Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Araribóia X Villegagnon

Estátua do índio Araribóia, na Curva do Saldanha - Década de 1970

De Araribóia,(4)  comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon, não é necessário dizer mais que isto: ele e os frecheiros que tinha junto de si decidiram da sorte dos intrusos.

Além do auxílio em homens, a capitania forneceu a Estácio de Sá, de início, mantimentos
(5) e, mais tarde, quando minguavam os recursos materiais da expedição, Belchior de Azeredo foi mandado ao Espírito Santo, no navio Santa Clara, com a missão de, “como Provedor da Fazenda Real della, se provêsse ali do necessario em auxilio da nova Cidadella e sua defensão”.(6)

 

NOTAS

(4) - MÁRIO ARISTIDES FREIRE diz: “Há quem afirme Ararigboia, ou Arariboia, nascido no Espírito Santo” (Capitania, 26). Coube-lhe vingar a afronta sofrida por sua tribo da parte dos tamoios, vendo-se obrigada a emigrar para o Espírito Santo em 1555 (ver p. 82). Em reconhecimento aos grandes serviços prestados às armas portuguesas, foram-lhe concedidos o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo e o posto de capitão-mor da sua aldeia (atual Niterói, cidade do Estado do Rio de Janeiro). Ao que informa frei VICENTE DO SALVADOR (Hist. Brasil, 197), Araribóia foi batizado em 1530, tendo servido de padrinho Martim Afonso de Sousa. Daí o nome usado pelo valente temiminó – Martim Afonso de Sousa, ou Martim Afonso Araribóia – o primeiro figurando na petição cujo traslado existe na Prefeitura de Niterói (FREIRE, op. cit., 27).

– “Nos cronistas, o nome Araryboia, Ararigbóia, ou melhor, Araigbóia, vem como significando ‘cobra feroz’; mas, decompondo-se o vocábulo tupi, acha-se araib, tempo mau, tempestade, tormenta, e bói, cobra: cobra do mau tempo ou da tempestade, que assim chamavam os índios uma serpente aquática, esverdeada e de cabeça escura, cujo grunhir para eles prenunciava mau tempo” (GARCIA, Notas aos Tratados, 358).

(5) - Estudando esta passagem da História do Brasil, Varnhagen assim se expressou: “com o reforço que conseguiu no Espírito Santo, e que foi de consideração” (HG, I, 394).

(6) - SILVA LISBOA, Anais, I, 101.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

História do ES

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1842 – Por Basílio Daemon

Chegam para cumprirem degredo o ex-regente padre Diogo Antônio Feijó e o deputado Nicolau Pereira de Campos Vergueiro   

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo
Bibliotecas públicas e jornais na República

A Biblioteca Pública Provincial, em 1889, era servida por um amanuense-bibliotecário e um porteiro

Ver Artigo