Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Araribóia

Araribóia

Foi chefe dos índios temiminós e personagem de realçada importância na expulsão dos franceses do Brasil, no século XVI.

Diz sua história que “Cobra Feroz” atravessou a baía da Guanabara com uma tocha à boca, nadando silenciosamente, de maneira a surpreender os franceses. Após atear fogo ao paiol dos invasores, desamarrou a tanga e tocou-se para o Espírito Santo, destinado a virar herói consagrado em estátua.

A concepção da homenagem foi de Carlo Crepaz, escultor italiano radicado em Vitória, e fez-se em bronze, no tamanho natural, a figura de um índio retesando um arco com flecha. Nada mais justo, pois Araribóia fora reconhecido pela própria Coroa Portuguesa, que o agraciou com o título de Capitão-mor de sua aldeia; além disso, convertido ao catolicismo e batizado com o nome de Martin Afonso Araribóia, o cacique temiminó receberia o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo.

Entretanto, se naqueles tempos de luta contra franceses e tamoios, índios aliados ao invasor, Araribóia teve tanto reconhecimento — principalmente do padre jesuíta José de Anchieta, seu confessor, e, representando a Coroa, renderam-lhe perene homenagem Mem e Estácio de Sá, o donatário capixaba Vasco Fernandes Coutinho e o velho Governador Geral Martin Afonso —, nos tempos de estátua o herói brasileiro foi condenado ao desprezo.

Antes a estátua apontava para a baía, e ficava entre o Penedo e o Forte de São João. Depois, com a inauguração da avenida Beira-Mar, foi parar no depósito da prefeitura de Vitória. Foi preciso que o compositor Júlio Alvarenga encarnasse a revolta popular com a marchinha de carnaval “Bota o Índio no Lugar” (Bota o índio no lugar / ele quer tomar banho de mar. / Bota o índio no lugar / ele é da avenida Beira-Mar...), cantada à exaustão pelos foliões, em 1963, para que as autoridades assentassem o índio no velho reduto. Mas isso só duraria até o fim da década de 70, quando a estátua foi exilada na Enseada do Suá.

Novamente precisou que a opinião pública flechasse a insensibilidade dos governantes, e Araribóia voltou às proximidades de seu velho posto — hoje fica escondido, no tumulto de uma pracinha transformada em estacionamento de automóveis. O pesquisador Willis de Faria contou todas as agruras do herói brasileiro no livro Catálogo dos Monumentos Históricos e Culturais da Capital.

E o compositor e poeta capixaba Jair Amorim, que muito viveu no Rio de Janeiro, terra em que batalhou Araribóia, não esqueceria de reclamar da desdita concedida na terra capixaba ao herói. No livro Canto Magro, diz o poema Estátua de Araribóia: “...tocou-se para o Espírito Santo / com saudades da taba / e foi ser ruela sem importância / num mercadinho medíocre / da avenida Capixaba. / Entretanto, em Niterói, / ergueram-lhe uma estátua grandiosa / por onde eu passo e vejo o brônzeo herói, / olhar firme, / braços cruzados / atitude majestosa / estático fiscal do movimento das barcas. / Como conterrâneo, olhando-o nesses instantes / meu pensamento é vulgar e instantâneo: / — Com guerra ou sem guerra / ninguém é profeta em sua terra....”

E assim é a antropofagia capixaba, especializada em devorar os talentos da taba. Até que não sobre osso. Mas até quando?

Fonte: Coração Ilhéu, ano 199
Autor: Adilson Vilaça
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2015 

Matérias Especiais

Deputados capixabas nas duas constituintes imperiais

Deputados capixabas nas duas constituintes imperiais

Em 1823, tomou assento na Assembléia Constituinte brasileira, como representante capixaba, o Dr. Manuel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, membro do Supremo Tribunal de Justiça, era nascido em Vitória

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Heranças dos índios aos capixabas

Em todo o Brasil, somos conhecidos por "capixabas". "Capixaba" significa, na língua tupi-guarani, "plantação", "roçado", "lavoura", "preparação da terra para plantar"

Ver Artigo
Índios selvagens e civilizados

No tempo da expulsão dos Jesuítas, não havia selvagens em todo este distrito (sul do Espírito Santo); somente seis ou oito anos depois dela, começaram eles a cometer estragos (escrito em 1818)

Ver Artigo
Monumento ao Índio (Araribóia)

No ano de 1963, uma letra de uma velha marchinha de carnaval, de autoria de Júlio Alvarenga (“Bota o índio no lugar”), premiada em um concurso carnavalesco...

Ver Artigo
Heranças dos índios

Em algumas regiões do país, como o Norte e o Nordeste, a tradição indígena sobreviveu nos hábitos gerais: alimentação, instrumentos, transportes, habitação

Ver Artigo
Índios e jesuítas em Orobó

Há informações publicadas na Revista do Mepes de que cerca de 40 mil índios temiminós moravam entre o vale do Orobó, em Piúma, e as cabeceiras do rio Salinas 

Ver Artigo
Batalha contra os índios

Em São Mateus, em 1558, aconteceu o primeiro genocídio brasileiro, quando milhares de índios teriam sido mortos em represália ao assassinato de Fernão de Sá

Ver Artigo
Arte indígena em Anchieta

A igreja e a antiga residência de Anchieta foram construídas no século XVI pelo padre e os índios, com pedras e blocos de recifes sob argamassa de cal de mariscos e óleo de baleia

Ver Artigo
Influência indígena no ES

Na Província do Espírito Santo as mulheres não se ocultam, como ocorre em Minas; recebem o estrangeiro, conversam com ele e auxiliam a fazer-lhe as honras da casa

Ver Artigo
Peroás e Caramurus

A Ladeira do Fogo recebeu o nome de “Caramuru”, por servir de acesso ao Convento de São Francisco

Ver Artigo