Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Apicum do Poço - Edward Athayde D’Alcântara

Sítio Apicum do Poço, ao fundo o Morro do Convento da Penha

De lagoa em lagoa a água foi se juntando até chegar a lagoa maior conhecida como Apicum do Poço, e principal braço (braço sul) do Rio da Costa.

Segundo relatórios de presidentes da Província, dali em diante os jesuítas abriram uma vala dando escoamento a essas águas que eram causadoras de febres palustres; lembro no terreno do Astrogildo o córrego tinha forma de uma vala aberta pelo homem.

Desde 1736 já se falava a respeito de uma vala iniciada pelos antigos para trazer água do Rio Jucu e abastecer a Vila do Espírito Santo. Em carta enviada ao rei D. João V, o capitão-mor da Capitania do Espírito Santo, Silvestre Cirne da Veiga, opinava que o terreno da vila tinha condições de suportar uma grande povoação e seria “muito melhor acabando-se de abrir a vala que principiaram os antigos moradores para trazerem uma levada de água do rio Jucu que com facilidade se pode fazer”. (APE-AHU)

“Em outro tempo projetou-se e realizou-se até certo ponto a abertura de um canal partindo do Rio Jucu até a Vila. Essa obra seria de importância, mas demanda despesas que não compensarão as vantagens que d’ela se devem esperar, atendendo-se a pequena população, e ao estado de decadência a que muitos anos está esta vila reduzida, sem esperanças de que se possa levantar, por lhe faltarem os necessários elementos” (23/05/847). (Relatório apresentado pelo presidente da Província, Dr. Luiz Couto Ferraz).

“Há igualmente uma obra que urge começar, é a abertura da vala do campo de Vila Velha, principalmente no tempo dos jesuítas, foi depois abandonada; mas os danos, que causam as águas, que nesses compôs estagnam obstruindo o trânsito é incalculável” (30/11/1848). (Relatório que o Exmo Dr. Antônio Pereira Pinto entregou ao Comendador José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, segundo Vice-Presidente da Província. – página 36.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Vila Velha

E assim se deu a luz em Vila Velha (30/07/1910) – Por Dijairo Gonçalves Lima

E assim se deu a luz em Vila Velha (30/07/1910) – Por Dijairo Gonçalves Lima

Pelo visto, tinha-se a impressão de que alguns ainda tinham dúvidas de que, naquela noite, a cidade ficaria iluminada por lâmpadas incandescentes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Apicum do Poço - Edward Athayde D’Alcântara

De lagoa em lagoa a água foi se juntando até chegar a lagoa maior conhecida como Apicum do Poço, e principal braço (braço sul) do Rio da Costa

Ver Artigo
Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde funcionava 24h

Ver Artigo
Antônio Francisco Athayde – Por Seu Dedê

Doutor Antônio Francisco de Athayde foi prefeito de Vila Velha no período de 1918 a 1921

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo
Toca – Por Seu Dedê

Depois de Ernesto Goggi David vinha o terreno e residência de Gil Bernardes da Silveira

Ver Artigo