Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Areia de Guarapari vira problema ambiental em Chicago

Prainha de Muquiçaba, galpão da Mibra, empresa que retirou a areia monazítica de Guarapari, década de 1940

Sede da Lindsay Light & Co, a maior compradora norte-americana da areia monazítica capixaba, a cidade de Chicago também vive hoje um impasse em relação ao que sobrou da matéria prima usada pela empresa, que utilizou o tório primeiramente para fabricação de lâmpadas e, mais tarde, foi a principal fornecedora do material para os projetos secretos de construção de bombas atômicas.

Reportagens de diversos jornais de Chicago nos últimos anos relatam que, após feita a separação do tório, a areia que sobrava era vendida para utilização em aterros. Assim, a região de Streeterville, fortemente industrializada na época, recebeu toneladas de aterro radioativo para construção de novos prédios e fábricas.

Ninguém sabe exatamente quando a venda da de areia foi encerrada pela Lindsay Light, mas o bairro passa atualmente por uma modernização e a construção de novos edifícios residenciais, hotéis e condomínios de luxo levanta o risco à saúde ao se revirar a areia radioativa.

Em entrevista ao jornal Chicago Tribune, representantes da Agência de Proteção Ambiental dos EUA informaram que a inalação de poeira contaminada por tório aumenta o risco de desenvolver câncer de pulmão e pâncreas.

ATIVISTAS

Grupos ativistas lutam há pelo menos 20 anos pelo desenvolvimento de projetos para retirar completamente a areia da cidade. Em uma década, uma ação para retirar a areia contaminada retirou 13.500 toneladas do material de diversos terrenos de Chicago. A areia é enviada para um aterro licenciado a trabalhar com resíduos radioativos, em Utah. As multinacionais que assumiram o controle da Lindsay Light fizeram acordos com a Justiça e se comprometeram a injetar recursos para auxiliar na limpeza desses terrenos. O custo para retirada de toda a areia é estimado em US$ 121 milhões de dólares.

A estimativa de governantes é de que quase 150 mil toneladas dessa areia foram despejados em terrenos a oeste de Chicago. Não é difícil presumir que grande parte do polêmico material enterrado em Chicago tenha sido retirado de Guarapari. Em seu depoimento à CPI da Energia Atômica, Boris Davidovitch havia declarado que o principal cliente da Mibra era justamente a Lindsay Light, da qual o próprio Boris possuía participação acionária.

Pelo menos seis regiões de Chicago, inclusive residenciais, receberam a areia para aterro. Uma área utilizada pela Lindsay Light ficou conhecida como “montanha de tório” pela grande quantidade de material concentrado. Apesar de boa parte da limpeza já ter sido efetuada, o impasse agora fica por conta do destino do lixo industrial, e não apenas em Chicago: assim como a Lindsay Light, estima-se que pelo menos outras 15 indústrias atuaram na produção de mantas de tório para lâmpadas em diversos Estados americanos, e tenham comprado, em quantidades desconhecidas, areia monazítica no período entre 1900 e 1930.

O grande volume de areia aterrada em Chicago também sugere que a quantidade exportada pelo Brasil é realmente maior do que as 100 mil toneladas declaradas oficialmente. Em 1950, reportagem do jornal Chicago Tribune detalhava a preocupação do setor industrial norte-americano com a possibilidade de uma lei brasileira proibir a exportação de monazita a partir do ano seguinte.

Ouvido pela reportagem, Charles Lindsay, proprietário da Lindsay Light, detalhou que havia uma grande corrida pela monazita por conta dos projetos atômicos americanos. Ele alegou que o governo brasileiro estaria fazendo pressão para que Lindsay instalasse uma fábrica no Brasil para tratamento do tório. Ele também declarou ao jornal que “mantinha um grande estoque de areia monazítica nos Estados Unidos”, sem citar, porém, a quantidade.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A bomba atômica de Guarapari, 30/08/2015
Autores: Aglisson Lopes e Natália Bourguignon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016

Curiosidades

Conheça o interior do Palácio Anchieta

Conheça o interior do Palácio Anchieta

Palácio fica localizado na Cidade Alta na Praça João Clímaco, em Vitória ES

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Russo era o barão da monazita de Guarapari

Um só homem foi acusado de ter faturado milhões de dólares em Guarapari com a extração de areia monazítica praticamente de graça, durante quase 30 anos

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo
Contrabando nos porões dos navios em Guarapari

A desculpa era de que a areia fazia peso nas embarcações. “Fomos saqueados durante anos”, afirma historiadora

Ver Artigo
Areia monazítica de Guarapari - Fim da exploração

Na década de 80, prefeito de Guarapari fez campanha para tornar a cidade referência no tratamento de doenças reumáticas

Ver Artigo
Material radioativo de Guarapari está armazenado em latas nos EUA

Foi na época de bastante movimento no porto de Guarapari que foram criados os hotéis Torium, Radium e Monazita

Ver Artigo
Areias de Guarapari viraram bomba

Areia monazítica explorada em Guarapari foi exportada e usada pelos Estados Unidos na fabricação de bombas

Ver Artigo