta província, deu fundo à espera que a maré estivesse a fluxo, e que o prático da barra desse sinal para entrar. Às 11 horas, estando a maré cheia e o prático tendo feito sinal, mandou o comandante levantar ferro, mas quando deu a ordem para seguir o vapor fez explosão à caldeira, indo pelos ares parte do tombadilho, assim como o comandante do vapor Francisco Paulino da Silva, o imediato João José de Miranda e o passageiro, importante fazendeiro de São Mateus, Francisco Antônio da Mota, sendo ainda encontrados mortos junto à máquina e dilacerados o 1º maquinista e dois foguistas, no convés um marinheiro, ficando feridas gravemente seis pessoas: o 2º maquinista e o cozinheiro, que vieram para terra e morreram, e mais três que se salvaram. Os cadáveres do comandante, do imediato e passageiro foram encontrados quase nus, pois foram roubados, mesmo cadáveres, as suas roupas e joias. Deram-se muitas dilapidações, segundo se disse, tendo desaparecido quantias importantes que iam para particulares e uma mala do Correio, dilacerada.

Idem. A 13 de outubro deste ano, às 4 ½ horas da tarde, entrando à barra desta capital o vapor Santa Maria, pertencente à Companhia Paulista, que pela primeira vez mandava um vapor a esta província a fazer viagens quinzenais, naufragou nos recifes denominados Calhau, em frente à ilha da Baleia. O comandante do mesmo vapor, tenente José Maria de Albuquerque Blown [Brown?], deu todas as providências, a fim de serem salvos os passageiros e as bagagens, por se haver reconhecido que o vapor estava perdido, e já se achar cheio d’água e adernado [dornado, no original] a estibordo, sendo abandonado depois de se haver salvado alguma carga e utensis. A tempo foram dadas providências e acudidos os náufragos, não só pelo capitão do Porto, 1º tenente Faustino Martins Bastos, que mandou em socorro escaleres e lanchas, como também seguindo um vapor e lanchas de todos os navios surtos no porto. Naquele lugar e nesta barra só consta ter naufragado um navio há muitíssimos anos, no princípio deste século; só o descuido poderia fazer com que tal sinistro se desse, devido, como dizem, ao próprio imediato do comandante do vapor. A Companhia Paulista a que pertencia o dito Santa Maria mandou no dia 17 o vapor América, que foi entusiasticamente recebido pela população da capital, indo comissões a bordo, e sendo vitoriada a tripulação do vapor naufragado e a do recém-vindo.

Idem. Falece no dia 30 de outubro deste ano o bacharel José Correia de Jesus, advogado nesta capital e um dos chefes do Partido Liberal. O finado dispunha de verbosidade e conhecimentos históricos, fazendo-se por diversas vezes ouvir na tribuna judiciária, na Assembleia Provincial e em reuniões sociais. Ocupou diversos cargos públicos, como o de procurador fiscal da Fazenda Provincial, lente de História do Ateneu, e alguns outros de eleição popular, como eleitor e deputado provincial. Fora sempre escritor jornalístico, e antes de sua morte redigira o periódico Atualidade, de que era proprietário, como também redigira o Cidadão e a Voz do Povo, que pouca vida tiveram. Pouco antes de morrer fora nomeado escriturário da Repartição de Polícia, servindo de secretário.

Idem. No mês de outubro deste ano dão-se, na vila do Espírito Santo, fatos bastante graves entre o administrador da província e a Câmara Municipal, havendo o próprio presidente, Dr. Eliseu, altercado na rua com o secretário da dita Câmara. Passados poucos dias, tentaram, à noite, arrombar a porta da entrada da Câmara Municipal, pelo que representaram alguns cidadãos ao presidente, que ali se achava, que ao outro dia mandou guardar por uma força de Polícia o edifício. Chegando o presidente da mesma Câmara Municipal, no dia 22 do mesmo mês de outubro, e mandando abrir a porta de entrada para a sala das sessões e arquivo não serviu a chave, vindo a reconhecer-se que havia sido arrombada, o que foi comunicado, dando causa a fazer-se exame no arrombamento, e encontrar-se roubado o arquivo, realizando-se o que previa o povo. O presidente da província, Dr. Eliseu de Souza Martins, ordenou mesquinhamente a responsabilidade do secretário, suspendeu os vereadores e também os mandou responsabilizar, sendo afinal demitidos o mesmo secretário, o procurador, o fiscal, o porteiro e guardas.(841)

Idem. Depois de longos sofrimentos, falece no dia 17 de novembro, na Corte, onde tinha ido a operar-se, o estimado farmacêutico Francisco Antônio Machado. O finado ocupou o lugar de lente de Matemáticas do Ateneu, ciência em que era muito versado. Ocupara ainda outros cargos, sendo dotado de bastantes conhecimentos, parte adquiridos em sua viagem à Europa, onde estivera alguns meses visitando diversos estabelecimentos científicos e industriais.

Idem. Por decreto de 18 de novembro deste ano é nomeado escrivão de órfãos da comarca da Vitória, pela vaga deixada pelo finado alferes Inácio Pereira Aguirre, o capitão honorário do exército João Gonçalves da Silva, o qual entrou em exercício a 27 do mês de janeiro do ano seguinte.

Idem. Tendo chegado no dia 2 de dezembro deste ano, de passagem para o norte, os ilustres senadores conselheiro Dr. João Alfredo Correia de Oliveira e Dr. Ambrósio Leitão da Cunha, são esperados à barra da capital pelo vapor Rio Doce, onde ia uma comissão do Partido Conservador; embarcados os ilustres personagens, foram hospedados na casa do Dr. Ernesto Mendo de Andrade e Oliveira, onde lhes foi oferecido um modesto copo d’água. Os ilustres senadores visitaram e percorreram a capital notando seus edifícios e principais monumentos.

Idem. Por decreto de 27 de dezembro deste ano é nomeado chefe de Polícia da província do Espírito Santo o bacharel Cassiano Cândido Tavares Bastos,(842) que há anos passados ocupara por algum tempo o lugar de promotor público desta comarca.

Idem. Durante este ano houve diversos sinistros de naufrágios nas costas desta província, sofreu o povo as consequências de perseguições por parte do governo, tanto geral como provincial, sendo demitidos inúmeros pais de família por questões políticas.

 

NOTAS

(837) “Assumindo a Presidência desta província no dia 7 de março do corrente ano, quando então trabalhava a Assembleia Provincial em sessão ordinária...” [Relatório com que foi aberta a sessão extraordinária da Assembleia Provincial pelo Exm. Sr. presidente Dr. Eliseu de Souza Martins..., 28 de outubro de 1879, p. 1]

(838) “Inaugurou-se em data do 1º corrente mês, pelas sete horas da noite, a iluminação a gás desta capital, na forma do respectivo contrato celebrado com Manoel da Costa Madeira.” [Relatório apresentado pelo Exm. Sr. Cel. Alfeu Adelfo Monjardim d’Andrade e Almeida, 1º vice-presidente da província à Assembleia Legislativa Provincial do Espírito Santo..., 6 de março de 1879, Iluminação Pública, p. 17]

(839) O Operário. Vila de Itapemirim, 1879

(840) “Autorizado pela lei provincial n. 5 de 6 de outubro do corrente ano, contratei com o Dr. César Augusto Marques a confecção do Dicionário histórico, geográfico e estatístico da província, tendo ele recebido a 1ª prestação de 3:000$000 por ocasião da assinatura do contrato mediante fiança...” [Relatório apresentado a S. Ex. o Sr. 1º vice-presidente coronel Manoel Ribeiro Coutinho Mascarenhas pelo Exm. Sr. Dr. Domingos Monteiro Peixoto por ocasião de deixar a administração..., 1876, Tesouro Provincial, p. 6]

(841) Relatório com que foi aberta a sessão extraordinária da Assembleia Provincial pelo Exm. Sr. presidente Dr. Eliseu de Sousa Martins no dia 28 de outubro de 1879. Câmara Municipal da Vila do Espírito Santo, p. 4.

(842) “Por decreto de 27 de dezembro de 1879, foi nomeado o bacharel Cassiano Candido Tavares Bastos para o cargo de chefe de Polícia desta província.” [Relatório com que o Exm. Sr. Dr. Eliseu de Sousa Martins no dia 19 de julho de 1880 passou a administração..., chefe de polícia, p.1]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

Quartel da Polícia Militar do Espírito Santo – Governo Punaro Bley

Quartel da Polícia Militar do Espírito Santo – Governo Punaro Bley

O Quartel da Polícia Militar, instalado na capital do Espírito Santo, é de aspecto imponente, próprio à sua finalidade, sóbrio, marcial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo