Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

Portal antigo do Convento da Penha

Proibidas, nesta reduzida Capitania, as expedições para o sertão à cata de ouro, escasseiam noticias, na segunda metade do século XVIII, de novas explorações, pelo atual território do Espírito Santo.

Pelo rio Doce ainda desceu, em 1769, uma "bandeira". Chefiava-a Antônio Cardoso de Souza.

No Castelo, as pesquisas cessaram de forma algum tanto épica, no ano de 1771; surpreendidos pelos puris, os mineradores, enquanto as mulheres retiravam-se levando as crianças, opuseram destemerosos tenaz resistência aos temidos indígenas. Por fim, destruídos os canais, antes utilizados no desvio do rio, a ponte e as casas, os colonos desceram o Itapemirim, e foram estabelecer o batistério da antiga paróquia, na barra desse rio. Surgiu destarte a nova freguesia de N. S. do Patrocínio.

Encontra-se numa geografia histórica de Minas Gerais, escrita em 1780, talvez a última notícia do século XVIII, sobre jazidas no Espírito Santo: — "o rio São Mateus excede a todos na riqueza de pedras, segundo declaram os roteiros do Mestre de Campo João da Silva Guimarães".

Expulsos os jesuítas, os árduos trabalhos da catequese e os nobres encargos da instrução pública ressentiram-se, por igual, da falta desses padres, não obstante a reforma do ensino decretada a 28 de julho de 1759.

Os botocudos do rio Santa Maria, alevantados em 1779, faziam a Câmara solicitar à Rainha mandasse contra eles — "expedições a que chamam "bandeiras", de gente armada". A expressão "bandeira" era preferida e usual no sul. Os índios estavam prejudicando a extração regular de tapinhoã, madeira apreciada da Marinha portuguesa, para construções navais, abundante nas matas de Benevente e Nova-Almeida. Desde 1700 fora proibido cortá-la livremente.

Cogitou logo Pombal, no governo, de suprir as deficiências da instrução, graças a um novo tributo, o "subsídio literário". Constituído de um real por libra de carne, e de cem réis sobre cada canada de aguardente, foi instituído em 1772. Desde 1771 fora criada, em Vitória, uma cadeira de Latim. Mandou, depois, a Corte abrir aulas de ensino público em São Mateus, Itapemirim, Benevente, Espírito Santo e Nova Almeida.

Nessa vila, a Câmara pretendeu estabelecer a obrigatoriedade do ensino, determinando em 1793 que, sob pena de prisão, todos os pais levassem os filhos à casa do respectivo escrivão pois este, além da doutrina cristã, era obrigado a ensinar-lhes a ler e escrever. Dois anos depois, determinou ainda, sob a mesma pena, que em toda a Vila só se falasse a língua portuguesa. Parece ter fundamento, à vista dessa resolução, uma notícia veiculada por Saint-Adolphe de que os jesuítas mandavam os noviços, vindos da Europa, aprender o tupi na Residência de Nova Almeida. Nessa primitiva aldeia os jesuítas chegaram a reunir 4.000 índios. Transformada em Vila, os Oficiais da Câmara e o Vigário representaram, em 1782, contra o Ouvidor, porque não zelava pelo interesse e sossego dos índios, vexando-os e oprimindo-os por intermédio do escrivão. Provocara a representação, que foi ter à Bahia, uma tentativa de monopolizar os embarques, para Vitória, de algodão e madeira, com a conivência, dizia-se, do Capitão-mór.

Os jesuítas haviam sido hostilizados, convém lembrar, porque se opunham à exploração dos índios...

Outros religiosos, como os franciscanos, preocupavam-se mais em melhorar e engrandecer as respectivas instalações: o majestoso portão de acesso ao convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, além de novos melhoramentos no Santuário, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus. Muito antes dessas obras em 1609, transferiram os restos mortais de Pedro Palácios, para o convento de Vitória, cuja torre ainda ostenta a data — 1784, ao lado da que se lê no vetusto frontispício da igreja: 1744.

Data de 1784 a construção do aqueduto pelo qual trouxeram água do morro da Lapa, em Vitória, para o convento; e, daí, até um chafariz junto ao muro da calçada, exatamente em frente à atual Rua Coronel Monjardim, como se vê em antigas fotografias.

Prosseguia a esse tempo, demorada, a reconstrução da Matriz em Vitória; de Nova Almeida vinham as madeiras e a cal.

Interessado no desenvolvimento da colônia, o governo distribuiu em 1785, no Espírito Santo, sementes de linho, cânhamo e de um pinheiro muito apreciado.

Escreveu da Bahia o Vice-rei aconselhando o povoamento e a cultura das terras do rio Doce, iniciados por João Jacinto e outros colonos. Provindo da Capitania ao Sul, o café estendia-se pela parte meridional do Espírito Santo.

Um alvará de 1785 proibiu fábricas e manufaturas no Brasil exceto a do tecido grosseiro de algodão.

No intuito de amparar algumas Câmaras, um alvará de 1795 mandou conceder-lhes novas sesmarias. Foram proibidas, logo depois, à beira dos rios e até 3 léguas deles ou do mar; e essa ordem, interpretada com exagerado rigor, comprometeu profundamente o progresso desta Capitania.

A procura cada vez maior de algodão, graças às grandes encomendas determinadas pelos maquinismos da indústria inglesa, fizera subir o preço desse produto, a partir de 1775.

Sinal da expansão que parece ter havido no último quartel do século, como sucedia em outros pontos, foi a criação de um regimento de infantaria de milícia, com duas companhias agregadas de cavalaria. Veio comandá-la Inácio João Mongiardino, depois Capitão e Governador. Tornou-se logo necessário organizar um hospital militar, instalado em uma dependência do antigo Colégio dos jesuítas. Assim, foi substituído o terço de auxiliares ou ordenanças, instituído em todas as Capitanias, sob o comando de um sargento-mór, consoante a carta régia de 22 de março de 1766.

Para encarecer a importância dessa notícia é preciso notar que o policiamento anterior não ia além de 60 praças, e havia notícias de uma nau e de um brigue franceses, aprisionando embarcações, na barra de Vitória...

Aproximava-se o século XIX.

Em instruções baixadas para o Governador, na Bahia, o Príncipe Regente escrevia o seguinte: "Sendo-me devido um particular cuidado o reanimar a quase extinta Capitania do Espírito Santo, confiada até agora a ignorantes e pouco zelosos Capitães-mores, fui servido nomear para a mesma um Governador particular, que vos fica sempre subalterno, e escolher um nome de conhecidas luzes e préstimo na pessoa do Capitão-de-fragata Antônio Pires da Silva Pontes".

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo, ano 1945
Autor: Mário Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2015

Especiais

Legalização do Jogo

Legalização do Jogo

Guarapari e Domingos Martins – por representarem o litoral e a montanha, estamos abrindo uma oportunidade de debate, sem a reabertura indiscriminada do jogo em todo o país

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Em Vitória foi erguido um templo a N. S da Conceição. Foi construído no prolongamento da Rua da Praia no ponto onde a Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência 

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

A “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo
Viagem de Pedro II ao Espírito Santo - Por: Mário Freire

Excelente o trabalho de Levi Rocha, na “Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”, sobre a visita, em 1860, do Imperador, com a reprodução dos seus curiosos desenhos e observações

Ver Artigo