Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Antigos nomes de ruas de Vitória

Palácio Anchieta, antiga Igreja São Tiago

LARGO PADRE INÁCIO - Atual área fronteira ao Palácio Anchieta, no topo da escadaria, onde terminava a Ladeira. Chamou-se também dos "Correios". Seu alinhamento afinava-se pelo atual passeio, que bordava a Escola Normal, descendo para a Rua do Comércio, hoje Florentino Avidos. Igual nome teve a ladeira de acesso ao Colégio, hoje escadaria. Padre Inácio de Loiola, fundador da Companhia de Jesus, canonizado em 1622, não logrou ver-se perpetuado em nenhum logradouro público, na terra onde seus filhos espirituais tanto trabalharam e sofreram. Injustiça ainda a reparar-se.

LARGO DA MATRIZ - Hoje Catedral, com a elevação do Estado a Bispado. Praça fronteira ao templo, onde se situava pequeno cemitério. Havia uma lombada, acupada por quarteirão, que encobria a vista da Matriz pelo lado do Palácio. Nessa área depois de aplainada, construi-se a Casa de Saúde, sede da Associação dos funcionários públicos (1935-1938).


Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Serafim Derenze
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013 

História do ES

Morro do João Moreno

Morro do João Moreno

No livro de Gabriel Soares de Souza - "Tratado Descritivo do Brasil", escrito em 1587, o autor trás como referência o "morro do João Moreno"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Opinam os jesuítas sobre a Capitania do ES

“Esta Capitania se tem por a milhor cousa do Brasil depois do Rio de Janeiro”, opinava o padre Nóbrega em 1560

Ver Artigo
Providências de Mem de Sá após a morte de Vasco Coutinho

Aos dezesseis de outubro, informado da morte de Vasco Coutinho, o governador geral expediu o mandado às principais autoridades da capitania

Ver Artigo
França Antártica – Mem de Sá e Guanabara

Notícias levadas a Mem de Sá, por intermédio de alguém que esteve no Espírito Santo, davam conta dos franceses que se haviam estabelecido na Guanabara

Ver Artigo
Os pioneiros: Degredados

Exceto dois funcionários públicos – um escrivão e um almoxarife -, todos eram degredados. Ou seja, nossos “pioneiros” eram criminosos que foram banidos, desterrados de Portugal para cumprir suas penas de prisão perpétua na colônia

Ver Artigo
O plano português para colonização das terras doadas - Sesmarias

A 28 de fevereiro de 1532, D. João III, por carta, cientificou a Martim Afonso de Souza a resolução que tomara de dividir o litoral do Brasil, de Pernambuco ao Rio da Prata, com o fim de formar capitanias com cinqüenta léguas da costa

Ver Artigo