Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Areia monazítica de Guarapari - Fim da exploração

Pesquisas foram capitaneadas por Marie Curie, ganhadora do Prêmio Nobel

A exploração das areias monazíticas em Guarapari, história que começou a ser contada na edição de ontem (30/08/2015) de A Gazeta, só teve fim na década de 80, após anos de negociações secretas entre empresas e governos, acordos internacionais, corrupção e denúncia de trabalho escravo.

O material retirado das praias capixabas chegou inclusive a ser usado na fabricação de bombas e a reviravolta na história deu-se principalmente pelo lado medicinal descoberto nas areias.

A partir da morte do russo Boris Davidovitch, que ficou conhecido como o barão da monazita, a exploração de terras raras passou a ter um controle maior do Estado e a sede da Mibra em Guarapari se transformou na empresa Nuclemon, subsidiária da estatal Nuclebrás, criada para concentrar a exploração desse tipo de material para interesses industriais.

A Nuclemon continuou extraindo areia monazítica e beneficiando seus derivados por mais de 20 anos, até a década de 80, quando uma nova campanha capitaneada pelo então prefeito de Guarapari, Graciano Espíndula, propunha o fim definitivo da exploração da areia na cidade e mais investimentos em turismo e infraestrutura, tornando o balneário atrativo para tratamento de pessoas com diversas doenças, sobretudo reumáticas.

“Se Cleveland (EUA) é a referência mundial em cardiologia, Guarapari será referência em reumatologia”, declarou o prefeito em maio de 1983, em entrevista ao jornal A Gazeta.

Na época os benefícios das areias radioativas de Guarapari para tratamento de doenças já eram bastante difundidos, e a cidade recebia turistas de diversas partes do Brasil e do mundo.

Uma série de reportagens publicadas por A Gazeta mostrava histórias de gente que buscou Guarapari para se tratar e acabou adotando o local como residência. Também não faltavam relatos de pessoas creditando a cura de diversas doenças ao tratamento feito com a areia das praias.

Areia tratava câncer

Nos arquivos públicos franceses, mais de 210 documentos entre cartas, pedidos de material e recibos ligam a Société Minière Industrielle Franco- Brésilienne, precursora da Mibra, em Guarapari, a diversos laboratórios franceses e alemães.

A maioria dos contatos são de compra, venda e aluguel de tubos de Tório entre a empresa e o Institut du Radium, laboratório presidido pela ganhadora do prêmio Nobel de Química, Marie Curie. Ela e o marido, Pierre, foram responsáveis pela descoberta da radioatividade e por ter dedicado a vida às pesquisas sobre o uso terapêutico dos materiais radioativos.

Segundo o estudo “Marie Curie and the Radium industry” do pesquisador Xavier Roqué, a partir de 1903 o uso na medicina de materiais radioativos foi popularizado na França, o que fez aparecer um mercado de extração de materiais radioativos pelo mundo.

O material era usado em centros de tratamento de câncer tanto em Paris quanto em outras cidades. Na capital Francesa, a Société Minière et Industrielle Franco-Brésilienne mantinha um escritório no número 20 do boulevard Montmartre, e uma usina de tratamento de tório e outos materiais radioativos na cidade de Clichy. Por questões de segurança, nos anos 80, a usina foi demolida e enterrada pelo governo francês.

Além da pesquisa, os laboratórios utilizam o tório na fabricação de aparelhos de radioterapia e de sais luminosos (material fosforescente usado em pinturas e em agulhas).

Marie Curie visitou o Brasil em 1926, atraída pela fama das águas radioativas do Termas de Lindóia, em São Paulo. Na época, o local já era conhecido como terapêutico. Curie visitou o local durante um dia.

A visita às terras brasileiras, no total, durou mais de 40 dias. Madame Curie esteve em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, onde visitou o primeiro hospital brasileiro especializado em tratamento de câncer com uso de radiação. Marie Curie faleceu em 1934, depois de muitos problemas de saúde, provavelmente em razão da contínua exposição à radiação.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A bomba atômica de Guarapari, 30/08/2015
Autores: Aglisson Lopes e Natália Bourguignon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016

Curiosidades

Caranguejo liberado!

Caranguejo liberado!

Saiba mais 

 O Caranguejo pode ser encontrado nos mangues, desde o Amapá até Santa Catarina.

 A carapaça pode alcançar 10 cm de diâmetro, e com as pernas distendidas pode ultrapassar 30 cm de envergadura...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Contrabando nos porões dos navios em Guarapari

A desculpa era de que a areia fazia peso nas embarcações. “Fomos saqueados durante anos”, afirma historiadora

Ver Artigo
Material radioativo de Guarapari está armazenado em latas nos EUA

Foi na época de bastante movimento no porto de Guarapari que foram criados os hotéis Torium, Radium e Monazita

Ver Artigo
Areias de Guarapari viraram bomba

Areia monazítica explorada em Guarapari foi exportada e usada pelos Estados Unidos na fabricação de bombas

Ver Artigo
Areia de Guarapari vira problema ambiental em Chicago

Não é difícil presumir que grande parte do polêmico material enterrado em Chicago tenha sido retirado de Guarapari

Ver Artigo
Russo era o barão da monazita de Guarapari

Um só homem foi acusado de ter faturado milhões de dólares em Guarapari com a extração de areia monazítica praticamente de graça, durante quase 30 anos

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo