Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Anos de 1575,1576,1577,1578,1580,1582 e 1584 - Por Basílio Daemon

Anchieta - Porto Benevente 1874

1575. Dá a alma a Deus, a 2 de maio deste ano, na Ermida das Palmeiras, hoje Convento da Penha, depois de dezessete anos de estada ali, e sendo o seu fundador, frei Pedro Palácios,(106) sendo encontrado morto, dobrado sobre os joelhos e reclinado sobre a pedra d’ara. Divulgada que foi a sua morte avultou o povo e indígenas ao santuário, que fora erigido por aquele religioso com insano trabalhar, já carregando ele mesmo os materiais para a obra e dirigindo-a, já catequizando e animando aos indígenas para o coadjuvarem, e a quem ele muito tinha servido e valido. Com gritos, choros e lamentações, demonstravam todos o sentimento por aquela morte, que por muitos anos não foi esquecida; foi este grande fundador e catequista enterrado debaixo do alpendre da portaria, em uma cova que dizem as crônicas já estar aberta para receber o seu cadáver, e talvez por ele mesmo feita.

1576. Continua neste ano Vasco Fernandes Coutinho Filho a fazer doações de terrenos e concessões àqueles que se quisessem entregar à lavoura, que ia em progressivo andar, devido não só ao donatário como aos poderosos auxílios prestados pelos padres da Companhia de Jesus, que não se poupavam a esforços a fim de que a capitania prosperasse.

1577. É doada neste ano, por Vasco Fernandes Coutinho Filho, a Vicente Vaz e à sua mulher D. Ana Vaz, uma sesmaria de terras no lugar denominado Carapina, hoje freguesia, não só para si como em sucessão a seus filhos. Julgamos serem os doados parentes muito próximos do doador, visto a mãe de Vasco Fernandes Coutinho Filho também chamar-se Ana Vaz e ainda existir neste tempo.

1578. Neste ano é ainda doada pelo mesmo Vasco Coutinho mais uma data de terras demarcadas a Gaspar do Couto, com sucessão a seus filhos, as quais eram anexas às de Vicente Vaz e sua mulher doadas em Carapina no ano antecedente.

Idem. É neste ano elevado ao grau de provincial da Companhia de Jesus, desta província do Brasil, o padre José de Anchieta, que estava nesta então capitania, e já promovia a fundação de outras casas religiosas, como a de Benevente, Reritiba, que principiara a construir na esplanada de uma bela colina à beira-mar, ao lado norte do rio do mesmo nome, e onde em 1569 reunira grande número de índios e formara essa aldeia e mais outra perto dali, em Orobó. Benevente fora sempre o lugar de sua predileção.(107)

1580. Neste ano fundam os padres da Companhia o Colégio e Igreja dos Reis Magos, à margem do rio Apiputanga, depois Reis Magos, Aldeia Nova e hoje de Nova Almeida, e onde já se achavam muitos indígenas estabelecidos desde 1557. É desta época que data a fundação daquela povoação, hoje vila de Nova Almeida.(108)

1582. Supõem todos os nossos cronistas e historiadores que foi neste ano, no 1º de julho, que teve origem a fundação da Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, e sob a direção do padre provincial José de Anchieta, porque tendo chegado àquele porto uma armada saída da Castela, composta de dezesseis embarcações de guerra, em que vinham três mil homens sob o comando do general Diogo Flores Valdez, havendo sofrido a expedição um grande temporal na longa travessia, chegaram quase todos doentes e necessitados de tratamento e agasalho, pelo que, achando-se ali o padre provincial José de Anchieta, que desta capitania tinha para ali ido de visita ao Colégio da Ordem, fundado, como vimos, em 1567, movido de compaixão e extremada caridade, condoeu-se tanto do lastimoso e precário estado em que se via toda aquela gente que, tomando a peito a sua cura, deu providências à ereção de uma casa em que fossem os doentes recolhidos, assistidos e curados, para cujo fim destinou logo alguns religiosos, concorrendo também ele com sua própria pessoa em valer-lhe com seus conhecimentos médicos e cirúrgicos para o seu restabelecimento, e assim continuou este estabelecimento fundado por este venerável sacerdote a servir de asilo aos doentes, tendo pelo tempo adiante sido aumentado este estabelecimento, com grandes conexões, e chegado ao ponto em que hoje o vemos.(109)

1584. Neste ano, por alvará datado de 1º de dezembro, é demarcado o patrimônio dos índios aldeados de Reritiba, hoje Benevente, a instâncias e esforços do padre José de Anchieta.

 

Notas

 

106 Segundo Röwer [Convento, p. 27] e Francisco Rubim [Memórias, p. 5], a data seria 1570. Já Freire [Vitória e a capitania, in RIHGES, 1935, 8:11], Nery [Carta pastoral, p. 22] e Machado de Oliveira [Notas, apontamentos, RIHGB, 1856, 19:262] mencionam a data de 2 de maio de 1575. Pizarro informa apenas o ano (1575). [Memórias, II, p. 12]

107 Segundo D. João Nery, a data de fundação da igreja de Nossa Senhora da Assunção em Benevente, hoje Anchieta, seria 1579 e não 1578. [Carta pastoral, p. 15]

108 “É fundada pelos padres jesuítas a igreja dos Reis Magos, em Nova Almeida, onde se localiza em um local alto com belo panorama”. 1580. [Leite, HCJB, I, p. 243]

109 “Foi Anchieta quem, depois de ter fundado a Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, fundou também com Miguel de Azeredo a casa de caridade de Vila Velha...” [Stenzel, Apóstolo do Brasil, RIHGES, 8:90]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

 

Variedades

Na literatura, um diálogo com a história – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Na literatura, um diálogo com a história – Por Francisco Aurélio Ribeiro

A literatura contemporânea brinca com a história, instaurando novos sentidos para o homem e sua história 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1588 e 1589 - Por Basílio Daemon

A viúva, D. Luíza Grinalda, continuou a residir em sua fazenda na então Vila Velha, a qual era junto ao monte Moreno

Ver Artigo
Anos de 1575,1576,1577,1578,1580,1582 e 1584 - Por Basílio Daemon

O padre José de Anchieta, que estava nesta então capitania, e já promovia a fundação de outras casas religiosas, como a de Benevente, Reritiba, em 1569

Ver Artigo
500 Anos de Cantoria

Provavelmente entre 1549 e 1551, Francisco De Vaccas, o chefe da Alfândega do donatário Vasco Fernandes Coutinho, destacou-se entre os nativos pelo seu talento musical

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo X

O Presidente do Estado, Jerônimo Monteiro e correligionários após a entrega do cemitério de Santo Antônio à Prefeitura Municipal de Vitória (1912). APEES — Coleção Jerônim o Monteiro

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo VII

No Anchieta. O Presidente Jerônimo Monteiro despacha com o Diretor de Agricultura, Terras e Obras, Antônio Francisco de Athayde, e o Secretário Geral de Estado, Ubaldo Ramalhete Maia, 1912

Ver Artigo