Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aprendendo todo dia – Por Antônio Rosetti

Capa do Livro: O Diário da Rua Sete – 40 versões de uma paixão, 1998 - Capa: Anderson Marques

Eu cursava a Faculdade de Filosofia (Fafi) quando Paulo Torre, um amigo e colega de classe, me convidou para trabalhar nO DIÁRIO. Ele já era editor e eu entrei como repórter.

A proposta era renovar, aprimorar e atualizar o jornal.

Outros alunos foram convidados, mas depois tomaram outro rumo. Acho que desse grupo só eu fiquei.

Na época, Fafi e O DIÁRIO tinham tudo a ver no que diz respeito a expectativas culturais e políticas.

Esse "recrutamento" de fafianos foi feito em outras ocasiões, espelhado em experiência muito bem sucedida, que foi a seleção e treinamento dos formandos Hesio Pessali e Renato Soares pela Veja, que começou a circular em 1968.

Gostei logo do trabalho, do ambiente, dos colegas, que já conhecia de outras ocasiões.

Efetivamente, a redação dO DIÁRIO oferecia possibilidades de aprendizado. Estávamos motivados. Foram contratados também profissionais maduros, com grande bagagem e experiência. Um detalhe: era permitido errar.

É absolutamente correta a afirmativa, que remonta àquele período e à própria redação do jornal, de que O DIÁRIO era o maior jornal da Rua Sete de Setembro. Cada edição era um exercício. E nem sempre o dever de casa era bem feito. Três profissionais foram decisivos para o aprimoramento da nossa turma: Cláudio Bueno Rocha, Vinícius Seixas e Hesio Pessali, que estava de volta a Vitória depois de passar pela Veja. Eles se comportavam - eu via assim - como mestres, muito mais do que como o organograma indicava: diretor-responsável, editor-chefe etc... Dedicavam-se a ensinar e tinham conhecimento e talento para tanto.

O DIÁRIO nem sempre era uma festa durante o tempo que passei lá entre 1969 e 1971. Trabalhávamos muito, nos divertíamos, éramos e somos um grupo super-amigo, mas tivemos que conviver e nos confrontar com a pesada censura da ditadura militar, que incluía visitas dos censores à redação para dizer o que podia ser publicado e o que não podia, além de "convites" para conversas na Polícia Federal.

Havia também coisas engraçadas na censura, como a proibição de os jornais citarem o nome da filha única do general Geisel. Provavelmente, ela e o pai não participaram dessa decisão, que mais parece um preciosismo de dedicados censores de escalão menor.

Acho que O DIÁRIO não chegou a ser bem percebido pelo público-leitor de então. Não conseguiu competir com A Gazeta, apesar de nossa mobilização e esforço. Tentou ampliar tiragem com manchetes sensacionalistas e algumas arrojadas decisões, infelizmente economicamente inviáveis: edições extras em algumas ocasiões, como eleições, ou a tentativa de ser vespertino, contrariando os hábitos locais de leitura. A explicação era "posicionamento" face à concorrência.

O Caderno de Cultura, editado por Amylton de Almeida, causava enorme alvoroço. Lá tentávamos exercitar nossa capacidade crítica, defendíamos ideologias, posições intelectuais, palpites e idiossincrasias. Era também permitido mexer com quem estava quieto, o que resultava em grandes confusões. A irreverência era uma marca muito forte.

Trabalhar nO DIÁRIO definiu a minha vocação de jornalista, o que até então não estava claro. Lá aprendi, me motivei, gostei.

 

Fonte: O Diário da Rua Sete – 40 versões de uma paixão, 1ª edição, Vitória – 1998.
Projeto, coordenação e edição: Antonio de Padua Gurgel
Autor: Antonio Rosetti
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2018

Imprensa

Raízes – Por João Luís Caser

Raízes – Por João Luís Caser

O Camata  disse que quem poderia arrumar algo era Henrique Pretti, um deputado amigo de meu pai, do município de Santa Teresa, de onde também era minha família

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Um ateu no convento – Por Areovaldo Costa Oliveira

Fui encarregado de fazer a cobertura da Festa da Penha, mas não me informei a respeito do que escrever

Ver Artigo
Fé na gente, bairrismo neles – Por Marien Calixte

Uma sociedade sem hábitos culturais não tem como formar opinião. Uma sociedade sem opinião não está apta a formar sua própria cultura

Ver Artigo
Carlos Tourinho - Jornalismo Regional: Mudanças à vista, 1996

A vida do jornalista é cercada por “sirenes”. Em vários sentidos, em diferentes configurações

Ver Artigo
A guerra do sete dias – Por José Costa

Viajei num raio ao passado e desci no jornal 7 Dias, onde conheci o estoicismo, cada edição era uma história, um desafio, uma prova de obstáculos

Ver Artigo
Seis meses sem escrever – Por Milson Henriques

NO DIÁRIO eu fui desenhista, crítico de rádio e TV, e levei o Jornaleco pra lá

Ver Artigo