Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Areias de Guarapari

Guarapari Praia da Areia Preta, decáda de 50

Guarapari era o único local do mundo onde nasciam crianças e alguns animais se reproduziam. Depois da guerra nuclear, as mulheres de outras partes que ainda conseguiam gerar, pariam bebês já mortos. A notícia se espalhou rapidamente e a cidade brasileira passou a receber centenas, milhares de pessoas, que acreditavam não ter a radioatividade atingido a região. Mais do que depressa, os cientistas se reuniram e resolveram evacuar os antigos residentes da cidade para um local seguro e informaram ao mundo uma nova verdade, difícil de se acreditar: no interior brasileiro uma nova espécie vinha se formando há muitos anos e, agora, só ela teria condição de sobreviver aos efeitos da radioatividade.

Na região de areias monazíticas, a radioatividade ambiental sempre foi maior do que os níveis normais, devido à presença, na superfície, de minérios contendo particularmente tório e traços de urânio. Durante muitas gerações os seus habitantes conviveram com uma radioatividade que alterou seus constituintes biológicos. Não que isso os prejudicasse, mas tornou-os resistentes a altos níveis de radiação e preparou o homem para superar o impasse da sua extinção como vida na Terra.

Para um livro ou um filme de ficção científica, esse tema é fascinante. Mas para o professor Marcelo Barcinski, chefe do laboratório de Radiobiologia Celular do Instituto de Biofísica da UFRJ, essa é uma especulação possível, mas que não preocupa muito o cientista: “O importante são os resultados do presente”. E no seu laboratório, onde são analisadas amostras sanguíneas da população de Guarapari, até o momento, apesar de o estudo estar sendo realizado há quase 10 anos, os resultados obtidos não são definitivos.

Se, por acaso, não se encontrar alterações, explica Marcelo, pode-se afirmar que pelo menos ao nível celular não há nenhuma conseqüência de se viver durante 10 anos numa área de radioatividade ambiental elevada. Se for positivo, o estudo deverá ser ampliado no sentido de serem procuradas as conseqüências dessas aberrações cromossômicas para o homem. Elas podem se manifestar no próprio indivíduo, ou na sua segunda geração, se foram geneticamente transmissíveis. Então poderá ser feito um estudo de uma segunda geração de habitantes, em Guarapari.

 

Autor: Nilton Caparelli (1987)


Links Relacionados:

 Guaraparim
 Guarapari em 1862 
 Guarapari - turismo e folclore

História do ES

Lei Eusébio de Queirós

Lei Eusébio de Queirós

Navios negreiros foram aprisionados na Barra do Itapemirim e em São Mateus, nos anos de 1852 e 1856. O interessante é que a embarcação confiscada em São Mateus era inglesa – Mary Smith – e transportava 350 negros.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo